Reportagem

Estímulo em meio à pandemia ou manutenção de injustiças: entenda as consequências do congelamento do IPTU de Porto Alegre

Change Size Text
Estímulo em meio à pandemia ou manutenção de injustiças: entenda as consequências do congelamento do IPTU de Porto Alegre Proposto para auxiliar nas contas públicas e diminuir desigualdades, reajuste do IPTU em Porto Alegre foi suspenso após dois anos | Foto: Maria Ana Krack/PMPA

Aprovado com votação quase unânime na Câmara, projeto era promessa de campanha de Sebastião Melo e suspende reajustes aprovados durante a gestão de Nelson Marchezan

Promessa de campanha do prefeito Sebastião Melo (MDB) e um dos projetos mais importantes do ano para o Executivo municipal, a suspensão dos novos aumentos do IPTU a partir de 2022 trouxe de volta ao debate público um assunto que é discutido pelo menos desde 2017 em Porto Alegre. Naquele ano, o governo do então prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB) tentou aprovar os reajustes do IPTU pela primeira vez, com a justificativa de que o cálculo do imposto não era atualizado desde o início da década de 1990. Foram necessárias três votações para que a revisão do imposto passasse na Câmara. Mas, uma eleição e quase dois anos de pandemia depois, o reajuste foi revogado, em votação realizada na Câmara na semana passada. 

Ainda que a suspensão do reajuste tenha sido aprovada quase unanimemente pelos vereadores (houve apenas um voto contrário entre os 33, de Laura Sito, do PT) como uma forma de turbinar a economia em meio à crise causada pela pandemia, a defasagem dos valores cobrados ainda é uma questão a ser discutida, algo admitido até por quem é favorável ao projeto. Um novo debate deve ser feito a partir de 2025.

Projeto congela aumentos escalonados que gerariam R$ 50 milhões de receita em 2022

Basicamente, o Projeto de Lei Complementar do Executivo (PLCE) nº 015, de 2021, aprovado na segunda-feira da semana passada, cancela o calendário de aumentos de IPTU programados para 2022 em diante, que haviam sido aprovados na legislatura anterior. Com isso, os aumentos, descontos e isenções já efetivados são mantidos, mas as medidas a partir de 2022 são suspensas. De acordo com a Prefeitura, 30% dos imóveis impactados pelo reajuste da planta de IPTU de 2019 serão beneficiados pela medida.

Na prática, a medida acaba beneficiando donos de imóveis com aumento acima de 50%, aqueles que tinham o valor do imposto mais defasado. Isso porque foi aplicado um escalonamento dos reajustes, que tinha como teto 30% de aumento em 2020 e, em 2021, mais 20%. Para imóveis que precisavam de reajuste maior do que isso, mais quatro aumentos de até 20% estavam previstos até 2025. 

Em 2019, após duas tentativas frustradas, o então prefeito Marchezan conseguiu aprovar, em uma sessão tensa, o PLCE 005/18, uma revisão ampla da cobrança de IPTU na capital gaúcha. De acordo com Marchezan e seu secretário da Fazenda, Leonardo Busatto, a justificativa central era de que a Planta Genérica de Valores (PGV) da cidade, documento usado como base para calcular o valor dos imóveis da cidade e a consequente cobrança de IPTU sobre eles, não era revisada desde 1992, o que causava defasagem na cobrança do imposto. 

Como exemplos dessa discrepância, havia imóveis localizados na mesma rua com grande diferença no tributo cobrado e apartamentos novos em bairros nobres com IPTU referente a 1992, quando alguns locais eram, literalmente, mato – caso do Jardim Europa, bairro nobre da Capital inaugurado em 2015.

À época, Marchezan estimava que, dos cerca de 800 mil imóveis registrados em Porto Alegre, 49,8% teriam aumento no imposto, 31% teriam redução e 19% estariam isentos. O IPTU, então, passaria a ser calculado de acordo com o valor do imóvel e seriam criadas oito faixas de alíquotas, desde a isenção até 0,85% do valor. O reajuste ajudaria a aliviar as contas da Prefeitura – em 2022, por exemplo, seriam cerca de R$ 50 milhões a mais em caixa, valor que somaria R$ 230 milhões a partir de 2026.

Mas aí, veio a pandemia.

Melo contesta o reajuste desde a campanha – e a crise causada pelo coronavírus é a principal justificativa

Se em 2019 foram 22 votos a favor e 14 contra o reajuste proposto por Marchezan, o congelamento do IPTU em 2021 teve aderência de praticamente todos os vereadores. Mesmo parlamentares que haviam votado favoravelmente à proposta de Marchezan aprovaram a nova medida. Idenir Cecchim (MDB), atual líder do governo na Câmara, foi um deles. Na sessão em que o projeto foi aprovado, ele descreveu a votação como uma “oportunidade de se redimir de um pecado”:

“Não foi um pecado mortal, porque na época as plantas precisavam ser revistas”, disse o vereador em entrevista ao Matinal. “Tinha muita injustiça tributária nesse negócio de IPTU. Na época, votei convicto. Convicto como agora, que participei ativamente (para a aprovação do congelamento). Porque há dois anos está todo mundo quebrado, principalmente os comércios. A injustiça na cobrança existia, mas o importante é que a grande maioria se equilibrou. Havia muitos imóveis que, na mesma rua, pagavam R$ 20 e R$ 100, isso já foi corrigido nesses dois primeiros anos”, avaliou Cecchim.

A justificativa é a mesma dada pelo prefeito, que vê na pandemia uma dificuldade imprevisível, principalmente para o comércio: “É importante salientar que boa parte desses imóveis (que tiveram o aumento suspenso) é comercial. Com a pandemia, a crise foi ladeira abaixo. Essa é uma forma da Prefeitura contribuir para o desenvolvimento da cidade”, disse, em entrevista à Rádio Gaúcha, em julho. A reportagem entrou em contato com a Secretaria Municipal da Fazenda, mas não obteve resposta até a publicação desta matéria.

Contra suspensão, vereadora aponta incoerência da Prefeitura

Única voz dissonante na votação da semana passada, a vereadora Laura Sito (PT) critica o governo por abrir mão de recursos ao mesmo tempo em que coloca em votação projetos como a reforma da previdência municipal e a desestatização da Carris, sob justificativa de redução de gastos.

“O poder público deve ter a capacidade de promover políticas públicas e de reduzir as desigualdades, sobretudo neste período da pandemia. Tributos que garantam a progressividade e a justiça social são, portanto, ferramentas para alcançar esses objetivos, e esses termos estavam contidos na previsão do IPTU até então estabelecida”, avaliou a vereadora, em entrevista ao Matinal

Ela completa avaliando o projeto anterior. Sito não era vereadora à época, mas é crítica à gestão do antigo prefeito: “O governo Marchezan foi um desastre para a cidade. Foi uma gestão de retrocessos para o povo trabalhador e para o serviço público, tendo como resultado a ampliação das desigualdades na cidade. No entanto, no caso particular do IPTU, a proposta me parecia ter mais aspectos meritórios, caminhando na direção da proporcionalidade e atualizando as alíquotas e possibilitando maior arrecadação da prefeitura”, ponderou a petista.

Na mesma entrevista à Gaúcha, Melo ressaltou que 80% dos imóveis que tiveram o aumento suspenso têm valor de até R$ 500 mil – o que iria de encontro ao discurso de que a Prefeitura estaria “suspendendo aumento só para quem tem imóveis de valores muito altos”, segundo o prefeito. O emedebista ressaltou ainda que quem já teve isenções e diminuição de cobrança, caso de cerca de 25% dos imóveis da Capital, não perderá o benefício.  

“Perdemos a oportunidade de fazer justiça tributária para a cidade”

Personagem importante no debate sobre o IPTU, Leonardo Busatto, atual secretário extraordinário de Parcerias do Estado e ex-secretário municipal da Fazenda do governo Marchezan, responsável pela pasta durante a negociação de 2019, vê que a suspensão do reajuste é uma “decisão tecnicamente equivocada”. Em entrevista ao Matinal após a suspensão do reajuste planejado por ele, disse que a decisão mantém injustiças fiscais na cidade:

“Sei que quem está na cadeira tem que tomar as decisões, mas perdemos a oportunidade de fazer justiça tributária para a cidade. Infelizmente, esse tipo de discussão não aconteceu, todo mundo foi no oba-oba, no discurso fácil, e ninguém se debruçou para analisar. Como o reajuste foi interrompido no segundo ano, a correção máxima que ocorreu foi de 56% (30% no primeiro ano e 20% sobre o novo valor no segundo ano). Alguma correção houve, está menos pior do que antes, mas é uma decisão tecnicamente equivocada, que faz perdurarem injustiças. Um imóvel que pagasse R$ 100 de IPTU e deveria pagar R$ 300 está pagando R$ 156, e não R$ 300”, argumentou.

Para 2025, fica a promessa de uma nova discussão sobre a planta da cidade e o reajuste de valores defasados. Até lá, o debate – tal como o reajuste – fica suspenso.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS

Esta reportagem é financiada pelo investimento de nossos assinantes. Assine o Matinal e ajude-nos a produzir um jornalismo independente e de qualidade.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.