Memória, Parêntese

Frederico Bartz: Os lugares do antifascismo em Porto Alegre

Change Size Text
Frederico Bartz: Os lugares do antifascismo em Porto Alegre Durante as últimas semanas se intensificaram as manifestações antifascistas em diversas partes do Brasil. A atualidade do debate sobre o antifascismo, do combate à exploração de classe, ao preconceito racial, à opressão de gênero e à homofobia, que estão vinculadas à luta antifascista, se mostram mais necessárias do que nunca. No entanto, se conhece muito pouco sobre a importância da luta contra o fascismo no passado, nem se conhecem os locais que eram ponto de reunião e organização dos antifascistas em nossa própria cidade. Essa memória é um elemento importante das lutas no momento presente, pois reforça a ideia de que existem tradições de resistência, que devem ser conhecidas e reivindicadas.  A luta contra o fascismo em Porto Alegre foi um movimento muito amplo, diverso e multifacetado, que teve sua maior força entre o final dos anos 1920 e a primeira metade dos anos 1940. Uma das razões para essa pluralidade do movimento antifascista era o fato que o fascismo se apresentava em diversas variantes, dependendo da origem nacional dos sujeitos. Nesse período a cidade de Porto Alegre ainda tinha diversas comunidades étnicas que mantinham vínculos com seus países de origem, e isto foi um elemento de penetração do fascismo.  Mas, como sempre é necessário afirmar, onde o fascismo avança, se levantam barreiras de resistência e luta, e, no caso de Porto Alegre, elas foram muitas. O antifascismo começa a se organizar localmente dentro da comunidade italiana, com a formação do Grêmio Antifascista Giacomo Matteoti, fundado no ano de 1926 para combater a influência do fascismo italiano. Durante os anos 1930, surgiram outros movimentos, como a Liga dos Direitos Humanos, principal organização dos antinazistas alemães, com forte influência anarquista, e o Centro Republicano Espanhol, que congregou os membros daquela comunidade contrários ao franquismo. Não eram apenas os imigrantes que enfrentavam este problema, pois os brasileiros tinham seu próprio fascismo a combater, o integralismo. Para barrar seu avanço foi criado, por influência comunista, o Comitê Antiguerreiro, e em 1935 foi instalada em Porto Alegre a maior organização antifascista do período, a Aliança Nacional Libertadora. Os judeus progressistas, reunidos no Círculo Social Israelita e no Grêmio Esportivo Israelita, igualmente davam combate aos integralistas que marchavam pelas ruas do Bonfim. Também é necessário registrar o caso dos ucranianos e bielorrussos, que combatiam os fascistas poloneses que desejavam sua assimilação e fundaram Luz Operária Russo Branca e Ucraniana.  Para melhor caracterizar esses espaços de luta e organização, escolhi alguns exemplos de lugares de memória antifascista em Porto Alegre para contar sua história. 1. Livraria Americana (Grêmio Giacomo Matteoti): Para combater o avanço do fascismo na colônia italiana local um grupo de imigrantes formou, em 23 de junho de 1926, o Grêmio Antifascista Giácomo Matteotti. Este foi o primeiro grupo do gênero surgido em Porto Alegre. O nome escolhido homenageava o líder do Partido Socialista italiano assassinado por fascistas na Itália em 1924, após denunciar publicamente os crimes do regime encabeçado por Mussolini. Esse grupo era formado principalmente por artistas, artesãos e profissionais liberais, tendo […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Durante as últimas semanas se intensificaram as manifestações antifascistas em diversas partes do Brasil. A atualidade do debate sobre o antifascismo, do combate à exploração de classe, ao preconceito racial, à opressão de gênero e à homofobia, que estão vinculadas à luta antifascista, se mostram mais necessárias do que nunca. No entanto, se conhece muito pouco sobre a importância da luta contra o fascismo no passado, nem se conhecem os locais que eram ponto de reunião e organização dos antifascistas em nossa própria cidade. Essa memória é um elemento importante das lutas no momento presente, pois reforça a ideia de que existem tradições de resistência, que devem ser conhecidas e reivindicadas.  A luta contra o fascismo em Porto Alegre foi um movimento muito amplo, diverso e multifacetado, que teve sua maior força entre o final dos anos 1920 e a primeira metade dos anos 1940. Uma das razões para essa pluralidade do movimento antifascista era o fato que o fascismo se apresentava em diversas variantes, dependendo da origem nacional dos sujeitos. Nesse período a cidade de Porto Alegre ainda tinha diversas comunidades étnicas que mantinham vínculos com seus países de origem, e isto foi um elemento de penetração do fascismo.  Mas, como sempre é necessário afirmar, onde o fascismo avança, se levantam barreiras de resistência e luta, e, no caso de Porto Alegre, elas foram muitas. O antifascismo começa a se organizar localmente dentro da comunidade italiana, com a formação do Grêmio Antifascista Giacomo Matteoti, fundado no ano de 1926 para combater a influência do fascismo italiano. Durante os anos 1930, surgiram outros movimentos, como a Liga dos Direitos Humanos, principal organização dos antinazistas alemães, com forte influência anarquista, e o Centro Republicano Espanhol, que congregou os membros daquela comunidade contrários ao franquismo. Não eram apenas os imigrantes que enfrentavam este problema, pois os brasileiros tinham seu próprio fascismo a combater, o integralismo. Para barrar seu avanço foi criado, por influência comunista, o Comitê Antiguerreiro, e em 1935 foi instalada em Porto Alegre a maior organização antifascista do período, a Aliança Nacional Libertadora. Os judeus progressistas, reunidos no Círculo Social Israelita e no Grêmio Esportivo Israelita, igualmente davam combate aos integralistas que marchavam pelas ruas do Bonfim. Também é necessário registrar o caso dos ucranianos e bielorrussos, que combatiam os fascistas poloneses que desejavam sua assimilação e fundaram Luz Operária Russo Branca e Ucraniana.  Para melhor caracterizar esses espaços de luta e organização, escolhi alguns exemplos de lugares de memória antifascista em Porto Alegre para contar sua história. 1. Livraria Americana (Grêmio Giacomo Matteoti): Para combater o avanço do fascismo na colônia italiana local um grupo de imigrantes formou, em 23 de junho de 1926, o Grêmio Antifascista Giácomo Matteotti. Este foi o primeiro grupo do gênero surgido em Porto Alegre. O nome escolhido homenageava o líder do Partido Socialista italiano assassinado por fascistas na Itália em 1924, após denunciar publicamente os crimes do regime encabeçado por Mussolini. Esse grupo era formado principalmente por artistas, artesãos e profissionais liberais, tendo […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.