Crônica

Não-mono

Change Size Text
Não-mono

No último mês eu chorei três términos. Tá foda. Não sei se você já pensou nisso com a sua cabecinha cristã, mas se tu acha que ser monogâmico fiel é difícil, imagina ter mais de um relacionamento pra lidar. Ah, sim, por que eu não desço pro play pra ficar só brincando de carrinho de bate-bate e trepa-trepa. Normalmente todos os monogâmicos com quem eu converso acham que ser não-monogâmica é só putaria. Cara, para pra pensar um pouquinho – nem dói tanto assim – se fosse só isso era melhor dizer que sou uma mulher solteira e deu – e dar. Explico.

Ser uma pessoa que acredita num mundo onde todos possam viver suas vidas em liberdade, desejo e construção de políticas de afeto, baseadas em honestidade amorosa, não é a mesma coisa que sair por aí transando com todo mundo. Pelo contrário, é encarar a realidade da outra pessoa ser justamente isso: uma pessoa, não só um órgão sexual disponível. Qual a última vez que a gente pensou no outro? Quando ensinaram a gente a fazer isso?

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo ?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.