Matinal News

Novo trecho da Orla do Guaíba é inaugurado

Change Size Text
Novo trecho da Orla do Guaíba é inaugurado

trecho 3 da orla do Guaíba, entre a foz do Arroio Dilúvio e o Estádio Beira-Rio, foi entregue à população neste sábado. Além do movimento intenso, um céu de brigadeiro fechou a estreia do novo espaço com chave de ouro. Aqui tem belas imagens do fotógrafo André Ávila, de GZH. As obras, que começaram em outubro de 2019, renderam à faixa de 1,6km na beira do Guaíba cinco quadras de futebol de grama sintética, uma de futebol de areia, três de beach tênis, 12 de vôlei de praia, duas de tênis, além da maior pista de skate da América Latina. O trecho ainda conta com estacionamento para 150 veículos na Avenida Edvaldo Pereira Paiva, estruturas de apoio à prática de esportes, ciclovia, iluminação em LED, arborização e três bares. Ao todo, foram investidos 53,4 milhões de reais na revitalização. É possível agendar horário nas quadras neste site.

Governo do RS vende Sulgás pelo preço mínimo – O governo estadual vendeu sua parte na Companhia de Gás do Rio Grande do Sul (Sulgás) para a Compass, subsidiária do Grupo Cosan, em leilão realizado nesta sexta-feira. Os 51% que pertenciam ao Rio Grande do Sul foram arrematados por R$ 927,8 milhões, preço mínimo da proposta. Os 49% restantes do capital da distribuidora seguem pertencendo à Gaspetro (Petrobras Gás S.A.). A Sulgás foi criada em 1993 e é responsável pela comercialização e distribuição de gás natural canalizado no Estado. A empresa atende 68 mil clientes em 42 municípios gaúchos, mas a expectativa é que a privatização permita expansão da infraestrutura. Em 2020, a estatal obteve lucro líquido de R$ 79,4 milhões. 


Outros links:

  • O ranking do Guia das Faculdades publicado ontem colocou a UFRGS na quarta colocação entre as instituições públicas em número de cursos com cinco estrelas. São 26 graduações com a nota máxima. Dentre as privadas, a PUCRS compartilhou com a FGV e a PUC-SP o primeiro lugar, com sete. A publicação é uma parceria entre o Estadão e o Quero Bolsa.
  • A EPTC ampliou número de viagens do transporte público em Porto Alegre. Mudanças vale a partir de hoje. 
  • A montagem dos estandes da 67ª Feira do Livro de Porto Alegre começou neste final de semana na Praça da Alfândega. O evento, um dos mais tradicionais de Porto Alegre, começa na sexta, dia 29.
  • Mas nem começou o evento e uma pintura de Luis Fernando Verissimo, feita no Viaduto da Borges em mostra que integra a Feira, foi vandalizada pela segunda vez. O autor acredita que há motivação política.
  • Também pela segunda vez em uma semana, uma pessoa foi detida por fazer pichações na região da Orla do Guaíba.
  • Parece que a roda-gigante panorâmica, projeto que nasceu na gestão do ex-prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB), deve sair do papel pela iniciativa privada. A estrutura, com promessa de entrega para 2025, faz parte do parque temático que será construído no Harmonia.
  • A casa onde viveu o escritor Caio Fernando Abreu já foi arrombada duas vezes nos últimos dias. Localizado no Menino Deus, o imóvel teria sido vendido para uma construtora.
  • O RS segue com a média móvel de mortes por covid-19 estável na casa dos 20 casos por dia. Ontem foram registradas apenas três mortes pela Secretaria Estadual de Saúde.
  • E voltando à confusão na Câmara por conta da votação do passaporte vacinal: a manifestante que levou um cartaz com uma suástica, que desencadeou o tumulto na sessão, disse à polícia que recebeu um “chamado divino”. É mole?

Passaporte vacinal: entenda o que vale em Porto Alegre

A sessão da última quarta-feira na Câmara de Vereadores de Porto Alegre foi polêmica, com direito a agressões físicas e insultos racistas a parlamentares, além de forte reação de manifestantes negacionistas, alguns portando cartazes com imagens de símbolos nazistas. Mas, na prática, a votação que manteve o veto ao passaporte vacinal na Capital não serviu para nada.

Para entender o imbróglio, é preciso compreender a hierarquia dos entes públicos em relação às restrições de circulação: desde o início da pandemia, está decidido que as determinações do Estado se sobrepõem às regras do município. Sendo assim, Porto Alegre (ou qualquer outra cidade do Estado) só pode ter regras diferentes das implementadas pelo executivo estadual se essas forem mais rígidas.

Na sessão polêmica da semana passada, o que estava sendo votado era o veto do prefeito Sebastião Melo (MDB) a um trecho do projeto de lei 035/21, proposto pelo vereador Mauro Pinheiro (PL) em fevereiro e aprovado em julho e que autoriza a presença de público em eventos na cidade. Melo vetou, em 2 de setembro, o trecho que torna “obrigatória a apresentação de carteira de vacinação que comprove imunização com o esquema vacinal completo”, porque, segundo o prefeito, “é incompatível com a possibilidade de fiscalização da administração pública municipal”. O rito legislativo indica que o veto do prefeito precisa ser novamente votado na Câmara, que o ratifica ou o descarta.

O problema é que, entre o veto do prefeito e a sessão de votação, o governo estadual determinou a obrigatoriedade do passaporte vacinal. Em 30 de setembro, o governador Eduardo Leite (PSDB) anunciou os novos protocolos de distanciamento vigentes no Estado, que permitiam mais público em eventos como estádios, casas de show e teatros, mas passavam a exigir comprovante vacinal para o público. Sendo assim, toda a legislação municipal passou a ser inócua:

“Perfeito, (o veto do prefeito Sebastião Melo) foi feito bem antes do Decreto Estadual. Tinha que ser votado, pois estava trancando a pauta, mas qualquer resultado seria redundante”, explica o vereador Idenir Cecchim (MDB), que presidiu a controversa sessão. Vetos feitos pelo Executivo precisam ser votados em até 30 dias após serem recebidos, senão “trancam a pauta”, ou seja, impedem que outros assuntos sejam apreciados.

No site do Matinal, mostramos o que está vigente em Porto Alegre, e as limitações do uso de um passaporte vacinal no Estado.

Leia a reportagem completa


Vacina, sim!

A aplicação da vacina contra a covid-19 segue hoje em 52 locais na Capital para pessoas com 12 anos ou mais. Lembrando que a segunda dose é aplicada aos que se vacinaram há 28 dias com Coronavac e há 8 semanas com AstraZeneca e Pfizer. Já a dose de reforço vale para os que receberam a segunda dose até 25 de abril (6 meses), além dos imunossuprimidos com esquema vacinal completo até 27 de setembro (28 dias) – lembrando que estão aptos a receber a terceira dose apenas pessoas com 60 anos ou mais e profissionais de saúde de qualquer idade.


Quero assinar o Matinal


Cultura

Dezenove filmes imperdíveis da 45ª Mostra de SP

“Annette”. Foto: Mostra Internacional de Cinema em São Paulo/Divulgação

Depois da ausência das salas de cinema em 2020, a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo retornou ao circuito exibidor na sua 45ª edição. Em cartaz de 21 de outubro até 3 de novembro, a seleção soma 264 filmes, vindos de mais de 50 países. Roger Lerina selecionou uma primeira leva de 19 filmes estrangeiros que você não deve perder. Confira a lista.

Agenda (🔒)

Às 18h30 acontece o primeiro painel do Fórum das Oportunidades das Alianças Francesas, que irá conectar brasileiros e especialistas da gastronomia francesa. O tema da noite é: O vinho no mundo das artes e da filosofia.

Clube de Leitura do Instituto Ling recebe o jornalista Carlos André Moreira para falar sobre A Pediatra, livro recém lançado pela escritora paulista Andréa Del Fuego. A transmissão ocorre às 19h, pelo canal da instituição no YouTube.

De hoje até dia 28, às 20h, acontecem as apresentações de Altamira 2042, um dos destaques da programação nacional do 28° Porto Alegre Em Cena. O espetáculo foi criado a partir do testemunho do rio Xingu sobre a barragem de Belo Monte. 

Para receber todas as dicas culturais do Roger Lerina enviadas aos assinantes premium do Matinal, assine aqui.

Receba a agenda completa


Você viu?

A historiadora Sandra Pesavento escreveu, na obra O Imaginário da Cidade: Visões Literárias do Urbano, que Porto Alegre nasceu sob a égide da luta. De acordo com essa reportagem da GZH, desde o início de sua colonização, a capital gaúcha tem ares de cenário literário. Sua primeira menção na literatura aconteceu no século 19, quando, em 1847, Antônio Vale Caldre Fião escreveu A Divina Pastora, a história de um romance não concretizado que aconteceu durante a Revolução Farroupilha. Por ser a literatura um instrumento tão capaz de instigar reflexões históricas e sociais sobre determinado espaço-tempo, e por ser Porto Alegre tão rica em história, desde Caldre Fião, inúmeros escritores têm a cidade como sua musa literária.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito