Juremir Machado da Silva

Capim Santa Fé

Change Size Text
Capim Santa Fé Foto: ICMBio

Sim, eu tenho essa saudade do futuro que me faz sorrir quando me sinto triste. No mais, o que me faz apertar os olhos são lembranças sem razão de ser. Há dias, especialmente de inverno, com sol tímido e suave, que eu me vejo contemplando o doce e melancólico balanço do capim santa fé. Era no fundo do campo, lá onde a pampa encontra a sua alma. Eu era menino e sonhava com dias quentes. Vez ou outra, no começo das tardes, olhava a verdura interminável dos campos e via, numa parte baixa e úmida ao longe, tremular um quase mato de capim santa fé. Eu ouvia o vento, experimentava a sua dureza cortante, tanto quanto a desse capim que cobria as casas e os galpões, e me sentia repentinamente desolado, como se o tempo fosse senhor do medo, tão triste quanto os pássaros.

Jamais saberei o que me faz pensar naquelas tardes, naquele sol, naquele vento, naqueles pássaros, naquelas touceiras de capim ondulando como se fossem pessoas vergadas ao cabo da enxada. Era um quadro aquilo, o quadro que eu nunca saberia pintar, mas era também uma sinfonia, aquela que eu jamais poderia tocar, quem sabe uma sonata de inverno, talvez apenas algumas notas, o som de um violino, a arte que eu ainda não conhecia e da qual já sentida saudade. Lembro-me como se fosse agora, pois estou revendo a cena, de um pássaro de papo amarelo na cumeeira do galpão mais alto, lembro também do meu avô “quinchando” outra casa com aquele capim resistente e térmico. Do alto, ele me dizia sibilando:

– Cuidado, não vai te cortar.

Mal sabia ele que eu já estava cortado por dentro, lacerado, lanhado, cortado pela imensa tristeza que aquela paisagem tão bela e gratuita acendia em mim. O capim santa fé que eu via naqueles baixios onde pastava um cavalo ou um boi amarelava e sua dança, pois para mim era uma dança cheia de nostalgia, ganhava ares de oração. Eu tinha uma estranha vontade de capturar aquelas imagens, de guardá-las no meu fundo mais secreto, de protegê-las da noite que chegava implacável. Até hoje não sei o que essas lembranças representam. Não encontrei quem me explicasse a força selvagem da oscilação daqueles altos tufos de capim santa fé na solidão povoada de pios de pássaros daqueles dias ventosos.


Publicidade Publicidade

Certa vez, numa manhã ensolarada de Paris, perguntei a um psicanalista muito famoso, que me concedia uma entrevista e falava de coisas que me faziam pensar na beleza crua do capim da campanha curvando-se para resistir à pressão do vento gelado, o que isso podia significar. Ele sorriu, bebeu um gole do seu vinho branco, cumprimentou uma passante, enquanto a cidade rugia em torno, à sombra das flores do mal, e disse:

– Possivelmente que esse foi o lugar que mais amou até hoje.

Fiquei pensando nesse amor por um lugar e por uma imagem que me entristeciam. Hoje, liberto das poucas ilusões que nutri sobre certas glórias vãs, chego a pensar que aquela cena fazia de mim pintor, músico, cantor, desenhista, poeta e até colecionador de perfeições estranhamente perecíveis e eternas. Tem certos dias, quando o inverno se instala e o sol brilha como se sentisse preguiça, que eu penso naquelas tardes, na melancólica oscilação daquelas plantas rústicas, no vento assobiando, naquelas verduras sem fim e chego a ouvir o pio dos mesmos pássaros, como se eu tivesse ficado congelado num quadro pintado por alguém que não vi.

Então eu canto…

“Sei que ainda vou voltar…”

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.