Arthur de Faria | Porto Alegre: uma biografia musical

Paulo Coelho, o rival de si mesmo (Parte 2) – Capítulo XXVII

Change Size Text
Paulo Coelho, o rival de si mesmo (Parte 2) – Capítulo XXVII Antes, um parêntese sobre Horacina Corrêa A porto-alegrense nascida Horacina Corrêa de Lima em 11 de outubro de 1913 (por vezes grafada Oracina e/ou Correia), foi uma das maiores intérpretes que o estado dos gaúchos viu nascer. Ouvindo suas poucas gravações, a gente pode ter uma ideia. Mas quem a escutou ao vivo, desde antes dela se tornar a estrela da orquestra de Paulo Coelho, conta que sua privilegiada goela adolescente era assunto entre os blocos carnavalescos de Zé Pereira. Afinal, podia ser ouvida a uma quadra de distância, mesmo cercada de bumbos tocando o terror. A jovem Horacina era a solista do bloco Divertidos e Atravessados, que chegava a reunir 500 pessoas em seus desfiles. A foto ‘oficial’ mais conhecida de Horacina Quando chegou ao rádio, em pouco tempo tornou-se uma estrela local de tal brilho, que em oito de outubro de 1936 a Rádio Farroupilha – onde ela cantava com no jazz de Romeu Fossati – transmitiu ao vivo seu casamento com o também músico Oscar Fortunato Corrêa. A cerimônia se deu à volta de um microfone ladeado por uma mesa de sanduíches enquanto, lá fora, um enxame de curiosos esperava para ver de perto os astros que haviam acabado de mudar de estado civil.  Ninguém ali poderia imaginar que a fama não rimava com grana, e que essa mesma starlet, aos 23 anos de idade, pagava a maior parte de suas contas trabalhando como empregada doméstica. Uma rara foto de baiana Quando entrou pro mundo de Paulo, a situação melhorou um pouco, mas o pianista morreu não muito tempo depois. Nem deu pra juntar um pé de meia. Desfeita o Jazz de Paulo Coelho, Horacina ainda fez algum sucesso nas rádios de Porto Alegre cantando muitos sambas de Lupicínio Rodrigues e emplacando pelo menos um hit local: Segura o Bonde, de Alberto Carusinho Dias. Mas chegou um momento, no meio dos anos 1940, que a lógica era tentar a sorte no Rio de Janeiro. Acaba contratada pelo empresário Walter Pinto para integrar o elenco do Teatro Recreio, e chega a gravar três 78 rpm para a Continental. Toda brejeira, puro encantamento Quando começa a década de 1950, está circulando pela Europa como lady-crooner da orquestra do Maestro Fon-Fon. É ela a solista do disco, disputado por colecionadores, Fon-Fon Brazilian Rhythms. Gravado na Inglaterra em 1951 para o selo London, é o primeiro LP de uma orquestra brasileira (o formato estava chegando ao Brasil exatamente naquele ano). Tudo ia muito bem quando, novamente, bateu o mesmo azar: está numa orquestra de prestígio, cheia de trabalho, e seu líder – desta vez Fon-Fon – morre.  LP Fon-Fon Brazilian Rhythms O remédio é voltar para o Brasil, para o Rio de Janeiro. A partir daí, canta como free-lancer na Rádio Nacional e participa de meia dúzia de filmes, como É Com Esse Que Eu Vou e O Cortiço. Acompanhada pela Orquestra de Leo Peracchi, lança seus dois únicos LPs, de 10 polegadas: Noel Rosa (Musidisc, 1954) e Canções Brasileiras (Sinter, 1956). O primeiro, como se deduz do título, era inteiro com músicas do compositor que acabava de ser […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Antes, um parêntese sobre Horacina Corrêa A porto-alegrense nascida Horacina Corrêa de Lima em 11 de outubro de 1913 (por vezes grafada Oracina e/ou Correia), foi uma das maiores intérpretes que o estado dos gaúchos viu nascer. Ouvindo suas poucas gravações, a gente pode ter uma ideia. Mas quem a escutou ao vivo, desde antes dela se tornar a estrela da orquestra de Paulo Coelho, conta que sua privilegiada goela adolescente era assunto entre os blocos carnavalescos de Zé Pereira. Afinal, podia ser ouvida a uma quadra de distância, mesmo cercada de bumbos tocando o terror. A jovem Horacina era a solista do bloco Divertidos e Atravessados, que chegava a reunir 500 pessoas em seus desfiles. A foto ‘oficial’ mais conhecida de Horacina Quando chegou ao rádio, em pouco tempo tornou-se uma estrela local de tal brilho, que em oito de outubro de 1936 a Rádio Farroupilha – onde ela cantava com no jazz de Romeu Fossati – transmitiu ao vivo seu casamento com o também músico Oscar Fortunato Corrêa. A cerimônia se deu à volta de um microfone ladeado por uma mesa de sanduíches enquanto, lá fora, um enxame de curiosos esperava para ver de perto os astros que haviam acabado de mudar de estado civil.  Ninguém ali poderia imaginar que a fama não rimava com grana, e que essa mesma starlet, aos 23 anos de idade, pagava a maior parte de suas contas trabalhando como empregada doméstica. Uma rara foto de baiana Quando entrou pro mundo de Paulo, a situação melhorou um pouco, mas o pianista morreu não muito tempo depois. Nem deu pra juntar um pé de meia. Desfeita o Jazz de Paulo Coelho, Horacina ainda fez algum sucesso nas rádios de Porto Alegre cantando muitos sambas de Lupicínio Rodrigues e emplacando pelo menos um hit local: Segura o Bonde, de Alberto Carusinho Dias. Mas chegou um momento, no meio dos anos 1940, que a lógica era tentar a sorte no Rio de Janeiro. Acaba contratada pelo empresário Walter Pinto para integrar o elenco do Teatro Recreio, e chega a gravar três 78 rpm para a Continental. Toda brejeira, puro encantamento Quando começa a década de 1950, está circulando pela Europa como lady-crooner da orquestra do Maestro Fon-Fon. É ela a solista do disco, disputado por colecionadores, Fon-Fon Brazilian Rhythms. Gravado na Inglaterra em 1951 para o selo London, é o primeiro LP de uma orquestra brasileira (o formato estava chegando ao Brasil exatamente naquele ano). Tudo ia muito bem quando, novamente, bateu o mesmo azar: está numa orquestra de prestígio, cheia de trabalho, e seu líder – desta vez Fon-Fon – morre.  LP Fon-Fon Brazilian Rhythms O remédio é voltar para o Brasil, para o Rio de Janeiro. A partir daí, canta como free-lancer na Rádio Nacional e participa de meia dúzia de filmes, como É Com Esse Que Eu Vou e O Cortiço. Acompanhada pela Orquestra de Leo Peracchi, lança seus dois únicos LPs, de 10 polegadas: Noel Rosa (Musidisc, 1954) e Canções Brasileiras (Sinter, 1956). O primeiro, como se deduz do título, era inteiro com músicas do compositor que acabava de ser […]

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

ASSINE O PLANO ANUAL E GANHEUM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1
ASSINE O PLANO ANUAL E GANHEUM EXEMPLAR DA PARÊNTESE TRI 1

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.