Artes Visuais | Reportagens

Xadalu traduz cosmogonia guarani em arte na Fundação Iberê

Change Size Text
Xadalu traduz cosmogonia guarani em arte na Fundação Iberê Xadalu. Foto: Denison Fagundes

O artista Xadalu Tupã Jekupé inaugura neste sábado (14/5), às 14h, na Fundação Iberê, a exposição Antes que Se Apague – Territórios Flutuantes. Ao todo, 19 trabalhos ocupam o segundo andar do museu, apresentando leituras da cosmogonia guarani por meio de pinturas, vídeos e uma instalação.

Em meio aos últimos ajustes da montagem, três dias antes da abertura da mostra, Xadalu explica que a investigação para a concepção dos trabalhos começou há cerca de 10 anos. Ao longo desse período, além de pesquisar documentos, o artista escutou relatos de sua avó, Dalva Oliveira da Luz, e de sábios da antiga terra indígena Ararenguá, situada à beira do rio Ibirapuitã, em Alegrete, onde Xadalu nasceu.

“A exposição foi pensada a partir de provocações dos sábios da aldeia e da relação com a minha avó. A família dela foi uma das últimas remanescentes, e ela tem muitas lembranças de como era o dia a dia”, conta o artista. A ideia de transformar os relatos em obras é mais recente e foi viabilizada, em grande parte, através da colaboração de Xadalu com a Plataforma de Antropologia e Respostas Indígenas à Covid-19 (PARI-c), projeto sediado na Universidade de Londres, com bolsa da Agência de Pesquisa e Inovação do Reino Unido (UKRI).

“Antes que Se Apague: Territórios Flutuantes” (2021), de Xadalu. Foto: Xadalu

A avó de Xadalu narra suas memórias no vídeo que intitula a exposição. Na obra de pouco mais de sete minutos, que exibe uma foto pouco nítida de Dalva junto ao Ibirapuitã, o espectador ouve recordações de trocas da avó com suas antepassadas e das experiências numa casa de barro, sem energia elétrica, na qual a família cozinhava a caça usando fogo de chão. Assim como em outros trabalhos do artista, o extermínio e apagamento das populações originárias do país é abordado por meio da afirmação da presença, da produção simbólica e da resistência indígenas.

“Só no Alegrete, viviam cinco etnias, e ninguém fala nada. Para onde foram essas pessoas?”, questiona Xadalu, citando os Charruas, Guaranis, Jaros, Mbones e Minuanos. “Bugre, uma palavra muito corriqueira, era uma maneira de distorcer e generalizar o ser indígena como qualquer indígena, mas nós somos uma pluralidade”, completa.

Para o curador da exposição, Cauê Alves, os trabalhos de Xadalu são “um grito de ‘nós estamos aqui ainda, apesar de tudo, e temos muitas histórias para contar’”. Curador-chefe do MAM-SP, Alves ressalta a forma como o artista transforma a cultura oral indígena em imagens. “O Xadalu capta esse imaginário transmitido pela fala e faz uma versão muito autoral, mas de uma autoria compartilhada, já que os guaranis participam do processo”, aponta o curador, fazendo referência às trocas constantes do artista com indígenas durante a produção dos trabalhos.

Xadalu. Foto: Denison Fagundes

Ao comentar o conjunto da exposição, Xadalu conta que a ideia é narrar a criação do universo até os dias de hoje, segundo a cosmogonia guarani: “desde rituais até coisas importantes do primeiro mundo e da construção do segundo mundo, em que estamos vivendo agora”.

A criação do primeiro mundo ganha evidência na instalação Apyká (2019) – nome de um assento divino, em forma de onça, sobre o qual Papá Tenondé, filho do deus supremo, surge para construir o mundo. O apyká está posicionado sobre um globo azul que reúne representações de territórios indígenas.

“Apyka” (2019), de Xadalu. Foto: Tiago Bertolini de Castro

Em Mymbi Roka (2022), Xadalu apresenta o pátio sagrado onde coqueiros sustentam o universo, zelados por duas queixadas (também conhecidas como koxis). Esses animais são os únicos que conseguem alcançar a dimensão onde a lua e o sol descansam simultaneamente.

