Ensaio

Sem fake news não haveria Revolução de 30

Change Size Text
Sem fake news não haveria Revolução de 30

Os 90 anos da Revolução de 30, que se completam em outubro, coincidem com as investigações oficiais das chamadas fake news. É uma ironia da história que poderes tributários dos acontecimentos de 1930, como nossos Legislativo e Judiciário, se dediquem a uma cruzada contra notícias fraudulentas. Afinal, a República Velha não teria terminado – ou pelo menos não da maneira como terminou – sem uma calúnia amplamente aceita como verdade factual.

No dia 26 de julho de 1930, o então presidente (na época, alguns Estados brasileiros tinham presidentes, não governadores) da Paraíba, João Pessoa, foi morto com dois tiros no peito na Confeitaria A Glória, em Recife, Pernambuco. O assassino, João Dantas, pertencia a uma família que rompera com Pessoa e sua administração. A guerra intraoligárquica em curso na Paraíba de 1930 tinha componentes regionais: o governo estadual afrontara interesses de coronéis do interior ao taxar bens oriundos de fora do Estado, e Pessoa havia preterido outras famílias em favor da sua ao compor nominata de candidatos ao Legislativo. Unidos, os oposicionistas recorreram às armas.

Na mistura, entrou também o tempero nacional. Quatro meses antes, João Pessoa havia sido derrotado como candidato a vice-presidente na chapa da Aliança Liberal, encabeçada por Getúlio Vargas. O vencedor, o paulista Júlio Prestes, tinha apoio do presidente Washington Luís. Cumpria-se a regra não escrita da política apelidada de café-com-leite: de 1894 a 1930, apenas dois presidentes, o gaúcho Hermes da Fonseca e o paraibano Epitácio Pessoa, não saíram de São Paulo ou de Minas Gerais. 

O Brasil daqueles tempos era uma república constitucional, mas estava longe de ser uma democracia. Durante todo o mandato do presidente Artur Bernardes, de 1922 a 1926, vigorou estado de sítio. Revoltas militares ou civis-militares sucediam-se na Capital Federal e nos Estados: 1922, 1923, 1924, 1925, 1926. O governo, qualquer governo, era profundamente impopular, como costuma ocorrer em regimes nos quais imperam a repressão e a fraude eleitoral. Com a provável exceção da cidade do Rio, em todo o país as eleições ocorriam mediante coerção de eleitores (o voto não era secreto), falsificação de cédulas e listas eleitorais e outras mutretas. 

Num ambiente assim carregado, o crime de 26 de julho teve motivação pessoal ou, como se dizia na época, de “lavagem de honra”. Quatro dias antes, a polícia estadual havia invadido o sobrado daquele que viria a ser seu assassino em busca de armas supostamente destinadas aos revoltosos do município de Princesa, proclamado “território livre” pelos inimigos de Pessoa. Armamento não encontraram, mas levaram cartas e fotos eróticas do dono da casa e da amante, Anayde Beiriz, professora e poeta. Houve filas para ver o material apreendido, exposto numa delegacia por ordem de Pessoa. 

Os vitoriosos de 30 dedicaram toneladas de papel, tinta e saliva a moldar a versão segundo a qual o assassinato de João Pessoa foi a “causa” da queda do presidente Washington Luís. Foi empreendimento de fôlego, que reuniu personagens antagônicos antes e depois do episódio: oligarcas, latifundiários, militares, empresários, intelectuais, mulheres e homens do povo. Papel preponderante coube ao magnata da comunicação Assis Chateaubriand, que, segundo seu biógrafo Fernando Morais, ditou “letra por letra”, por telefone, a manchete do Diário da Noite, do Rio: “João Pessoa ASSASSINADO! O criminoso: João Duarte Dantas. O responsável: o governo federal”.

O frentão que instalou Getúlio Vargas por 15 anos no Palácio do Catete teve vida curta, mas não se pode dizer o mesmo da santificação de seu ex-companheiro de chapa nas eleições presidenciais de 1º de março de 1930. Nove décadas depois, João Pessoa segue firme sobre pedestais em praças e em placas de avenidas e ruas de pelo menos 18 Estados, alguns dos quais não existiam quando o homenageado tombou no assoalho da Confeitaria A Glória.

Pessoa sintetiza, malgré lui, as incongruências de 30. Vivo, foi figurão da República Velha à sombra do tio, Epitácio Pessoa, presidente de 1919 a 1922. Morto, virou símbolo da derrubada da antiga ordem. A bordo dos próprios sapatos, pouco pisou na capital da Paraíba – nasceu em Umbuzeiro, onde a família mandava e desmandava, e passou a maior parte da vida no Rio. Na sepultura, legou o nome à velha cidade fundada no dia de Nossa Senhora das Neves, 5 de agosto. João Pessoa foi uma ausência que preencheu uma lacuna.

Mestres no ofício, os gaúchos foram pioneiros na transfiguração de Pessoa em santo secular, como relata o historiador José Luciano de Queiroz Aires no livro A fabricação do mito João Pessoa: batalhas de memórias na Paraíba (1930-1945). Em setembro de 1930, mais de um mês antes da derrubada de Washington Luís, os vereadores de Pelotas comunicavam o governo da Paraíba da mudança do nome da Rua da Liberdade para Rua João Pessoa. Já vitorioso o golpe, em outubro, foi a vez de Porto Alegre rebatizar a Avenida da Redenção como Avenida João Pessoa. 

O fenômeno teve, porém, dimensões nacionais. Houve casos paroxísticos, como o de Fortaleza, onde uma estrada de chão foi revestida de concreto em 1929 pelo governo federal e batizada como Avenida Washington Luís. Depois da “revolução”, o povo encarregou-se de arrancar as placas e mudar o nome da via para João Pessoa. A operação sobreviveu ao próprio varguismo, como mostra a decisão dos deputados paraibanos de 1967, em plena ditadura militar, de instituir feriado estadual em 26 de julho. 

O envolvimento de Washington Luís na morte de João Pessoa não foi a única notícia falsa de nossa história. Em 1886, a imprensa carioca pintou o povoado miserável de Canudos, na Bahia, como centro de um complô pela restauração monárquica – e mesmo um observador inteligente como Euclides da Cunha, enviado como repórter à região, endossou inicialmente essa versão. De Canudos não sobrou “pedra sobre pedra”, como determinou o presidente Prudente de Morais. Em 1921, o jornal Correio da Manhã publicou cartas falsas atribuídas ao então candidato a presidente, Artur Bernardes, com ofensas aos militares e ao ex-presidente Nilo Peçanha. O episódio foi o estopim da revolta dos 18 do Forte, no ano seguinte, e contribuiu para incompatibilizar para sempre Bernardes e os jovens oficiais saídos das escolas militares e agrupados na corrente conhecida como tenentismo. Fiscais do Ministério da Verdade interessados em vigiar e punir fake news terão muito o que escavar.


Luiz Antônio Araujo é jornalista e professor de Jornalismo na Famecos PUCRS. É autor de “Oriente em revista” (Insular, no prelo) e prepara biografia do crítico Mario Pedrosa.

RELACIONADAS

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.