Parêntese, Reportagem

Pandemia pode enterrar de vez o Orçamento Participativo em Porto Alegre

Change Size Text
Pandemia pode enterrar de vez o Orçamento Participativo em Porto Alegre Enquanto as cidades europeias apostam na participação cidadã para se reinventarem, os conselhos municipais e o OP vivem um de seus piores momentos * Correção 22/06: na primeira versão deste texto, o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental (CMDUA) estava com a sigla antiga, de quando era Conselho Municipal do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (CMPDDU). Fernanda Wenzel Publicidade Vamos sobreviver ao novo coronavírus, mas a democracia participativa pode morrer. Esse é o alerta de Laura Elisa Machado, que muito já sacolejou dentro de ônibus para ir do bairro Costa e Silva até a Casa do Gaúcho, no Centro Histórico, ajudar a escolher as prioridades para Porto Alegre. Neste ano, porém, ela não deve sair de casa para votar. “Provavelmente não teremos plenárias”, afirma. Ironicamente, a derrocada do Orçamento Participativo acontece logo no momento em que os porto-alegrenses mostram seu poder de mobilização para enfrentar a pandemia, organizando-se para ajudar os vizinhos, os negócios do bairro ou moradores de rua. “Essa energia criativa e solidária que foi se formando nas janelas, nos pátios, nos terraços, agora tem que ser aproveitada e mobilizada para o espaço público, para dar vida de novo às cidades”, afirma o sociólogo português Nelson Dias, que estuda OPs ao redor do mundo. Mas, quando Nelson Marchezan Júnior (PSDB) tomou posse, em 2017, o OP já não vinha bem das pernas. Segundo a prefeitura, na época havia 2.395 demandas aprovadas pela população, mas nunca levadas a cabo – a mais antiga havia sido feita em 1994. Com esse argumento, o Executivo propôs que, pela primeira vez na história, não se votassem novos pedidos naquele ano. A sugestão era fazer uma revisão das demandas antigas, para ver o que ainda fazia sentido para as comunidades, e foi acatada pelo Conselho do Orçamento Participativo (COP), órgão máximo do OP. “Foi o maior erro que cometemos, por ter sido dentro da administração atual. Houve uma diminuição da participação, que já não era tão expressiva. Ficamos fragilizados”, reconhece Machado, que é conselheira pela região Eixo Baltazar e membro da coordenação do COP. Segundo a prefeitura, 731 demandas foram descartadas após a reavaliação das comunidades. Alegando falta de recursos, a prefeitura também vetou novas demandas em 2018. Em 2019, que marcou as três décadas de criação do OP, as votações foram retomadas. Mas, quando a prefeitura apresentou o plano de investimentos para 2020 – documento que reúne as iniciativas aprovadas e o respectivo orçamento –, veio uma nova frustração. “Uma mixaria”, resume Machado, referindo-se aos R$ 149 mil destinados à sua região. No total, a prefeitura prometeu R$ 17,8 milhões para o OP. Segundo a atual administração, em 2016, as demandas somavam R$ 80 milhões, mas menos de 0,4% disso (R$ 300 mil) foi executado.  Entre 2013 e 2017, o valor orçado foi de R$ 494,3 milhões, e menos de 1% foi efetivamente realizado. Segundo a Secretaria Municipal de Relações Institucionais (confira a íntegra da resposta aqui), o governo decidiu enfrentar o problema dos orçamentos fictícios “e tratar a população com o […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Enquanto as cidades europeias apostam na participação cidadã para se reinventarem, os conselhos municipais e o OP vivem um de seus piores momentos * Correção 22/06: na primeira versão deste texto, o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental (CMDUA) estava com a sigla antiga, de quando era Conselho Municipal do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (CMPDDU). Fernanda Wenzel Publicidade Vamos sobreviver ao novo coronavírus, mas a democracia participativa pode morrer. Esse é o alerta de Laura Elisa Machado, que muito já sacolejou dentro de ônibus para ir do bairro Costa e Silva até a Casa do Gaúcho, no Centro Histórico, ajudar a escolher as prioridades para Porto Alegre. Neste ano, porém, ela não deve sair de casa para votar. “Provavelmente não teremos plenárias”, afirma. Ironicamente, a derrocada do Orçamento Participativo acontece logo no momento em que os porto-alegrenses mostram seu poder de mobilização para enfrentar a pandemia, organizando-se para ajudar os vizinhos, os negócios do bairro ou moradores de rua. “Essa energia criativa e solidária que foi se formando nas janelas, nos pátios, nos terraços, agora tem que ser aproveitada e mobilizada para o espaço público, para dar vida de novo às cidades”, afirma o sociólogo português Nelson Dias, que estuda OPs ao redor do mundo. Mas, quando Nelson Marchezan Júnior (PSDB) tomou posse, em 2017, o OP já não vinha bem das pernas. Segundo a prefeitura, na época havia 2.395 demandas aprovadas pela população, mas nunca levadas a cabo – a mais antiga havia sido feita em 1994. Com esse argumento, o Executivo propôs que, pela primeira vez na história, não se votassem novos pedidos naquele ano. A sugestão era fazer uma revisão das demandas antigas, para ver o que ainda fazia sentido para as comunidades, e foi acatada pelo Conselho do Orçamento Participativo (COP), órgão máximo do OP. “Foi o maior erro que cometemos, por ter sido dentro da administração atual. Houve uma diminuição da participação, que já não era tão expressiva. Ficamos fragilizados”, reconhece Machado, que é conselheira pela região Eixo Baltazar e membro da coordenação do COP. Segundo a prefeitura, 731 demandas foram descartadas após a reavaliação das comunidades. Alegando falta de recursos, a prefeitura também vetou novas demandas em 2018. Em 2019, que marcou as três décadas de criação do OP, as votações foram retomadas. Mas, quando a prefeitura apresentou o plano de investimentos para 2020 – documento que reúne as iniciativas aprovadas e o respectivo orçamento –, veio uma nova frustração. “Uma mixaria”, resume Machado, referindo-se aos R$ 149 mil destinados à sua região. No total, a prefeitura prometeu R$ 17,8 milhões para o OP. Segundo a atual administração, em 2016, as demandas somavam R$ 80 milhões, mas menos de 0,4% disso (R$ 300 mil) foi executado.  Entre 2013 e 2017, o valor orçado foi de R$ 494,3 milhões, e menos de 1% foi efetivamente realizado. Segundo a Secretaria Municipal de Relações Institucionais (confira a íntegra da resposta aqui), o governo decidiu enfrentar o problema dos orçamentos fictícios “e tratar a população com o […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.