“Mymbi Roka” (2022), de Xadalu. Foto: Cortesia do artista

A pintura Yvy Tenondé (2022) apresenta os primeiros habitantes, em pé sobre o dorso de jacarés, indo em direção ao primeiro mundo – cujo nome intitula o trabalho. O catálogo da mostra informa que, segundo a cosmogonia guarani, se os jacarés suspeitassem de maus espíritos, as pessoas eram devoradas.

“Yvy Tenondé” (2022), de Xadalu. Foto: Xadalu

Para o curador da mostra, as histórias contadas por meio de imagens na produção de Xadalu “revelam a complexidade do imaginário guarani e toda a riqueza dessa civilização que faz séculos está sendo ameaçada e dizimada”. “É bastante relevante o gesto de Xadalu, antes que essas histórias se apaguem, de pintar versões delas”, completa Alves.

Existe uma cidade sobre nós

A leitura de Xadalu para o segundo mundo da cosmogonia guarani traz à tona o espaço urbano de Porto Alegre. Em Nheru Nhe ’Ry (2021), o artista se apropria da imagem de rostos indígenas esculpidos nas bases da Catedral Metropolitana da capital gaúcha e inclui uma inscrição em guarani que significa “Existe uma cidade sobre nós”. “Aquilo é um insulto. As pessoas estão esmagadas, sustentando a catedral de Porto Alegre. É um reflexo do que a gente vê hoje e sempre viu”, diz Xadalu.

“Nheru Nhe ’Ry” (2021), de Xadalu. Foto: Fábio Alt

“A cabeça dourada foi um tesouro perdido ou esquecido que foi encontrado. Os olhos amarelos mostram que o espírito ainda está vivo, e o vermelho mostra que o sangue permanece vivo e escorre por dentro de cada um de nós até hoje”, descreve o artista.

No catálogo da exposição, Alves observa que “quando Xadalu demarca Porto Alegre, com seus adesivos, cartazes, pinturas ou bandeiras, como ‘área indígena’, está completamente correto do ponto de vista histórico. Todo o Brasil já foi território indígena. Mais do que a reinvindicação do direito ao território, trata-se de uma reocupação simbólica”.

“Uma espécie de reconquista que não é como a conquista colonial, que explora e destrói a terra, seja pelo garimpo, a monocultura ou a construção de cidades e monumentos, mas de modo singelo, chamando atenção para quem sempre esteve ali, sentado, resistindo, mas que foi praticamente apagado, como se os indígenas tivessem perdido sua visibilidade”, completa o curador.

“Ore Yvoty Ty” (2021), de Xadalu. Foto: Fábio Alt

Outro exemplo dessa abordagem é a obra Ore Yvoty Ty (2021), na qual o artista recria com sementes o desenho da calçada da rua dos Andradas, no Centro Histórico de Porto Alegre. “Essas sementes são plantadas por mulheres e depois retiradas da terra. Uma parte é usada no artesanato e outra para benzer e proteger as pessoas”, conta Xadalu, chamando a atenção para o colar de sementes que leva no peito. Ao ressignificar um elemento icônico de uma cidade brasileira – construída sobre as “áreas indígenas” demarcadas pelo artista –, as sementes sagradas do jardim de Xadalu atuam de modo semelhante aos adesivos que ele espalha pela cidade. Segundo o artista, “tudo que elas tocam vira guarani”.

Detalhe de “Ore Yvoty Ty” (2021), de Xadalu. Foto: Fábio Alt

Xadalu participa da websérie Misturados, com direção de Luiz Alberto Cassol, Ricardo Almeida e Richard Serraria, que será exibida no dia 14/5, às 16h30, no auditório da Fundação Iberê, com participação de Xadalu, Caue Alves e dos diretores do projeto:

Antes que Se Apague: Territórios Flutuantes, de Xadalu Tupã Jekupé
Quando:
de 14 de maio a 31 de julho de 2022 – visita guiada no dia 14/5, às 14h30, com a presença de Xadalu e do curador, Caue Alves
Onde: Fundação Iberê (Avenida Padre Cacique, 2000 – Porto Alegre/RS)
Visitação: de quinta a domingo, das 14h às 18h (última entrada)
Ingressos: às quintas-feiras, entrada gratuita; de sexta a domingo, entradas à venda no Sympla

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
;
PUBLICIDADE