Recomendações

Guel Arraes e Jorge Furtado lançam O Debate

Change Size Text
Guel Arraes e Jorge Furtado lançam O Debate Foto: Cobogó/Divulgação

O Debate | Guel Arraes e Jorge Furtado

Nas palavras dos próprios autores, O Debate (Cobogó, 80 páginas, R$ 36) é uma peça “escrita na urgência dos acontecimentos políticos do Brasil no ano de 2021”. O tempo é um futuro próximo, muito próximo: outubro de 2022, época em que perduram as ameaças da pandemia – há uma nova cepa, 10 vezes mais contagiosa –, mais exatamente no dia do último debate do segundo turno das eleições presidenciais entre Luis Inácio Lula da Silva e Jair Messias Bolsonaro. O cenário é o terraço de uma estação de TV, onde os jornalistas Marcos, editor do telejornal da noite, e Paula, apresentadora do mesmo noticiário, se encontram em pausas para cafés, cigarros e conversas sobre o próprio debate, as eleições, posições políticas, paixões e ideias, suas – também nossas – vidas.  

A obra lançada pela Coleção Dramaturgia é composta por afirmações e réplicas rápidas trocadas entre seus dois únicos personagens, construindo literalmente um debate. Guel Arraes e Jorge Furtado, ao longo do texto, deixam clara a importância e a necessidade do diálogo entre diferentes – não como disputa ou convencimento, mas como uma reflexão sobre o mundo e um caminho para a (re)construção da sociedade em que vivemos.

Casados por 20 anos e recém-separados, Paula, 42, e Marcos, 60, tentam se adaptar às transformações de sua relação, do país e do mundo. Em discussões acaloradas, tão contundentes quanto hilárias, antes, durante e depois do debate entre os presidenciáveis, eles falam, ouvem, discordam, concordam, voltam a discordar, além de, diante da (im)possibilidade de isenção da imprensa, lidam com o conflito de fazer jornalismo em tempos de desinformação, manipulação e notícias falsas.

O sociólogo e escritor José Almino, que assina o posfácio do livro, se insere no debate. Para ele, a política existe quando há confrontação de diferentes visões de um mesmo problema, em que ela assume a dimensão plural do entendimento humano. “Seria um processo de discussão sempre à disposição dos homens na construção de suas vidas em comum. Um pouco à maneira de como Paula imaginava que Sartre e Simone de Beauvoir construíram a deles. Talvez porque, quando um casal decide que seu destino é preso à necessidade e o seu rumo é a ela condicionado, o amor desaparece”, conclui.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito