Juremir Machado da Silva

Gabinete de curiosidades brilha no Theatro São Pedro

Change Size Text
Gabinete de curiosidades brilha no Theatro São Pedro
Foram três noites de sucesso no sempre solene Theatro São Pedro. A peça “Gabinete de curiosidades”, dirigida por Luciano Alabarse, mesclou textos de dois livros de Gilberto Schwartsmann, “O sol brilhou na Currúpnia” e o que dá título ao espetáculo. Com casa lotada, inclusive numa matinê para idosos, a interação entre palco e plateia foi perfeita. O público riu, vibrou, aplaudiu e se emocionou. Como não se sensibilizar com a história de dois velhos atores um tanto abandonados que sonham em ganhar um concurso com uma peça tão inspirada em algum clássico que poderia até ser uma cópia?

A estreia de Gilberto Schwartsmann no teatro é uma grande declaração de amor à arte, a Shakespeare, a Ibsen, essa galera toda, se posso usar essa expressão da gurizada para falar de monstros sagrados da cultura. Uniram-se vários talentos para produzir um êxito: Schwartsmann, Alabarse, Arlete, Zé Adão, Zugno. Cada entrou com uma porção de sensibilidade. O texto mostra a enorme cultura de Gilberto, seu senso de humor e sua pegada crítica em relação a governantes que preferem o obscurantismo à luz da cultura. Sem que nomes sejam citados, cada sabe de quem se está falando. A sutiliza predomina.

Depois de uma das apresentações da peça houve uma rápida mesa com a participação do psicanalista Claudio Eizirik, que fez uma análise elegante e inspirada do que vimos. Uma obra sobre solidão, etarismo, descompasso entre realidade e desejos, paixão por livros, autores, ideias, belas sacadas e tudo o que represente o espírito. Em tempos de cultura das armas, as armas da cultura continuam sendo a inteligência, a ironia, o sublime e o profundo respeito pelo patrimônio acumulado ao longo de séculos de devoção ao belo, sabendo-se, obviamente, que belo pode ser aquilo que localiza e revela o mais feio da humanidade, sempre capaz de produzir o melhor e o pior.

Livre, leve e solto, Gilberto Schwartsmann explora vários aspectos da sempre complexa relação entre indivíduo e sociedade, dessa vontade de compartilhamento de emoções aos desvãos da alma onde se escondem os nossos fantasmas mais resilientes, que também a eles pode ser aplicada essa palavra da moda ESG. Como escreveu Luciano Alabarse, “teatro é, ao mesmo tempo, um exercício de humildade e ousadia”. No caso, a humildade diante das riquezas acumuladas pela cultura mundial; e a ousadia de brincar com elas como quem joga para iludir o tempo. Na saída do São Pedro, na noite fria de julho, pessoas comentavam:

– Que maravilha. Como é bom sair de casa para ver algum inteligente!

Síntese perfeita.

Continua...

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.