Nathallia Protazio
Nathallia Protazio, escritora
Agora Vai

A constância faz o trabalho

Change Size Text
A constância faz o trabalho Arquivo pessoal
A constância faz o trabalho. Alimente a rotina como a uma criança de colo. Não deixe o som de uma palavra preciosa calar antes do meio-dia. A culpa me sopra conselhos e insultos. Escreva, você não precisa de um banho, escreva. Saia de dentro deste livro, o seu não está escrito nas palavras alheias. Escreva, não esqueça de fazê-lo antes do meio-dia. O sutil som da culpa dentro da madrugada. Uma vez eu morei numa casa de pedras, a umidade comia nossos ossos aos pedaços e o vento soprava distante. Pelo vidro duplo das janelas levantadas contra o inverno eu observava os movimentos ousados dos bichos. Uma raposa. Um porco. Um cão. No meio da tarde eu me perguntava onde iam, com a pressa da fome ou o medo da chegada da noite? Outra raposa. Um porco. Um veado. Publicidade Noutra estação me escondi na casa da vizinha. Uma xícara de chá sempre à espera. Duas cadeiras na varanda suspensa. A estante guardava poeira de décadas e clássicos argelinos. Ela saía não sei para onde, voltava sem hora nem vontade. Eu alimentava os peixes tristes enquanto a noite caía no jardim explodindo seus verdes lilases brancos. Kafka guardara seus silêncios sob o poente. Então a casa pequena. Um quarto é mais do que suficiente. Mais do que suficiente não existe, mesmo assim, fico com ela. Pequena como queria meu peito. Compacto e, como dizem hoje em dia, funcional. Um peito que funcione e comporte um pouco de cada, um pedaço de osso, uma raposa e alguns peixes tristes. A casa vazia. Esvaziada. A ousada tarefa de empacotar uma vida inteira em caixas. Encaixotar. Encaixar. Aqui, antes do meio-dia, escrevo cartas. Às duas da tarde acerto a lista da mercearia. No aplicativo mando mensagem para o entregador. Aviso em letras desenhadas que tive de sair, espero que entenda. Preencho o calendário de palavras alheias. Nas quartas-feiras uso poucos verbos e guardo os adjetivos para as horas do sábado. Pego uma xícara de chá, espero. Daqui a pouco elas devem estar chegando, sem hora nem vontade. As palavras.  Nathallia Protazio é escritora e farmacêutica. Autora de Aqui dentro (Venas Abiertas, 2020) e Pela hora da morte (Jandaíra. 2022). Clique aqui e adquira seu exemplar direto com a autora.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Publicidade
RELACIONADAS

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.