Artigos, Música

Arthur de Faria rege o coro dos descontentes

Change Size Text
Arthur de Faria rege o coro dos descontentes Arthur de Faria. Foto: Naihara Moraes/Divulgação

Em 2004, capitaneado pelo diretor teatral Luciano Alabarse e pela professora Kathrin Rosenfeld, austríaca radicada em Porto Alegre, um grupo de 40 pessoas – entre atores, bailarinos, cantores e equipe técnica – embarcou em uma profunda imersão no mundo grego clássico de 25 séculos atrás de Sófocles e sua Antígona. Um dos processos mais complexos de criação dessa montagem gaúcha da tragédia da princesa tebana que luta para enterrar o irmão morto – que lotou o Theatro São Pedro em sua temporada – foi musicar os coros do original, traduzidos direto do grego por Lawrence Pereira.

Com foco no texto e preocupado em não alterar sua métrica ou seus acentos, o compositor Arthur de Faria criou uma música basicamente atonal, por vezes tonal, outras politonal ou modal, distorcida, lírica e misteriosa. Levar uma construção textual e musical tão intrincada ao palco exigiu um trabalho intenso de meses de ensaio do coro com o músico Marcelo Delacroix.

Capa do disco. Foto: ybmusic/Divulgação

A base instrumental, por sua vez, foge do convencional da música de câmara. Arthur de Faria evitou o caminho da especulação sobre o que seria a música na Grécia da época de Sófocles. A trilha sonora utiliza instrumentos do nosso tempo, boa parte deles associados à música popular: percussão, saxes soprano e barítono, guitarra processada com uma infinidade de pedais, sitar indiano e viola, também processados. Arthur tocou baixo elétrico em uma faixa.

Ouça Hino ao Homem Assombroso

Essa trilha sonora de Antígona nunca foi lançada “oficialmente”. Foi prensado um CD, vendido somente nas apresentações da peça e em shows, mas nunca foi para nenhuma loja, plataforma ou teve qualquer espécie de divulgação de imprensa. Agora, finalmente, o trabalho está disponível nas plataformas todas, graças à gravadora ybmusic.

Arthur de Faria é compositor, arranjador, cantor, pianista, produtor de discos, pesquisador e doutorando em literatura brasileira na UFRGS com tese sobre Lupicínio Rodrigues. Produziu 30 discos, participou de outros 50, lançou 17 álbuns e EPs, escreveu 60 trilhas para cinema e teatro, arranjou para duas dezenas de artistas – de Fernanda Takai a Siba –, e teve peças suas interpretadas por orquestras como a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Escreveu nove publicações, entre elas o livro Elis – Uma Biografia Musical.

Ouça Párodos

Na entrevista a seguir, Arthur de Faria relembra o processo de criação e gravação de Antígona, comenta a respeito de vários dos seus muitos projetos e revela os desafios que ainda almeja enfrentar: “São as duas únicas coisas que eu sonhei escrever toda a vida e ainda não escrevi: um balé e uma ópera/musical do mal. Não morro sem fazer”.

Como foi o processo de criação da música de Antígona? Você contou com a colaboração do diretor Luciano Alabarse e do tradutor do texto grego Lawrence Pereira? 

Tive total liberdade do Luciano, pra fazer como eu quisesse. Peguei o tradução do Lawrence e decidi que não mudaria uma única sílaba. É um puta desafio, e eu adoro puta desafios. Quem mandou em tudo foi o texto, o tempo todo. Ele trazia a melodia. E, em alguns trechos em que eu achava que a melodia falada era insuperável, que aquilo não ficaria melhor cantado, deixei falado mesmo.

A partitura não busca recriar ou citar a possível música grega de 2,5 mil anos atrás, época em que foi escrita a tragédia. Explique essa opção estética, por favor. 

Não se sabe, não tem como saber exatamente como era essa música. O que existem são suposições. Então, ignorei completamente qualquer pastiche possível feito 25 séculos depois, no Novo Mundo. A montagem tampouco queria de alguma forma ter um clima “de época”. Tudo era muito estilizado. Isso me deixou livre pra ouvir tudo o que o texto dos coros ia me sugerindo. Tudo que apareceu, eu abracei, sem medo de ser feliz. 

A trilha sonora vai da atonalidade à politonalidade, do lírico ao distorcido, utilizando instrumentos como saxofones, percussões e guitarras. O resultado sonoro lembra uma ópera eletroacústica com ecos de Jocy de Oliveira, Frank Zappa, Stravinsky e Arrigo Barnabé. Quais foram suas referências musicais nesse trabalho? 

Acertou tudo, ehehhehe. Só faltou o Pierrot Lunaire do Schönberg, Black Sabbath e o System of a Dawn – que era a minha paixão daquele momento. Não acho que musicalmente tenha relação direta com as coisas de câmara do Stravinsky, como o Ragtime ou A História do Soldado, mas o clima, sim. Jocy eu fui conhecer melhor depois – esse trabalho tem mais de 15 anos –, e realmente tem a ver. O Zappa erudito, que é o menos conhecido, dos discos sinfônicos ou com o Ensemble Modern, certamente. Agora, especificamente com o Arrigo tem duas historinhas. A primeira é que eu não acho que Antígona tenha a ver com os discos clássicos do Arrigo. (Ok, tem o trechinho repetido “Palavras Imortais! Tebanas Ruas!”, que é 100% Arrigo.) Mas daí, quando fui ouvir as missas que o Barnabé escreveu, e fui ouvi-las DEPOIS de ter feito a Antígona, me caiu o cu da bunda. Tinha MUITO a ver. Mas talvez, nesse caso, porque a gente venha dos mesmos lugares, dos mesmos Stravinsky, Bartók, Schönberg… A outra historinha é que o Arrigo conhece alguns discos meus, mas o trabalho do qual ele volta e meia fala é justamente… essa Antígona

Quais foram as maiores dificuldades enfrentadas para musicar o texto de Antígona?

