Reportagem

Ignorados pelo poder público, grupos defendem proposta de reocupação do Cais Mauá pela cultura

Change Size Text
Ignorados pelo poder público, grupos defendem proposta de reocupação do Cais Mauá pela cultura Uma das vistas mais privilegiadas e históricas de Porto Alegre, Cais Mauá está fechado há cerca de dez anos | Foto: Maria Ana Krack/PMPA

Diretrizes propostas por professores da UFRGS e Coletivo Cais Cultural Já vislumbra um cais autossustentável a partir de alienação do setor de docas. Trabalho, porém, não chegou a ser apresentado ao Governo do Estado

Em tempos de debates e projetos acerca do futuro do Centro de Porto Alegre, um grupo formado por professores e estudantes de pós-graduação da UFRGS e o Coletivo Cais Cultural Já apresentou as diretrizes de sua proposta para ocupação do Cais Mauá. A ideia é modificar o espaço evitando um processo de gentrificação e torná-lo uma referência cultural da cidade, tanto gastronômica quanto profissional, além de autossustentável, a partir da alienação das docas – estruturas situadas na ponta do cais, já mais próximas à rodoviária.

As diretrizes foram apresentadas em uma entrevista coletiva à imprensa na sede do Instituto dos Arquitetos do Brasil-RS, a poucas quadras do Cais Mauá. O conteúdo completo está disponível neste arquivo pdf, que batiza o projeto de “Cais do Porto Cultural”. Além de detalhar a proposta, o grupo reivindicou diálogo com os governos estadual e municipal – algo que, conforme eles, não ocorreu até o momento, pois as tentativas de contato teriam sido ignoradas por representantes das duas esferas do Executivo.

A proposta dos grupos busca enfatizar a manutenção de um cais público. Professora do Departamento de Urbanismo da UFRGS, Inês Martina Lersch lembrou que desde a antiga concessão – rescindida pelo governo Eduardo Leite – o cais está fechado à população. E, com isso, se degradando. As propostas de revitalização até aqui não contemplam, para eles, uma eficiência na retomada do uso do local.

“Governos utilizam o Estado para se apropriar do que é público, ao invés de defendê-lo”, criticou o professor Eber Pires Marzulo, também do Departamento de Urbanismo da UFRGS. Ele enfatizou que as diretrizes criadas nos estudos apontam o caminho para uma ocupação do cais “através da cultura”.

Compensações desde alienação das docas ao dia a dia de eventos

Professor do Departamento de Sociologia da UFRGS, Luciano Fedozzi detalhou como essa ocupação ocorreria: a criação de um fundo para execução de obras de restauro gerado com a alienação da área das docas. Fedozzi ressaltou que o futuro das docas não deve ter fins residenciais, justo para evitar o que considerou a “privatização” do local. Diferente da ideia da Prefeitura, que liberaria prédios de até 200 metros de altura no Centro, o projeto trabalha com o teto de 52 metros para os empreendimentos a serem construídos no local – o máximo permitido pelo Plano Diretor para a região. 

O estudo concluiu que seria possível arrecadar entre R$ 64,3 milhões e R$ 94,2 milhões com a alienação das docas do Cais do Porto. O montante já seria suficiente para recuperar os armazéns, cuja reforma foi orçada em R$ 45 milhões numa pesquisa anterior. “Restaurados os armazéns, o seu uso deve ser autossustentável a partir da geração de recursos por empreendimentos culturais e sociais, além de alguns comerciais”, sugere a proposta de diretriz. “Se o argumento é falta de recursos, há alternativas”, reiterou Fedozzi. “É importante demonstrar que nós não estamos frente àquela ideia que ficou muito marcada a partir dos anos 1980, de que não há alternativa a não ser a privatização de todos os espaços, de toda a sociedade e de todos os serviços públicos”, frisou o professor. Fedozzi participou da elaboração do Orçamento Participativo, outro projeto de peso da cidade, e sobre o qual relatou sucessos e limitações da iniciativa neste artigo da revista Parêntese. que ganhou  de outro grande projeto de Porto Alegre

Revitalizados, os armazéns e demais espaços do cais passariam a fazer jus ao nome da proposta, sendo destinados a atividades ligadas à cultura, por meio de artes e eventos, além de receber empreendimentos gastronômicos de médio e pequeno porte. Os armazéns receberiam de exposições a espetáculos e contribuiriam tanto para os eventos quanto para a autossustentabilidade do cais, num sistema de compensações. “Os estudos mostram a viabilidade econômica e comercial, tanto no campo artístico como no de gastronomia e lazer”, afirmou o professor Pedro Almeida Costa, da Escola de Administração da UFRGS.

Citado recorrentes vezes quando se fala de uma proposta para o Cais Mauá, o Puerto Madero da capital argentina Buenos Aires não foi considerado um exemplo a ser seguido na capital gaúcha pelos professores. “É absolutamente defasado”, enfatizou Marzulo. Martina Lersch citou o exemplo do porto de Rosário, também na Argentina, como um modelo a ser estudado.

Diálogo fechado

“Mas depende de um projeto de uma boa vontade dos governos do Estado e do Município em abrir diálogo”, ponderou o professor Fedozzi. E aí reside uma crítica do grupo. Segundo ele, foi registrado pedido de audiência tanto com o governador Eduardo Leite (PSDB), em dezembro de 2020, quanto com o prefeito Sebastião Melo (MDB), em janeiro de 2021. “Até agora não houve respostas”, reclamou. Há, por ora, uma interlocução ocorre via Legislativo. A deputada Sofia Cavedon (PT) e o vereador Leonel Radde (PT) criaram frentes parlamentares, respectivamente na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal, para tratar do assunto.

Atualmente, o consórcio Revitaliza realiza um estudo de viabilidade de revitalização do Cais Mauá. O consórcio venceu a concorrência do BNDES para realizar estudos de mercado e arquitetônicos para definir o modelo que pode ser adotado para a área no futuro, se concessão, parceria-público privada ou outro.

Nesta quinta-feira, 25 de novembro, o consórcio irá realizar um workshop sobre o trabalho realizado nos últimos seis meses. O objetivo é apresentar os conceitos básicos do masterplan e particularidades do projeto.

Cais x Centro+

A proposta dos grupos vem a público em um momento que a Prefeitura articula a viabilização de projetos relacionados ao Centro+, um conjunto de iniciativas e propostas, que inclui até a revisão do Plano Diretor especificamente para a região central. A princípio, as diretrizes para o cais focam de maneira restrita ao cais, mas os professores destacaram que inevitavelmente dialoga com a vizinhança. “O intuito do estudo não foi de desenvolver projeto arquitetônico”, explicou a professora Martina, defendendo um concurso público de arquitetura para isso. “Entendemos que as informações aqui sistematizadas servem de subsídios para este edital, que deve ser aberto e democrático”, explicou.

O conceito adotado nas diretrizes, contudo, difere do da Prefeitura, que visa a construção de arranha-céus: “O centro não precisa de um grande projeto de revitalização, mas de um programa de acolhimento das pessoas”, afirmou Martina. “Eu não preciso ir a um shopping para fazer compras, eu posso fazer na Rua da Praia.”

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito