Artigos

Guerra Fria separando pais e filhos em Cuba

Change Size Text
Guerra Fria separando pais e filhos em Cuba
Durante a década de 1960, em plena Guerra Fria, o governo de Fidel Castro em Cuba passou a se aproximar da União Soviética e do bloco de países socialistas da época à medida que os Estados Unidos passavam a se afastar cada vez mais do novo regime na ilha caribenha. Esse período, que se seguia à Revolução Cubana de 1959, era de turbulência e incertezas. Nesse panorama político pós-revolucionário, o então novo governo se firmava, muitas vezes por meio da força, enquanto também era combatido por grupos contrarrevolucionários de forma violenta. O terreno era fértil para disseminação de rumores, como o de que famílias perderiam o pátrio poder dos filhos e de que crianças e jovens seriam tutelados pelo estado. Nasce aí a chamada “Operação Pedro Pan” (ou “Operation Peter Pan”), nome do documentário inédito que será exibido pelo canal Curta! nesta sexta-feira (17/7), às 22h, na sessão Sexta na Sociedade. Dirigido por Kenya Zanatta e Mauricio Dias, o filme tem argumento e consultoria do jornalista e escritor Fernando Morais, grande conhecedor de Cuba e de sua história recente e autor de Os Últimos Soldados da Guerra Fria – livro que deu origem a Wasp Network: Rede de Intrigas, filme sobre operações contrarrevolucionárias de cubanos recentemente disponibilizado pelo Netflix, dirigido pelo francês Olivier Assayas e com um estrelado elenco multinacional que inclui o brasileiro Wagner Moura, a espanhola Penélope Cruz, a cubana Ana de Armas, o mexicano Gael García Bernal, o venezuelano Edgar Ramírez e o argentino Leonardo Sbaraglia. A Operação Pedro Pan, orquestrada clandestinamente por forças anticastristas com forte apoio dos Estados Unidos e da Igreja Católica, levou mais de 14 mil crianças e adolescentes cubanos a embarcarem em um voo sem volta para os EUA, enviados por suas próprias famílias. “A Operação Pedro Pan era parte de um processo maior de migração de Cuba. O processo era assim: o governo dos Estados Unidos dava autorização para que várias agências pudessem conceder isenção de visto. Ou seja, isso significa que crianças que saíssem de Cuba não precisariam de visto. Poderiam entrar num avião e ir para os Estados Unidos”, revela um dos vários depoentes do filme. Ao chegar nos Estados Unidos, as crianças e jovens eram recebidos pela Igreja Católica de Miami. O que teve a intenção de proteger crianças e jovens de uma suposta ameaça acabou por promover uma longa e dolorosa separação nessas famílias. No documentário, muitos cubanos enviados aos EUA quando crianças ou adolescentes descrevem o impacto dessa ação em suas vidas. Operação Pedro Pan também entrevista especialistas norte-americanos e cubanos e apresenta imagens de arquivo que, aliadas aos depoimentos, explicam o contexto histórico da época. Operação Pedro Pan lança luz sobre um episódio ainda pouco conhecido da história ocidental contemporânea e é mais um registro sobre como as guerras e conflitos de poder sempre cobram o condenável sacrifício de inocentes e daqueles que não podem se defender – no caso, uma legião de jovens separados dos pais, amigos e de sua terra contra a vontade.   Operação Pedro Pan: * * *    COTAÇÕES * * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * […]

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS