Porto Alegre: uma biografia musical

Chiquinho do Acordeom, primeira parte – Capítulo XXXIV

Change Size Text
Chiquinho do Acordeom, primeira parte – Capítulo XXXIV Alemonzinho menor que a gaita

É a hora de dar uma aprofundada num gaúcho que deve muito da sua carreira a Radamés Gnattali, o titular de nosso capítulo anterior.

Ele nasceu Romeu Seibel, dia sete de novembro de 1928, em Santa Cruz do Sul. Mas ficou conhecido justamente pelo instrumento que ele elevou a um outro patamar no Brasil: Chiquinho do Acordeom.

150km a oeste de Porto Alegre, Santa Cruz é uma típica cidade gaúcha daquelas habitadas basicamente por imigrantes alemães. Terra de indústria fumageira, é até hoje – aparentemente – um lugar onde não há nem muito pobres nem muito ricos. A família Seibel, de classe média alta, era dona de uma confecção e de uma alfaiataria que atendia a elite da cidade. Foi, por exemplo, a primeira casa do bairro a ter um automóvel na garagem.

Como bons descendentes de bisavós alemães – o que, no Rio Grande do Sul, chamamos de “a alemoada”-, faziam muita música em família. O pai, João Walter, se revezava entre o bandoneon e o clarinete. A mãe, Dona Julieta, tocava cítara de mesa. Cítara de mesa, clarinete e essa invenção germânica que mais tarde floresceria no tango, o bandoneon: mais alemoada impossível.

O apelido “Chiquinho” veio da semelhança com Chico Bóia, que era como se chamava no Brasil Fatty Arbuckle, um comediante do cinema mudo, com cara de alemão rechonchudo como era O Chiquinho da primeira infância (aos oito meses já pesava 12 quilos). O apelido resistiu quando, aos oito anos, a semelhança já se esvaíra, graças em parte à dedicação ao basquete. E foi aí que o menino ganhou sua primeira gaita (que é como os gaúchos chamam o acordeom). 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.