Ensaios Fotográficos

Um mini fotoconto das arábias

Change Size Text
Um mini fotoconto das arábias

O sol arde no deserto e queima a alma por dentro. O corpo cansado, sonha por um abrigo à sombra e espera o final do dia por um pouco de água para refrescar. A pele seca, escura e as mãos calejadas, testemunham os árduos dias de trabalho na construção daquele templo religioso que agora, chega ao seu final. Naquele final de tarde, em que o sol do deserto era mais brando e os raios dourados amplificavam a beleza do lugar, ele pode finalmente olhar para a imensa obra que ajudou a erguer. 

Assim como, a maioria dos que estiveram ao seu lado nessa tarefa, foi criado numa família tradicional islâmica. Sua mãe cuidava dos filhos e dos afazeres domésticos enquanto o pai provia o sustento da casa. Pouco leu, e não teve a oportunidade de estudar formalmente; desde cedo trabalhou. Talvez por isso, sabe que o conhecimento pode fazer a diferença no futuro de seus descendentes. 

Do pai, herdou a técnica milenar de construir minaretes e cúpulas usando o adobe – tijolos feitos a partir da mistura de terra crua, palha e água que são prensados em moldes e, posteriormente, secados ao sol. Com o passar do tempo, percebeu a importância das altas torres na construção das mesquitas e, do seu jeito, especializou-se na ornamentação delas utilizando materiais nobres. 

Historicamente, o minarete por ser a torre mais alta da mesquita, era de onde o Muezim conclamava os muçulmanos para as cinco orações diárias. Também servia como ponto de orientação para os beduínos que se deslocavam de região em região comercializando sal, tecidos, cavalos, tâmaras, escravos e ouro. 

Seu trabalho na grande mesquita de Abu Dabhi, começou poucos meses depois da morte do Sheikh Zayed bin Sultan Al Nahyan em 2004. Havia, entre a maioria dos trabalhadores, um reconhecimento pelo esforço de seu líder político em unir e conduzir os Emirados para o mundo moderno, preservando a mensagem islâmica de paz, tolerância e diversidade. 

A tarefa que exerceu naquele lugar sagrado era dar acabamento às estruturas mais altas. Do alto de um dos quatro minaretes, uma torre de 107 metros de altura que em breve abrigará a biblioteca, deseja que seus filhos aproveitem a sabedoria dos livros islâmicos clássicos; ciência, civilização, caligrafia e artes. De alguma forma, sabe que o conhecimento os levará a uma condição social melhor.

Pouco antes de descer da torre pela última vez, observa o imenso pátio de 17.400m2, que no mês sagrado do Ramadã receberá milhares de fiéis. Admira seus florais feitos por artesãos italianos que quebram o branco do piso. Olha as longas colunas que o cercam e suas ornamentações talhadas em ouro. Tudo é simétrico, pois simboliza a perfeição de Alá

Lá de cima, passeia seu olhar por algumas das 82 cúpulas brancas de vários tamanhos com seus pontiagudos ornamentos em ouro. A maior delas cobre a sala principal das orações. Anseia por conhecer o lugar, mas precisa esperar que os rituais de inauguração sejam realizados. 

Algumas semanas depois de terminar seu trabalho na mesquita, ele retorna com os filhos para visitar o lugar que trabalhou por alguns anos. Sua mulher, vestindo a tradicional Abaya, o acompanha alguns passos atrás. Passeiam pelos longos corredores e encantam-se com o reflexo dos visitantes nos espelhos d’água. Admiram-se com os vitrais adornados com flores da região, como as tulipas e os lírios. 

Na grande sala das orações, olham fascinados para o gigantesco lustre adornado com peças de ouro 24 quilates, cristais e 10 toneladas de peso. Um gigantesco tapete que se estende por 5.700m2 e pesando aproximadamente 30 toneladas, está pronto para receber a congregação para o sermão das sextas-feiras; o mais significativo para os muçulmanos.

Ao sair, orgulhoso, mostra para os filhos os belos minaretes em que trabalhou. O sol que se põe dourado, acentua ainda mais a beleza e a perfeição dos acabamentos que artesanalmente esculpiu. 

Mas, quando pensa em se despedir do lugar, é surpreendido com uma pergunta de seu filho mais velho: “Pai, não vamos conhecer a biblioteca?” 














ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.