Memória

1850 – O cemitério da Santa Casa: história

Change Size Text
1850 – O cemitério da Santa Casa: história

PORTO ALEGRE 250 ANOS:  HISTÓRIA, FOTOGRAFIA E REPRESENTAÇÕES

Segundo Fernando Catroga (O Céu da Memória. Coimbra: Minerva, 1999), foi em decorrência da supremacia do liberalismo sobre o ideário do catolicismo monárquico que os cemitérios da Europa deixaram de ser controlados pela Igreja. Passaram, assim, para a regulamentação e administração do poder público. No entender do autor, os paradigmáticos Père-Lachaise (1804) e Montparnasse (1808), de Paris, assim como o Pousada do Repouso, da cidade do Porto (1839) e o Cemitério dos Prazeres, de Lisboa (1835-45), com seus terrenos separados, sua estatuária alusiva ao que fizeram ou como foram seus ocupantes, suas lápides etc., representam o ideário burguês de fugir “do enterramento anônimo e a afirmação simbólica do individualismo” (p. 52).

Em Porto Alegre foi mais ou menos assim. Mais para menos do que para mais. Explica-se. Entre 1835-45 ocorreu no Rio Grande do Sul uma revolta dita liberal. Para apaziguá-la foi designado para governar a província o então Conde de Caxias que, aqui chegando, acumulou o cargo de Provedor da Santa Casa de Misericórdia (1843-45). Foi nesta condição que acertou entre a municipalidade, a Irmandade São Miguel e Almas e a própria Santa Casa a criação de um novo cemitério (até então os mortos eram sepultados nos fundos do terreno da atual Catedral). A municipalidade comprou o terreno, a Santa Casa ficou com a administração e a cobrança dos enterros e lotes, e a Irmandade de São Miguel e Almas com um espaço próprio dentro do novo cemitério. Entre a solução de compromisso e os primeiros sepultamentos (1850) decorreram cerca de cinco anos.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito