Folhetim

Mil manhãs semelhantes – Capítulo 3

Change Size Text
Mil manhãs semelhantes – Capítulo 3

Porto Alegre, como todas as outras cidades, não soube o que fazer quando o vírus caminhou sobre ela. Pequena e aglomerada, com poucos lugares abertos para ir, poucos teatros ou casas de shows, promovia com facilidade farta concentração de pessoas. Espécie de quintal iluminado, proporcionou que os doentes pipocassem como vaga-lumes acendendo na escuridão. Na visão acurada que eu começara a desenvolver sobre a doença, passei a acreditar que talvez os infectados possuíssem algum sinal distintivo, uma aura ou até mesmo olhar adoentado que possibilitasse evitá-los. Porém, tudo isso foram teorias que desenvolvi lentamente à medida que o período da doença se desenrolava, e as fui refinando como um ourives. O fato é que passei a achar que, mais do que qualquer outro lugar, Porto Alegre havia sido o foco da doença, o local do qual ela emanou, porque daqui, afinal, nunca saiu muita coisa boa. E era por essas ruas tortuosas que Roberta continuava a caminhar, pelo menos, quatro vezes na semana, indo e voltando da escola. 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Porto Alegre, como todas as outras cidades, não soube o que fazer quando o vírus caminhou sobre ela. Pequena e aglomerada, com poucos lugares abertos para ir, poucos teatros ou casas de shows, promovia com facilidade farta concentração de pessoas. Espécie de quintal iluminado, proporcionou que os doentes pipocassem como vaga-lumes acendendo na escuridão. Na visão acurada que eu começara a desenvolver sobre a doença, passei a acreditar que talvez os infectados possuíssem algum sinal distintivo, uma aura ou até mesmo olhar adoentado que possibilitasse evitá-los. Porém, tudo isso foram teorias que desenvolvi lentamente à medida que o período da doença se desenrolava, e as fui refinando como um ourives. O fato é que passei a achar que, mais do que qualquer outro lugar, Porto Alegre havia sido o foco da doença, o local do qual ela emanou, porque daqui, afinal, nunca saiu muita coisa boa. E era por essas ruas tortuosas que Roberta continuava a caminhar, pelo menos, quatro vezes na semana, indo e voltando da escola. 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.