Crônica

Irresponsabilidade

Change Size Text
Irresponsabilidade
Fiz o teste do COVID essa semana. Tudo começou com uma colega que não apareceu pra trabalhar segunda-feira. Pensei logo naquela dor de barriga típica do pós-fíndi. Sem julgamentos. Quem nunca? Mas que ressaca que nada, era o tal do ‘corona vairus’ assolando mais um ser humano. Daí, imagine. Foi aquele deus nos acuda. Fecha, não fecha. Angústia. O álcool gel rolando solto. O medo e a miséria. No dia seguinte a equipe toda de excursão pro laboratório de análises clínicas. Eu estava só o zumbi. Deitei umas 22h30. Às 3h20 acordo e não consigo mais dormir. Isso mesmo. Você pode até pensar, Bah, cinco horas de sono pra mim tá de boas. Essa não é a minha realidade, minha gente. Sono é sagrado. Sono é vida. Aquele povo todo ali e meu mau humor aflorando. Pra evitar encher o saco da galera que não respeitava o distanciamento nem na fila do teste, resolvi ruminar umas coisas na minha cabeça. Quando a quarentena começou e eu me vi perdida num mar de fake news e recomendações da OMS, fiz o mais óbvio: gambiarra. Me orgulho disso? Não. Mas… O que eu podia fazer? Peguei minha antiga rotina, passei um café, sentei na bancada e comecei minha equação. Ok, então agora é só viver como eu vinha fazendo, mas sem sair de casa por uns dias e passar álcool gel. Tranquilo. Passou um mês. Tudo bem, só viver como eu vinha fazendo, sem sair de casa, nenhum boteco, não visite as gurias, nada de samba também e use máscara. Beleza. Mais um tempo e, nada de sair de casa mesmo! Esquece tudo! Sexo? Nem pensar! Nenhuma escapadinha social, álcool gel, máscara, distanciamento, zero abraços, contato só no olhar. Tudo isso sem nenhuma ideia do fim da brincadeira. Uma hora a ficha cai. Sair viva desta pandemia vai além de transmutar a antiga rotina em uma antiga-rotina-sem-algumas-coisas-e-mais-outras. Não se negocia com a vida desse jeito. Construímos uma nova maneira de viver cheia de responsabilidades, deveres, comportamentos sociais. Além de tudo isso, o peso de uma ação simples, como lavar as mãos corretamente ou higienizar as chaves de casa, tornou-se vital. Foi como se da noite pro dia toda nossa agenda comportamental tivesse passado pelas mãos de um médico sanitarista com sangue nos olhos. Tudo que fizéssemos agora carregaria a medida de uma representação moral de vida ou morte. Minha morte ou vida e a vida ou morte dos outros. Que puta cansaço! Eu repassava minhas atitudes do último semestre aguardando a enfermeira me chamar. O que seria melhor? Dar positivo ou negativo? Se desse positivo só confirmaria que eu fui uma infectada assintomática. Talvez eu me permitisse psicologicamente deixar a pandemia no passado. Deixaria mesmo? Será que eu teria infectado alguém? Todas as pessoas que eu atendi na vacinação da gripe. Será que teria pego durante a campanha? Qual teria sido o erro fatal? Cocei o olho? Cocei muitas vezes o olho. Talvez eu não tivesse nenhuma chance de dar negativo trabalhando […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.