Recomendações

Recomendações da semana #59

Change Size Text
Recomendações da semana #59 Foto: Rua do Sabão/Divulgação

LIVRO | Memórias do Calabouço, de Maurício Rosencof e Eleuterio Fernández Huidobro

Pepe Mujica, Mauricio Rosencof e Eleuterio Fernández Huidobro não eram prisioneiros: eles eram reféns da ditadura cívico-militar que tomou o poder no Uruguai em 1973. Se as famílias fizessem denúncias no exterior, se os companheiros tupamaros atentassem contra os militares, se um resgate fosse tentado, os três militantes de esquerda seriam executados.

Comunicar-se era definitivamente proibido. Ainda assim, batendo os dedos contra a parede, num código morse improvisado, conversavam, lutavam, militavam, jogavam xadrez. Finalmente libertados, em 1985, Mauricio Rosencof, o Russo, e Eleuterio Fernández Huidobro, conhecido como El Ñato, colocam-se diante de um gravador para narrar todo o vivido naqueles 12 anos no livro Memórias do Calabouço, originalmente editado por Pepe Mujica, futuro presidente do Uruguai, e com prefácio do escritor Eduardo Galeano. A obra ganha nova edição no Brasil (Rua do Sabão, 308 páginas, R$ 55).A obra recebeu o Prêmio Bartolomé Hidalgo, a mais importante premiação literária uruguaia, na categoria Testemunhos. Em 2018, o livro foi adaptado para o cinema no ótimo Uma Noite de 12 Anos, filme dirigido por Álvaro Brechner e estrelado por Antonio de la Torre, Chino Darín e Alfonso Tort.


LIVRO | Objeto Não Identificado, de Susana Vernieri

Foto: Editora Calypso/Divulgação

Com título inspirado em uma canção de Caetano Veloso, Objeto Não Identificado é o mais recente livro de Susana Vernieri. Nessa nova obra, a autora apresenta uma poesia na qual o eu lírico estabelece um exercício

lúdico com o leitor.
O livro é a primeira publicação da Editora Calypso, selo de propriedade da escritora. O preço de capa é R$ 30 e está disponível nas livrarias Pocket Store, Bamboletras, Liberta Livros e na Piperita Sabores Selecionados.


LIVRO | Erico Verissimo: Cartas da União Pan-Americana 1953/1958, organização de Maria da Glória Bordini

Foto: Edições Makunaíma/Divulgação

O volume reúne e recupera a correspondência de Erico Verissimo (1905 – 1975) no período em que o escritor trabalhou na União Pan-Americana como diretor do Departamento de Assuntos Culturais, em Washington, entre 1953 e 1958. Os textos eram trocados com dois velhos amigos: o tradutor Herbert Caro e o escritor Clodomir Vianna Moog. A obra foi organizada pela professora e pesquisadora Maria da Glória Bordini (UFRGS), com transcrição e notas das mestrandas Juliana Pauletto e Gabriela Guindani.

As cartas contam episódios de um conturbado momento político, durante a Guerra Fria, de muita burocracia na OEA, hierarquias desrespeitadas, regras mal entendidas, pouca ação e muita discussão, além de alguns líderes demasiado autoritários. No Brasil, vivia-se uma década de grandes tensões, marcada pelo suicídio de Getúlio Vargas

O livro reúne 40 cartas, em ordem cronológica, para manter a continuidade da correspondência. Além das relações de amizade com os destinatários, as missivas revelam as dificuldades do romancista e o posicionamento político diante da hegemonia norte-americana. Erico estabelece diferenças entre os latinos-americanos e os norte-americanos, não teme a repercussão de seu ponto de vista e mostra um pulso democrático, combativo. Os rumos familiares, informações de bastidores, relatos de conferências realizadas nos Estados Unidos e Américas Central e do Sul e a sólida amizade com Clarice Lispector também aparecem nas mensagens da compilação. 

A obra está disponível gratuitamente no site da Edições Makunaíma

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.