Matinal News

Porto Alegre quer imunizar 156 mil na 1ª etapa da vacinação

Change Size Text
Porto Alegre quer imunizar 156 mil na 1ª etapa da vacinação Foto: Ansa

O que você precisa saber hoje

Vacinação contra a Covid-19 pode começar semana que vem – A notícia mais esperada há meses se confirmou ontem: temos uma vacina com eficácia comprovada contra a Covid-19! E já sendo produzida em escala industrial no Brasil, pelo Instituto Butantan. A bola agora está com a Anvisa, que ficou de confirmar a autorização para a sua aplicação – assim como a produzida pela Fiocruz – no domingo. Ainda faltam alguns documentos, segundo a Anvisa. Porém, caso aprovadas, e se a projeção do ministro Eduardo Pazuello de iniciar a imunização quatro dias após o aval da agência se confirmar, a vacinação contra o coronavírus tem chances reais de iniciar no Brasil na semana que vem. Em Porto Alegre, a meta da Prefeitura é imunizar 156 mil pessoas na primeira etapa da campanha, incluindo servidores da saúde, idosos, pessoas com comorbidades e indígenas. Conforme o secretário da Saúde, Mauro Sparta, dependendo da quantidade de doses, professores podem ser incluídos no grupo – uma demanda dos profissionais da educação, que fizeram um protesto ontem.

Coronavac pode desafogar sistema de saúde – Na avaliação de especialistas, a Coronavac, com seus 50,38% de eficácia geral, tem potencial para ajudar a controlar a pandemia no Brasil, justamente por reduzir a pressão no sistema de saúde com a queda nos casos graves: “Isso é o que tem impactado nossa rede de saúde, com as pessoas precisando se hospitalizar, para além do absurdo de 200 mil mortes no Brasil. Se tivermos impacto importante em doença moderada e grave, já é um resultado bom”, avaliou o  presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Juarez Cunha. “Neste momento, no qual queremos combater rapidamente a pandemia, essa vacina é maravilhosa”, frisou o professor de Infectologia da UFRGS e médico do Clínicas, Luciano Goldani. Neste post no Facebook, a reitora Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) Lúcia Pellanda também comemorou a notícia e alertou o erro da informação que circula de que o risco de pegar a doença é de 50%. O coordenador dos testes em Porto Alegre e membro da Sociedade Riograndense de Infectologia Fabiano Ramos projetou, dependendo da capacidade de vacinação, que os efeitos da imunização nos hospitais podem começar a ser sentidos em dois meses após as doses começarem a ser aplicadas. Enquanto a vacina não chega, o RS voltou a reportar mais de 100 óbitos em 24 horas. O coronavírus está relacionado a 9.619 mortes no Estado desde março passado. 

PSOL entra com ação judicial contra o Melo por “kit Covid” – Vereadores e deputadas do PSOL entraram com uma ação judicial contra o prefeito Sebastião Melo (MDB) por causa da aquisição do “kit Covid”, um conjunto de remédios que incluem hidroxicloroquina, ivermectina e outros sem comprovação de eficácia contra a Covid-19. Para o vereador Roberto Robaina, a aquisição em larga escala dessa medicação é uma forma de afirmação de ideias negacionistas, como as que negam a existência do coronavírus e a eficácia das vacinas. O objetivo dos parlamentares é alertar a população contra a desinformação, afirmou em entrevista à Rádio Guaíba. Já o secretário da Saúde, Mauro Sparta, voltou a explicar que os medicamentos apenas estarão disponíveis com o aval do médico, o que, segundo Robaina, é “o mínimo” a se fazer, já que, em suas palavras, distribuir remédio sem aval médico seria uma “ação criminosa”. O vereador também criticou o posicionamento do Ministério da Saúde em relação ao uso destes remédios. Vale destacar que a pasta desistiu de recomendar um vermífugo que chegou a ser celebrado como capaz de “salvar vidas” contra a Covid. O governo investiu 5 milhões de reais na pesquisa.

Oposição vai à Justiça por comissões na Câmara – O bloco de oposição na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, que conta com 10 parlamentares de PSOL, PT e PCdoB, entrará com uma ação judicial para pedir que o critério da proporcionalidade seja levado em conta na composição dos cargos da mesa diretora e na presidência das seis comissões permanentes da Casa, que atualmente estão nas mãos apenas de governistas. Conforme Roberto Robaina, o objetivo é tentar assumir a presidência de duas comissões: Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul (Cefor) e da de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece). A ação será protocolada em 20 de janeiro, quando termina o recesso do Tribunal de Justiça.

Leite exalta redução da dívida do caixa único – O governador Eduardo Leite (PSDB) destacou nas redes sociais que a dívida do caixa único foi reduzida em quase 1,8 bilhão de reais em 2020 O fato, segundo ele, contribuiu para a regularização da folha salarial dos servidores, à exceção do 13º salário de 2020, e dos pagamentos de fornecedores. “Nas últimas duas décadas, essa dívida permanentemente cresceu nos diferentes períodos de governo, mas conseguimos reverter o cenário. Foi um trabalho de todos os servidores da Fazenda, liderado pelo secretário Marco Aurélio Cardoso, para reduzir esse que é um dos maiores passivos do Estado, nos permitindo reverter uma tendência de décadas de acúmulo de dívidas do Tesouro”, exaltou Leite (🔒). Criado em 1991, o caixa único reúne, atualmente, 418 contas correntes, incluindo as de Poderes e órgãos autônomos.

Projeto propõe trocar trecho racista do hino do RS – A discussão a respeito do hino do Rio Grande do Sul ganhou mais um elemento. O deputado estadual Luiz Fernando Mainardi (PT) afirmou ontem que irá protocolar no começo de fevereiro um projeto para alterar o trecho racista. A nova versão modificaria o verso “povo que não tem virtude acaba por ser escravo” para “povo que não tem virtude acaba por escravizar”. O debate em torno da canção recomeçou no dia da posse dos vereadores na Câmara da Capital. A bancada negra decidiu não se levantar para cantar o hino, o que causou incômodo em alguns colegas na ocasião. A vereadora Comandante Nádia (DEM) chegou a afirmar em um artigo que o hino não possui conotação racista. Partilhando do mesmo pensamento, a vereadora Mônica Leal (PP) protocolou um projeto que pretende incluir entre os deveres dos integrantes da Casa “postar-se de pé e em posição de respeito durante a execução do hino Nacional e do Hino do Estado do Rio Grande do Sul”. Para o vereador Matheus Gomes (PSOL), um dos integrantes da bancada negra, jamais houve a intenção de criar atrito com os colegas ao não cantar o hino. Gomes disse que não entoar a canção e permanecer sentado foram ações naturais durante a execução da música.

Outros links:


ANÚNCIO:

Tem interesse nos espaços de mídia do Matinal? Escreva para [email protected].


Cultura

“Bridgerton” e o universo alternativo da Netflix

Foto: Netflix/Divulgação

A popularíssima série de livros sobre a ficcional família Bridgerton virou a nova série de época da Netflix, bem na hora de todos termos que lidar com esse esquisito Natal e final de ano de 2020. Bridgerton é uma dessas séries de época em um universo alternativo, algo como a Marie Antoinette da Sofia Coppola. É, mas não sendo. A época seria no início do longo século 19, que começa na Revolução Francesa e termina em 1914, com a implosão do mundo vitoriano, e o universo retratado na série é uma Inglaterra em que as pessoas se vestem como se estivessem lá mesmo, mas agem como se fossem de um outro planeta. Leia a resenha completa do escritor Marcelo Carneiro da Cunha.

Agenda (🔒)

Para receber todas as dicas culturais do Roger Lerina enviadas aos assinantes premium do Matinal, assine aqui.

Secretaria de Estado da Cultura e a Fundação Marcopololançaram o Edital Criação e Formação – Diversidade das Culturas, que destinará R$ 20 milhões a projetos culturais, com recursos da Lei Aldir Blanc.

E mais.

Receba a agenda completa


Você viu?

Em tempos de pandemia, todo cuidado para evitar a contaminação pela Covid-19 é pouco. O que facilita o combate contra o coronavírus é a informação. Pensando nisso, e com a intenção de evitar a proliferação de mensagens falsas a respeito da doença nas redes sociais, integrantes do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo gravaram áudios e vídeos para disseminar conteúdo confiável para informar a população. A União Pró-Vacina, que tem o apoio de outras sete entidades, elaborou materiais que podem ser repassados a amigos e familiares. São até o momento 12 vídeos e 16 áudios baixáveis. As mídias tratam da importância da campanha de vacinação, além de explicar as principais dúvidas a respeito das vacinas. A iniciativa foi concebida a partir da avaliação dos conteúdos recebidos por WhatsApp pelos integrantes do projeto. O grupo entende que as fake news em torno do novo coronavírus viralizam muito mais do que vídeos que contenham informações corretas.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.