Crônica

A pior crônica da semana

Change Size Text
A pior crônica da semana ‘‘Quem não gosta do samba, bom sujeito não é’’Dorival Caymmi Eu adoro a ignorância deles. O país está tomado de fumaça. Uma nuvem cinza amorfa tão densa quanto o vazio, que nos invade e tudo engole. O presidente Bolsonaro disse no dia 21 de outubro deste ano que a vacina contra a covid-19 dá aids. Isso mesmo, estou datando este texto, porque certas coisas precisam ser para sempre lembradas. O fato sucedido ocorreu numa live interrompida e censurada pelos gestores do Facebook/Instagram. Continuamos importando bom senso de fora. No início do ano ele havia dito que, se por um acaso, qualquer cidadão tomasse a vacina e virasse jacaré, isso não seria responsabilidade sua, até porque ele próprio não tomaria a vacina. E não tomou. Quer dizer, diz que não tomou, a contar a quantidade de mentiras que conseguiu proferir em alguns minutos mês passado no discurso da Assembleia Geral da ONU em Nova York, ele tá mentindo. Bolsonaro não só tomou a vacina, como já deve tá esperando a quarta dose. Meu cérebro, trabalhando em prol do bem estar de todo o meu organismo, evita qualquer pensamento que envolva o Bolsonaro e sua quadrilha. Eu sei, não devia fazer isso, meu cérebro deveria manter-se alerta a todos os acontecimentos e, através de um pensamento crítico aguçado, escrever notas sobre a nossa ‘‘atual conjuntura’’. O lance é que já tem um monte de gente mais competente que eu por aí fazendo isso, aí das duas uma, ou eu entro num estado de total preguiça pras mesmas merdas sendo cagadas criminalmente todo dia, ou eu entro num estado de letargia niilista alcóolica, no qual é mais fácil ler sobre os problemas de 40 anos atrás que a gente finge que já foram resolvidos e sonhar com os problemas de hoje se repetindo no futuro quando eu for velha. É difícil demais conviver com os problemas da nossa época na nossa época. Você gostaria de ler uma crônica falando sobre os nove crimes que o Bolsonaro brincando de presidente foi acusado na CPI da Covid? Você gostaria de ler algo leve e bem humorado onde toda a situação política do País estivesse mastigada e digerida pra você sugar só de canudinho? Pior! Você gostaria de viver num país onde não fosse necessária uma CPI pra tudo? Porra! É CPI da Pandemia, CPI da Fake news, CPI da Rachadinha… rapaz, isso lá em Pernambuco quer dizer outra coisa, macho. Sinto muito, mas esta é a pior crônica que você poderia ler esta semana, o título te avisou, tu veio porque quis, azar! Domingo retrasado eu fui num samba, aquela coisa de novo normal, né: máscara N95 suja de batom vermelho, álcool gel na mesa se batendo nos copos de chope, todo mundo sambando a distância, um vento do caralho pra ‘‘circular o ambiente’’ e além de uma sede infame de vida, a esperança da vacina tá resolvendo nossa situação sanitária ecoando no tantan e sendo respondida pelo pandeiro. Não por nada, mas a voz […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

‘‘Quem não gosta do samba, bom sujeito não é’’Dorival Caymmi Eu adoro a ignorância deles. O país está tomado de fumaça. Uma nuvem cinza amorfa tão densa quanto o vazio, que nos invade e tudo engole. O presidente Bolsonaro disse no dia 21 de outubro deste ano que a vacina contra a covid-19 dá aids. Isso mesmo, estou datando este texto, porque certas coisas precisam ser para sempre lembradas. O fato sucedido ocorreu numa live interrompida e censurada pelos gestores do Facebook/Instagram. Continuamos importando bom senso de fora. No início do ano ele havia dito que, se por um acaso, qualquer cidadão tomasse a vacina e virasse jacaré, isso não seria responsabilidade sua, até porque ele próprio não tomaria a vacina. E não tomou. Quer dizer, diz que não tomou, a contar a quantidade de mentiras que conseguiu proferir em alguns minutos mês passado no discurso da Assembleia Geral da ONU em Nova York, ele tá mentindo. Bolsonaro não só tomou a vacina, como já deve tá esperando a quarta dose. Meu cérebro, trabalhando em prol do bem estar de todo o meu organismo, evita qualquer pensamento que envolva o Bolsonaro e sua quadrilha. Eu sei, não devia fazer isso, meu cérebro deveria manter-se alerta a todos os acontecimentos e, através de um pensamento crítico aguçado, escrever notas sobre a nossa ‘‘atual conjuntura’’. O lance é que já tem um monte de gente mais competente que eu por aí fazendo isso, aí das duas uma, ou eu entro num estado de total preguiça pras mesmas merdas sendo cagadas criminalmente todo dia, ou eu entro num estado de letargia niilista alcóolica, no qual é mais fácil ler sobre os problemas de 40 anos atrás que a gente finge que já foram resolvidos e sonhar com os problemas de hoje se repetindo no futuro quando eu for velha. É difícil demais conviver com os problemas da nossa época na nossa época. Você gostaria de ler uma crônica falando sobre os nove crimes que o Bolsonaro brincando de presidente foi acusado na CPI da Covid? Você gostaria de ler algo leve e bem humorado onde toda a situação política do País estivesse mastigada e digerida pra você sugar só de canudinho? Pior! Você gostaria de viver num país onde não fosse necessária uma CPI pra tudo? Porra! É CPI da Pandemia, CPI da Fake news, CPI da Rachadinha… rapaz, isso lá em Pernambuco quer dizer outra coisa, macho. Sinto muito, mas esta é a pior crônica que você poderia ler esta semana, o título te avisou, tu veio porque quis, azar! Domingo retrasado eu fui num samba, aquela coisa de novo normal, né: máscara N95 suja de batom vermelho, álcool gel na mesa se batendo nos copos de chope, todo mundo sambando a distância, um vento do caralho pra ‘‘circular o ambiente’’ e além de uma sede infame de vida, a esperança da vacina tá resolvendo nossa situação sanitária ecoando no tantan e sendo respondida pelo pandeiro. Não por nada, mas a voz […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito