Artigos, Cinema

A guerra mata todas as ilusões

Change Size Text
A guerra mata todas as ilusões Petra Belas Artes à la Carte/Divulgação

Um dos mais eloquentes libelos antibelicistas da história do cinema, o clássico A Grande Ilusão (1937) acaba de entrar no catálogo da plataforma de streaming Petra Belas Artes à la Carte. Dirigido pelo mestre Jean Renoir, o filme reúne alguns dos principais nomes das telas francesas da época: Jean Gabin, Pierre Fresnay, Jean Dasté, Marcel Dalio e Julien Carette. O elenco ainda inclui a alemã Dita Parlo – estrela do clássico O Atalante (1934), de Jean Vigo – e o grande ator e diretor austríaco Erich von Stroheim.

A trama de A Grande Ilusão se passa durante o auge da I Guerra Mundial: o piloto alemão e capitão Von Rauffenstein (Von Stroheim) derruba o avião do aristocrático piloto francês e capitão De Boeldieu (Fresnay) e seu copiloto, o mecânico civil da classe trabalhadora e tenente Maréchal (Gabin), durante um voo de reconhecimento. No campo alemão para oficiais prisioneiros de guerra de Hallbach, os franceses fazem amizade com compatriotas como um rico ex-banqueiro judeu, o tenente Rosenthal (Dalio) e o fanfarrão Cartier (Carette), que estão cavando um túnel escondido.

No entanto, o destino tem outros planos guardados para os prisioneiros: pouco antes da fuga, eles são transferidos de trem para a inexpugnável prisão-fortaleza Wintersborn, na Alsácia, supervisionada pelo próprio Von Rauffenstein. Cada vez mais, o respeito e o apreço mútuos aproximam os oficiais aristocratas Von Rauffenstein e De Boeldieu. A dura realidade da guerra, porém, vai contrapor as diferenças políticas e nacionais à camaradagem nascida entre os soldados de exércitos inimigos.

Petra Belas Artes à la Carte/Divulgação

Às vésperas da eclosão da II Guerra Mundial, A Grande Ilusão faz alusão em seu título tanto à crença no começo do século 20 de que uma nova longa guerra na Europa não iria mais acontecer por ser ilógica quanto ao nome como os franceses chamaram a I Guerra logo depois de acabada, “Guerra das Guerras”, como se ela tivesse sido o derradeiro conflito no continente. Na Alemanha nazista, o filme foi banido e suas cópias destruídas – Joseph Goebbels, ministro alemão da Propaganda, declarou o diretor Jean Renoir como “inimigo público cinematográfico número um”.

O envolvimento de Jean Renoir e Erich von Stroheim em A Grande Ilusão parece emular o relacionamento entre De Boeldieu e Von Rauffenstein. Uma grande mudança no roteiro aconteceu depois que Von Stroheim foi escalado: existem várias histórias sobre qual papel lhe foi originalmente oferecido, mas foi o próprio artista austríaco que sugeriu que interpretar tanto o ás da aviação gentil e aristocrático que primeiro recebe Maréchal e De Boeldieu como prisioneiros quanto o comandante da prisão da fortaleza onde os franceses vão parar depois. Renoir seguiu a ideia de Von Stroheim e combinou os dois papéis em apenas um – o resultado foi um adensamento dramático na história: o personagem esquemático do roteiro original transformou-se em uma peça fundamental para desenvolver no filme temas como diferenças de classe, laços que ultrapassam as fronteiras e a morte da velha aristocracia.

Petra Belas Artes à la Carte/Divulgação

No entanto, Erich von Stroheim entrou em confronto com Jean Renoir nos primeiros dias das filmagens e o francês disse mais tarde que o ator “se comportou de maneira intolerável”. Ambos tiveram uma discussão sobre se deveria ou não haver prostitutas nos quarteis alemães – um detalhe que Von Stroheim achava que daria mais autenticidade, mas que Renoir rejeitou como um clichê infantil.

A disputa afligiu tanto Renoir que ele começou a chorar, o que levou Von Stroheim a fazer o mesmo. Eles caíram nos braços um do outro, e Renoir disse que, em vez de brigar com um artista que tanto admirava, ele desistiria de dirigir o filme.

Von Stroheim prometeu então daquele ponto em diante seguir as instruções de Renoir ao pé da letra – e manteve sua palavra. Relembrando a produção de A Grande Ilusão, o orgulhoso ator disse: “Nunca encontrei um diretor e amigo mais simpático, compreensivo e artístico do que Jean Renoir”. Pelo menos atrás das câmeras a paz derrotou a guerra.

Petra Belas Artes à la Carte/Divulgação

A Grande Ilusão: * * * * * 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de A Grande Ilusão:

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito