Memória

Lugares da classe trabalhadora em Porto Alegre 4: Sociedade Florida – Bürgerklub

Change Size Text
Lugares da classe trabalhadora em Porto Alegre 4: Sociedade Florida – Bürgerklub Foto atual da sede do Bürgerklub

O Bürgerklub (Clube do Cidadão) foi uma associação criada por imigrantes alemães no ano de 1884. Sua origem possivelmente está ligada à Revolução de 1848 na Alemanha, quando surgiram diversas “Associações de Cidadãos” para lutar contra o absolutismo e defender reformas democráticas. Em Porto Alegre, ela se tornou uma agremiação popular, com fins beneficentes e recreativos. Durante muito tempo ela não teve uma sede própria, se estabelecendo em casas alugadas na rua Senhor dos Passos, na praça Dom Feliciano, na rua General João Telles, na rua Dr. Flores, na rua Fernando Machado e na rua Ramiro Barcelos. No início dos anos 1910, a associação construiu seu edifício na rua Comendador Azevedo, 26 (atual 444). Depois de perambular por diferentes regiões, o Bürgerklub se fixava no Arrabalde da Floresta, região caraterizada pela grande presença de famílias operárias de origem alemã, se tornando um dos centros da vida comunitária daquela região. 

Como local de reuniões inserido no bairro fabril, o Bürgerklub também passou a abrir suas portas para reuniões operárias, o que não causa surpresa, tendo em vista a origem democrática da associação. Em 1912, a Allgemeiner Arbeiter Verein (Associação Geral dos Trabalhadores), dos socialistas teuto-brasileiros, mudou sua sede para aquele local. Sobre a Allgemeiner, ela havia sido fundada em 1892, sendo uma das primeiras organizações socialistas de Porto Alegre e do Brasil. Durante muitos anos a Allgemeiner esteve na vanguarda das mobilizações operárias, mas a partir da Greve de 1906 sua influência diminui por conta do crescimento da militância anarquista. Quando os socialistas mudaram sua sede para o Bürgerklub, os anarquistas já haviam se tornado hegemônicos no movimento operário. 

Esse foi um período de recuo dos socialistas, por isso a Allgemeiner passou a funcionar como um clube social, até que no ano de 1917 tudo mudou com a chegada do anarquista Friedrich Kniestedt. Ele se tornou líder da Allgemeiner, abrindo as portas do Bürgerklub para anarquistas e sindicalistas. A partir desse novo impulso militante, o Bürgerklub se tornou um dos lugares centrais para o movimento operário na capital. Em junho de 1918, foi realizado o lançamento da União Geral dos Trabalhadores, abrindo caminho para a Greve Geral de agosto daquele ano. Alguns meses depois, foi realizado um protesto contra o envio de soldados poloneses para lutar na Primeira Guerra Mundial. Em abril do ano seguinte, foi realizada a primeira palestra sobre a Revolução Alemã na capital gaúcha. 

Em 1920, Friedrich Kniestedt rompeu com a Allgemeiner para construir uma associação própria, voltada aos anarquistas teuto-brasileiros, passando a realizar suas reuniões na sede da Federação Operária. Mesmo sem as reuniões sindicais, o Bürgerklub continuou como um local importante para a comunidade da Floresta, se destacando na prática de esportes, como o kegel (bolão), e nos bailes promovidos pela sociedade. Nos anos 1940, por conta da Segunda Guerra Mundial, a associação mudou seu nome para Sociedade Florida. Atualmente, o clube se encontra inativo, mas ainda é possível identificar o passado de solidariedade e vida comunitária pelas mãos que se cumprimentam no frontão do seu edifício. 


Destaque das mãos se cumprimentando: uma chamada para a conferência sobre a Revolução Alemã em abril de 1919

Na próxima edição dessa série vamos falar da Sociedade Espanhola de Socorros Mútuos, na rua Andrade Neves, no Centro da cidade, mais um lugar de memória operária na capital gaúcha.

– Imagem do Google Street View

  • Além de acompanhar os textos aqui publicados, visitem e curtam a página de facebook dos Caminhos Operários em Porto Alegre, para saber um pouco mais sobre essa história. 

Frederico Bartz é mestre e doutor em história pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e trabalha como técnico em assuntos educacionais nessa mesma universidade, onde coordena o curso de extensão Caminhos Operários em Porto Alegre.

ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHE UM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.