Nussasinhora, como diria um mineiro. Muitas. Ler e reler e reler em voz alta até entender o sentido não só de métrica e a melodia intrínseca de cada coro, como o sentido mesmo, o que queriam dizer aqueles versos. A tradução do Lawrence é muitíssimo erudita, e a gente estudou por meses com a Kathrin Rosenfield pra decifrar cada significado da peça toda. Depois veio a parte da realização. Sempre que eu escrevo música pra teatro eu chamo ou o Marcelo Delacroix ou a Simone Rasslan pra trabalharem com os atores/cantores. É bom porque daí todo mundo pode me xingar bastante, pelas costas. O nível de dificuldade ali é muito, mas muito alto. Tanto na parte instrumental – principalmente as guitarras, a cargo do Marcelo Corsetti e do Angelo Primon – quanto na parte das vozes. Foram meses de trabalho, e depois muito trabalho no estúdio. Nada ali era fácil, ainda que a gente tivesse um time espetacular de cantorxs. O Marcelo fez um trabalho magnífico. E nunca vou esquecer da declaração do Angelo, suando, depois de gravar perfeitamente um take de um trecho nada fácil: “Olha, Art, acabo de passar pelos quatro compassos mais difíceis da minha vida. Ehehehehehe”.

Foto: André Feltes/Divulgação

Você tem um extenso currículo de composições musicais para espetáculos de teatro e dança, filmes e produções televisivas. A experiência com Antígona não o instigou a criar uma obra própria de estilo mais operístico? 

Muito. A Antígona, do Luciano Alabarse, e A Tragédia Latino-Americana, do Felipe Hirsch, são dois trabalhos que ficaram muito próximos do meu sonho dourado de escrever alguma coisa híbrida entre a ópera e o que eu chamo de “Musical do Mal”. São as duas únicas coisas que eu sonhei escrever toda a vida e ainda não escrevi: um balé e uma ópera/musical do mal. Não morro sem fazer. Uma coisa me encantaria muito: as cartas que Miss Jemima Kindersley escreveu para uma amiga, inglesa como ela, no século 18. São os primeiros documentos escritos por uma mulher sobre o Brasil. Eu musiquei algumas delas para o espetáculo Selvageria, também do Felipe Hirsch. Umas 15 páginas de texto em prosa de uma lucidez assustadora sobre o que já era, o que sempre foi este país. Queria musicar todas e montar.

Quais são seus próximos projetos? 

Jisuis. Tantos. Estamos, meu fiel escudeiro Gustavo Breier e eu, finalizando o disco inacabado que o Arhur de Faria & Seu Conjunto deixou pra trás quando encerrou atividades, em 2015. Lançamos uma faixa este ano, Lousa Nua, parceria minha com o Nelson Coelho de Castro, com participação do Erick Endres no baixo e do cantautor português João Rui na voz. Tá nas plataformas. Daqui a um mês sai a segunda faixa, El Fakir, parceria com o argentino Acho Estol, do La Chicana, novamente com o Erick no baixo e o próprio Acho tocando um violino árabe e um alaúde chinês. O Seu Conjunto – Julio Rizzo no trombone, Adolfo Almeida Jr. no fagote, Marcão Acosta na guitarra, Jorge Matte na bateria – deve lançar umas 10 músicas, aos poucos (gravamos 14). 

Também tá em fase de mixagem o álbum de estreia da Tum Toin Foin, gravado na Audio Porto ano passado e que vai sair pelo selo deles. É a minha banda atual, minha orquestra de sonho, e a gente recentemente ouviu as gravações pela primeira vez – atropelados que fomos todos por este apocalipse – e ficamos todos muito orgulhosos uns dos outros. 

Por fim, eu, confinado, me obriguei a finalmente ter um bom microfone e programas de gravação no computador para poder gravar em casa. Com isso, vou fazer uma coisa que me pedem há tempos: um disco só de piano e vozes. Tenho a sorte imensa de ter em casa uma atriz que canta muito melhor que eu, a Áurea Baptista – que tá no disco da Antígona, inclusive –, que vai cantar várias. Eu vou cantar outras e algumas parceiras talvez gravem em suas casas. Tô escolhendo o repertório, mas a regra é só músicas que eu nunca gravei. Tem umas 10 que eu fiz agora na pandemia e mais umas tantas de diversas épocas.

No mais, escrevendo meu doutorado em Literatura Brasileira pela UFRGS, que é uma biografia do Lupicínio, bem focada na música e com muito de Porto Alegre e do Brasil no entorno.

E os textos que eu tenho finalizado para a Parêntese, com edição do Fischer, que é também meu orientador de doutorado, vão virar livro. FINALMENTE vou lançar o primeiro volume da minha história da música de Porto Alegre. Vai do começo da cidade até a Era do Rádio. Vai sair pela Arquipélago, que já lançou o meu Elis – Uma Biografia Musical, e que é parte dessa mesma série que eu pretendo que fale da música da cidade até o ano 2000.

No mais vamo indo, né? Trancadaço em casa, esperando a vacina e lendo muito sobre história deste país que a gente fingia que não via que sempre foi assim, foi feito para ser assim, só deixa de ser assim em momentos de distração.

RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.