Eleições 2020, Matinal

Salários da Câmara de Porto Alegre têm segundo maior custo por cidadão entre as capitais

Change Size Text
Salários da Câmara de Porto Alegre têm segundo maior custo por cidadão entre as capitais Em valores absolutos, o Parlamento da capital gaúcha teve, em 2019, o quinto maior gasto com salários

Despesa com pessoal no Legislativo equivale a R$ 93 por ano para cada porto-alegrense; saiba quanto ganham vereadores e servidores

Publicidade
Publicidade

Porto Alegre teve o segundo maior custo por cidadão com salários de vereadores e servidores do Legislativo Municipal dentre todas as capitais brasileiras no ano passado. O gasto aproximado de R$ 137 milhões em despesas com pessoal, entre ativos, inativos e pensionistas da Câmara, equivale a R$ 93 para cada porto-alegrense. Perde apenas para Palmas (TO), que teve a folha de pagamento mais cara das capitais em 2019, proporcionalmente à sua população (R$ 98 por habitante).

No primeiro quadrimestre de 2020, último período consolidado para consulta no Tesouro Nacional, Porto Alegre superou a capital do Tocantins, apresentando o maior custo per capita em despesa com pessoal no Legislativo dentre todas as capitais brasileiras no acumulado dos últimos 12 meses, mantendo o valor de R$ 93 por cidadão, contra R$ 91 em Palmas. Os relatórios de gestão fiscal do Legislativo de Porto Alegre também podem ser acessados no site da Câmara.

Se considerarmos os valores absolutos, o Parlamento da capital gaúcha, com 36 vereadores, teve, em 2019, o quinto maior gasto com salários, apesar de ser a 11ª capital em população. São Paulo, maior cidade brasileira, com 12 milhões de habitantes e 55 vereadores, tem a folha salarial mais alta (R$ 513 milhões em 2019), mas apresenta o segundo menor custo por cidadão: R$ 42 por paulistano – menos da metade do valor por habitante em Porto Alegre. 

Mais arrecadação, maiores salários?

Ao olhar gastos com remunerações nos legislativos, também é preciso levar em conta a arrecadação das cidades, observa o doutor em Economia do Desenvolvimento e professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Róber Iturriet Avila. Isso porque a Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece um limite de até 6% da receita corrente líquida dos municípios para despesas com pessoal na Câmara. Na prática, isso significa que se duas cidades têm o mesmo número de habitantes e de vereadores, a que arrecada mais pode, potencialmente, pagar salários mais altos. 

Porto Alegre tem o quarto maior PIB per capita dentre as capitais, conforme dados de 2017 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A título de comparação, Curitiba (PR), com tamanho similar ao da capital gaúcha e PIB per capita parecido, teve gasto com pessoal no Legislativo mais baixo, mesmo com dois vereadores a mais. A despesa em 2019 na Câmara de Curitiba foi de R$ 91 milhões, cerca de 35% a menos do que os R$ 137 milhões pagos em Porto Alegre. Na capital paranaense, que tem 38 parlamentares, o custo por habitante equivale a R$ 48, um dos mais baixos do país. 

“Uma forma de reduzir essa despesa seria diminuir o teto estabelecido por lei. No Brasil, há uma distorção entre o Executivo, o Legislativo e o Judiciário, sendo o Executivo, poder que impacta mais diretamente na nossa vida, o primo pobre”, comenta o pesquisador. Nas outras esferas de poder, o teto para gastos com pessoal no Legislativo é menor. Na União, o limite é de 2,5% da receita; nos Estados, 3%.

Em relação ao mandato anterior, os gastos com pessoal no Legislativo de Porto Alegre tiveram um crescimento de 18%, variação compatível à inflação acumulada no período. No final do exercício de 2015, penúltimo ano da legislatura passada, a despesa com salários na Câmara foi de R$ 116 milhões, um custo anual por habitante de R$ 79.

Ganho de vereadores acompanha média das capitais

Cada vereador porto-alegrense recebe salário de R$ 14,5 mil, com exceção do presidente da Casa, cuja remuneração é de R$ 18,2 mil, totalizando R$ 525,5 mil mensais. Segundo levantamento publicado pela Gazeta do Povo, somente cinco capitais pagam aos parlamentares salários menores do que o recebido pelos vereadores de Porto Alegre, mas a remuneração dos legisladores porto-alegrenses está bem próxima da média das capitais, que é de R$ 15,5 mil. 

Atualmente, a Câmara de Porto Alegre tem 646 funcionários. São 208 servidores de carreira, ou seja, admitidos por concurso público – cerca de 32% do quadro. Os 317 comissionados, que são indicados para funções no mandato, representam 49% do total de servidores do Legislativo da Capital. Os dois grupos geram quase o mesmo custo com salários, na faixa de R$ 2 milhões mensais cada. O quadro fica completo com os vereadores, descritos como agentes políticos na tabela funcional, e adidos externos, que são servidores federais ou estaduais lotados no legislativo municipal. Também há 66 estagiários.

Em Porto Alegre, cada parlamentar pode ter até sete funcionários comissionados em seu gabinete, e há outros cargos desse tipo nas bancadas dos partidos e nas comissões. Na Câmara de Curitiba, que tem dois vereadores a mais, o número de assessores em cada gabinete é o mesmo. Ainda assim, a capital paranaense gasta menos com pessoal.

Na soma dos gastos por cargo, assessores parlamentares em diferentes setores destacam-se entre os cinco maiores custos. São 145 assessores de gabinete, com média salarial de R$ 2,5 mil, enquanto a remuneração média dos 28 assessores de bancada é de R$ 12,7 mil. Supervisores de gabinete têm os vencimentos mais altos, em torno de R$ 15 mil. Todos são comissionados. Os dois procuradores da Câmara, que são concursados, recebem o maior salário da Casa: R$ 23 mil. 

Em parceria com Afonte Jornalismo de Dados, o Grupo Matinal apresenta dados da Câmara de Vereadores de Porto Alegre durante cobertura das Eleições 2020. Nesta semana, fazemos uma síntese dos gastos do Legislativo da Capital. Acompanhe a nossa cobertura de eleições


*Texto e gráficos produzidos com dados do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais (Siconfi) do Tesouro Nacional, e do Portal da Transparência da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Os dados foram extraídos em setembro de 2020.

RELACIONADAS

Esta reportagem é financiada pelo investimento de nossos assinantes. Assine o Matinal e ajude-nos a produzir um jornalismo independente e de qualidade.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.