Artigos, Cinema

Cantando elas mandam a tristeza embora

Change Size Text
Cantando elas mandam a tristeza embora Califórnia Filmes/Divulgação

O filme britânico Unidas pela Esperança (2019) chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (14 /1). Estrelado por Kristin Scott Thomas e Sharon Horgan, o longa de Peter Cattaneo – diretor das comédias Ou Tudo ou Nada (1997) e O Roqueiro (2008) – ficcionaliza a história real de um grupo de esposas de militares britânicos que criou um pioneiro coral feminino, a fim de ocuparem o tempo enquanto seus maridos serviam no exterior.

Em Unidas pela Esperança, a rotina de uma base militar inglesa é alterada quando boa parte dos soldados e oficiais é convocada para o fronte no Afeganistão. Diante das ausências de maridos, namorados e familiares, as mulheres buscam atividades para ocupar o tempo na vila militar onde todas moram – e, principalmente, evitar de pensar no que estão passando os combatentes longe de casa.

A sugestão de formarem um coral coloca lado a lado duas personagens de personalidades opostas: a metódica e austera Kate – interpretada por Kristin Scott Thomas, estrela de filmes como Quatro Casamentos e um Funeral (1994) e O Paciente Inglês (1996) – e a espontânea e descompromissada Lisa (Sharon Horgan). Juntas – mas, na maioria do tempo, uma em choque com a outra –, assumem a missão de preparar o grupo de cantoras amadoras para uma apresentação especial no prestigioso Royal Albert Hall, em Londres, com transmissão pela televisão.

Califórnia Filmes/Divulgação

O episódio em que se baseia Military Wives – título original do filme – aconteceu há 10 anos, quando foi formado o primeiro coral de esposas de militares britânicos na base do exército em Catterick, em North Yorkshire, na Inglaterra. A história inspirou ainda uma popular série de televisão da BBC chamada The Choir: Military Wives, que documentou a criação do segundo coro do gênero, em 2011. Atualmente, 75 corais reúnem mais de 2,3 mil mulheres de militares em todo o Reino Unido e em suas bases militares no exterior.

O diretor Peter Cattaneo revela que chegou ao projeto sem saber quase nada sobre as vidas das famílias dos militares em serviço: “Fiquei empolgado com um conceito que me permitia explorar um modo de vida que raramente foi visto na tela grande, além de fazer um filme com música e canto em sua essência”. Na criação do enredo, a roteirista Rachel Tunnard encontrou-se e conviveu com um grupo de esposas para obter detalhes e histórias sobre o mundo delas – e muitas pediram para fazer parte do filme como figurantes, como relembra o realizador: “Temos uma cena em que todos os soldados estão indo para a guerra, na qual nós usamos o maior número possível delas”.

Unidas pela Esperança segue a cartilha da comédia britânica agridoce moderna, que garantiu a partir de meados dos anos 1990 o sucesso popular de títulos como Quatro Casamentos e um Funeral, A Fortuna de Ned (1998), Um Lugar Chamado Notting Hill (1999) e Ou Tudo ou Nada – filme que valeu a Cattaneo uma indicação ao Oscar em 1998. Aliás, o cineasta requenta de certo modo em sua nova comédia dramática justamente a fórmula exitosa de The Full Monty, em que seis metalúrgicos ingleses desempregados resolvem levantar algum dinheiro formando um inusitado grupo de strippers masculinos – tanto em um quanto no outro filme, a união por acaso de figuras diferentes entre si e tão pouco talhadas para a função que encaram tem por objetivo provocar no público risos e lágrimas, ao embalo de uma irresistível trilha sonora nostálgica.

Unidas pela Esperança não se destaca pela originalidade, mas também passa ao largo do aborrecimento. Leve e divertido, ainda que previsível, o filme flui sem sobressaltos ao som de hits do pop britânico dos anos 1980, como Don’t You Want Me, da banda Human League, e Shout, do grupo Tears for Fears. Mas é o talento dramático e o carisma sempre luminoso de Kristin Scott Thomas o que imprime alguma densidade em cena: no papel da esposa mandona do coronel, que vive se autocontendo e não consegue lidar com o luto pela morte do filho também militar, a atriz cria uma personagem interessante e complexa – e muito maior do que o próprio filme.

Califórnia Filmes/Divulgação

Unidas pela Esperança: * * * 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Unidas pela Esperança:

RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.