Memória

Barco que voa em terra

Change Size Text
Barco que voa em terra

Ponto de encontro de hippies, punks, góticos, metaleiros, rappers e demais tribos que povoaram o Bom Fim nas últimas décadas do século XX, o bar Escaler acaba de se transformar em livro. Lançado pela editora Ballejo Cultura & Comunicação, Escaler: quando o Bom Fim era nosso, Senhor! reconstitui a história do bar localizado junto ao Parque da Redenção por meio das memórias de seu proprietário, Antônio Calheiros, conhecido como Toninho do Escaler. Eis alguns trechos da obra:

O meu ‘negócio’ era vender cerveja, mas eu queria mais, queria incluir diversão para quem quisesse, sem distinção, qualquer que fosse. (…) Eu tinha a chave do bar e um enorme espaço livre, um parque urbano no coração boêmio da cidade. (…) Para completar, contava com um público jovem e fiel, que disputava cada centímetro daquele singular recorte urbano em busca de um espaço que oferecesse liberdade de expressão, a sombra dos jacarandás e cerveja gelada a preço popular. 

Tudo isso foi possível porque o Escaler era o lugar certo para encontrar amigos novos e antigos. Tanto aqueles que a gente já não via há anos como os que conhecia ali, naquela hora, entre as mesas do bar. Isso explica por que o Escaler se transformou no endereço do rock no Bom Fim.

– Virou ponto de referência. Todo mundo ia – diz Marcelo Fornazier, guitarrista do DeFalla, Os The Darma Lovers, Câmbio Negro, Astaroth e tantas outras bandas memoráveis. 

– Aí, com tantas tribos reunidas no mesmo lugar, alguém deve ter tido a ideia: “Ei, por que não aproveitar esse povo e fazer shows para mostrar bandas novas e antigas”? –, complementa Jimi Joe, jornalista e guitarrista de grupos como Expresso Oriente (esse com Júlio Reny), Justine e Os Daltons.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Ponto de encontro de hippies, punks, góticos, metaleiros, rappers e demais tribos que povoaram o Bom Fim nas últimas décadas do século XX, o bar Escaler acaba de se transformar em livro. Lançado pela editora Ballejo Cultura & Comunicação, Escaler: quando o Bom Fim era nosso, Senhor! reconstitui a história do bar localizado junto ao Parque da Redenção por meio das memórias de seu proprietário, Antônio Calheiros, conhecido como Toninho do Escaler. Eis alguns trechos da obra:

O meu ‘negócio’ era vender cerveja, mas eu queria mais, queria incluir diversão para quem quisesse, sem distinção, qualquer que fosse. (…) Eu tinha a chave do bar e um enorme espaço livre, um parque urbano no coração boêmio da cidade. (…) Para completar, contava com um público jovem e fiel, que disputava cada centímetro daquele singular recorte urbano em busca de um espaço que oferecesse liberdade de expressão, a sombra dos jacarandás e cerveja gelada a preço popular. 

Tudo isso foi possível porque o Escaler era o lugar certo para encontrar amigos novos e antigos. Tanto aqueles que a gente já não via há anos como os que conhecia ali, naquela hora, entre as mesas do bar. Isso explica por que o Escaler se transformou no endereço do rock no Bom Fim.

– Virou ponto de referência. Todo mundo ia – diz Marcelo Fornazier, guitarrista do DeFalla, Os The Darma Lovers, Câmbio Negro, Astaroth e tantas outras bandas memoráveis. 

– Aí, com tantas tribos reunidas no mesmo lugar, alguém deve ter tido a ideia: “Ei, por que não aproveitar esse povo e fazer shows para mostrar bandas novas e antigas”? –, complementa Jimi Joe, jornalista e guitarrista de grupos como Expresso Oriente (esse com Júlio Reny), Justine e Os Daltons.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito