Memória

1842-48: A Ponte de Pedra: História

Change Size Text
1842-48: A Ponte de Pedra: História

PORTO ALEGRE 250 ANOS: HISTÓRIA, FOTOGRAFIA E REPRESENTAÇÕES

Porto Alegre nasceu costeada pelo arroio Dilúvio. Costeada e cortada, porque por quase um século a zona sul da cidade só era ligada, mais a leste, por uma ponte de madeira, acanhada e mal-conservada. Até que o Barão de Caxias, que assumiu a presidência da província em 1842, para pacificá-la e melhorá-la, determinou a construção da PONTE DE PEDRA. 

Em menos de seis anos estava concluída, para se tornar, como disse o prof. Riopardense de Macedo, “a mais segura ligação entre a cidade e o campo. Até que a cidade a envolveu, e envolveu com ela todo o arroio Dilúvio [que foi, inclusive, desviado]… A ponte ficou só, sem propósito e sem destino. Ninguém mais passa nela: passeiam. Não mais a usam: admiram” (Porto Alegre: aspectos culturais. SMEC, 1982, p. 54). 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito