Relampo

Vai votar em branco ou em preta?

Change Size Text
Vai votar em branco ou em preta?

Enquanto prepara a pólvora (chinesa?) em defesa de um novo mandato de Trump, o presidente brasileiro ignora uma potencial ameaça às suas fragilidades – com agravantes de proximidade geográfica, raça e orientação sexual. Indígenas homossexuais criaram em 2001 o movimento Maricas Bolívia, no país vizinho, que reivindica a denominação usada de forma pejorativa pelo capitão em arroto recente. “Nós somos críticas ao estereótipo usual do gay, pois é um gesto neocolonial do primeiro mundo, que nos fala de um sujeito jovem, branco, feliz e com contas bancárias. Isso se contrapõe à realidade boliviana. Para nós é importante nos posicionarmos a partir desse lugar porque acreditamos que tem uma força política para entender as identidades”, explica Edgar Soliz, ativista e apresentador do programa de rádio Nación Marica, em entrevista ao site do Goethe-Institut. (Ricardo Romanoff)


[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Enquanto prepara a pólvora (chinesa?) em defesa de um novo mandato de Trump, o presidente brasileiro ignora uma potencial ameaça às suas fragilidades – com agravantes de proximidade geográfica, raça e orientação sexual. Indígenas homossexuais criaram em 2001 o movimento Maricas Bolívia, no país vizinho, que reivindica a denominação usada de forma pejorativa pelo capitão em arroto recente. “Nós somos críticas ao estereótipo usual do gay, pois é um gesto neocolonial do primeiro mundo, que nos fala de um sujeito jovem, branco, feliz e com contas bancárias. Isso se contrapõe à realidade boliviana. Para nós é importante nos posicionarmos a partir desse lugar porque acreditamos que tem uma força política para entender as identidades”, explica Edgar Soliz, ativista e apresentador do programa de rádio Nación Marica, em entrevista ao site do Goethe-Institut. (Ricardo Romanoff)


[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.