Matinal News

Cidades registram manifestações modestas contra Bolsonaro

Change Size Text
Cidades registram manifestações modestas contra Bolsonaro

Dias depois dos atos de raiz golpista encabeçados pelo presidente Jair Bolsonaro (ainda sem partido), ontem pelo menos 15 capitais registraram manifestações contra o governo federal. De baixa adesão, os atos foram convocados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e pelo Vem Pra Rua (VPR). Em Porto Alegre, o protesto ocorreu no Parcão – onde normalmente ocorrem as manifestações da direita – com a presença do governador e presidenciável Eduardo Leite (PSDB), que discursou em dois momentos. Os manifestantes, em menor volume que no ato pró-Bolsonaro do dia 7, levavam bandeiras do PDT, Novo, MDB e PSDB. Em São Paulo, marcaram presença os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Simone Tebet (MDB). Por lá, mesmo contando com nomes de peso, a estimativa é de que apenas 6 mil pessoas participaram, ante 125 mil no ato bolsonarista e 15 mil na manifestação da esquerda no dia 7. Nas redes de muita gente, o vazio das ruas se deveu em parte por conta da recusa do PT de participar dos atos. No entanto, esta análise do cientista de dados Pedro Barciela mostra que a atonia dos protestos foi mais ligada à rejeição ao MBL e Vem Pra Rua que propriamente ao boicote de partidos de esquerda. 

Controverso, novo Código de Ética da Prefeitura volta à pauta esta semana

Documento que vem causando controvérsia entre a Prefeitura de Porto Alegre e seus funcionários, o novo código de ética apresentado aos servidores públicos da Capital deve gerar mais discussão nesta semana, quando venceria o prazo inicial para que os servidores o assinassem. Porém, após protestos de entidades trabalhistas, a nova data limite deve ser estendida por mais 30 dias, segundo antecipou à reportagem do Matinal Gustavo Ferenci, secretário municipal de Transparência e Controladoria (SMTC).

Apresentado em junho aos trabalhadores, o Código de Ética, de Conduta e de Integridade dos Agentes Públicos e da Alta Administração do Município de Porto Alegre vem causando polêmica por um trecho sobre postagens em redes sociais, no capítulo em que trata das “condutas éticas” dos agentes públicos. No início do mês, reportagem do Sul21 mostrou que o Simpa orientou a categoria a não assinar o termo de adesão ao código, que chamou de “decreto da mordaça”.

A polêmica se dá, em grande parte, por dois motivos. O primeiro é que os servidores públicos de Porto Alegre já respondem ao Estatuto dos Funcionários Públicos do Município de Porto Alegre, definido pela Lei Complementar nº 133, de 1985 – quando, vale lembrar, não existia o conceito de redes sociais. O segundo, mais específico, diz respeito a um inciso segundo o qual o servidor deve “zelar para que a publicação de opinião pessoal nas redes sociais e em mídias alternativas não resultem em prejuízos à imagem institucional do Município, bem como a de seus agentes públicos”.

Com a ampliação do prazo, a Procuradoria-Geral do Município pretende aprofundar a discussão com os servidores, para evitar novas polêmicas. O Simpa, porém, disse que sequer foi procurado e vê a proposta como inconstitucional. 

Leia a reportagem completa


O que mais você precisa saber

Números da Covid arrefecem – A pandemia não acabou, mas dá sinais de enfraquecimento. Neste domingo, cinco estados brasileiros sequer notificaram novas mortes ligadas à pandemia. O Rio Grande do Sul ainda não está neste nível, mas registrou o menor número de óbitos reportados ao longo de um fim de semana em 15 meses. No sábado e no domingo, a Secretaria Estadual da Saúde informou a morte de 28 pessoas. Com mais de 40% da população total com esquema vacinal completo (e mais da metade do público adulto), a média móvel de mortes relacionadas ao coronavírus vem mantendo tendência de queda, assim como as hospitalizações. Ontem à noite, seis meses após o período de colapso no sistema de saúde gaúcho, havia 3,5 leitos de UTI livres para cada paciente internado com Covid no RS.

Pinto Bandeira pode voltar a ser distrito de Bento Gonçalves – O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o município de Pinto Bandeira pode voltar a ser um distrito de Bento Gonçalves. O acórdão é resultado de uma ação movida pela Procuradoria-Geral da República de 2011 que contesta uma série de leis estaduais que permitiram a criação de municípios em 1996. Pela ação, os critérios não estariam embasados em um regramento federal, que é uma exigência da Constituição. Além de Pinto Bandeira, outros 29 municípios gaúchos podem sofrer o mesmo revés, uma vez que a situação emancipatória é semelhante ao da cidade vizinha.

Vacina, sim!

Saiba aqui o serviço da vacinação contra a Covid em Porto Alegre nesta segunda-feira. 

Outros links:


Cultura

Entrevista: a história da foto na capa da Time no 11 de Setembro

Para chegar no pé do World Trade Center e registrar o evento que redefiniu o mundo naquela linda manhã de setembro de 2001, Lyle Owerko deu várias voltas na Terra saindo do seu apartamento de TriBeCa, quase ao lado do local da tragédiaLeia o relato do realizador Diego de Godoy e assista à entrevista dele com o fotógrafo Lyle Owerko, autor da imagem icônica que estampou a revista Time alusiva aos atentados de 2001, que completaram 20 anos no último sábado.

Agenda (🔒)

Às 19h, o prédio da Biblioteca Pública do Estado do RS terá suas paredes cobertas por uma projeção de imagens em homenagem a Dante Alighieri, acompanhadas de texto de Rafael Bán Jacobsen interpretado pelo ator Zé Adão Barbosa.

O artista e educador Charles Watson é o convidado da Formação em Arte + Tecnologia, projeto realizado pelo Instituto Ling em parceria com o Tecnopuc, às 19h.

Às 20h, a cantora Pâmela Amaro recebe a atriz Vera Lopes e a professora Naiara Silveira em live com o tema “Samba e Consciência Negra”.

Para receber todas as dicas culturais do Roger Lerina enviadas aos assinantes premium do Matinal, assine aqui.

Receba a agenda completa


Você viu?

Até poucos dias atrás, o Brasil celebrava as medalhas conquistadas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, onde a delegação do país ficou no top-10 da competição. E essa comemoração só foi possível graças a muito esforço e trabalho, também desenvolvido no Rio Grande do Sul e em Porto Alegre. Nesta reportagem, o portal Humanista, da UFRGS, traça o cenário do esporte paralímpico em Porto Alegre, cidade em que a pernambucana Maria Carolina Santiago veio treinar antes de conquistar cinco medalhas em Tóquio. Com ações ampliadas, a meta é tornar o sonho de Paris-2024 mais próximo e real.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.