Ensaios Fotográficos

Vida provisória

Change Size Text
Vida provisória
Para os primeiros 300 mil. Melhor ler ouvindo “Just Another Night”, com Mick Jagger.

Nossas histórias não têm final previsto nem número de personagens definidos, mas com certeza têm bons e outros sem nenhum carácter.

A minha história começou antes do vírus, foi durante a pandemia política. A angústia e o caos diário me levaram a desfazer do apartamento, dos livros, cds e dvds, roupas, móveis e alguns vasos de espadas de São Jorge e lírios da paz. A amiga Suzana escolheu para mim duas malas leves e práticas e então me transferi por oito semanas para um apartamento provisório, à espera da data da viagem.

Mas esse roteiro tem mais pontos de virada do que franquia de super-heróis hollywoodianos. Na sequência aconteceram as mudanças, voo cancelado e aeroportos fechados. Uma longa noite nos invadiu com vírus espalhando o terror pelo nosso corpo. Enquanto isso, cresciam poderosos personagens desimportantes gritando frases impensadas num mundo normal e civilizado. 

Um cenário de sombra, isolamento e solidão foi montado e rondava a incerteza de um novo normal. As possibilidades de sobrevivência escassearam. Fomos dos livros às séries, depois inventamos refúgios nos zooms, meets, lives, palestras e entrevistas virtuais para diminuir o buraco existencial e financeiro de cada um. 

Eu decidi apontar a câmera para dentro do apartamento provisório. Tudo podia ser enquadrado, das máscaras no varal às frutas e legumes na água com q-boa ou às malas nunca usadas. Através das grades, registrei as quatro estações, vi um coração abandonado à beira da calçada e urubus sobrevoando o prédio em frente ao meu.

Hoje, espero a vacina e a possibilidade de conviver novamente, além de que uma chuva torrencial lave a nossa história perversa. O bom seria se apenas o vírus fosse nosso inimigo a ser derrotado e que um dia pudéssemos tirar – todas – as máscaras. 











Gilberto Perin é fotógrafo com exposições individuais recentes no MARGS (Porto Alegre), Lisboa (Portugal) e Genebra (Suíça). Tem dois livros de fotografia: “Camisa Brasileira” e “Fotografias para Imaginar”. Possui obras em museus, entidades culturais e coleções particulares, no Brasil e Exterior; além de fotos publicadas em jornais e revistas brasileiras e estrangeiras; e também fotografias que ilustram capas de livros. Formado em Comunicação Social pela PUC-RS.  

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.