Artigos, Cinema

Mergulhando na adolescência líquida

Change Size Text
Mergulhando na adolescência líquida Foto: Tuane Eggers, Ausgang/Divulgação

Escrito e dirigido por Emiliano Cunha, o filme Raia 4 (2019) estreia nas plataformas digitais a partir desta quinta-feira (20/5), disponível no NOW, Google Play, Apple Tv, iTunes e YouTube Filmes. A produção levou três prêmios no Festival de Cinema de Gramado: Melhor Filme pelo Júri da Crítica, Melhor Fotografia (assinada por Edu Rabin) e Melhor Longa Gaúcho.

Ambientado no universo da natação competitiva, Raia 4 será lançado dois meses antes do início da Olimpíada de Tóquio. O diretor Emiliano Cunha faz uma comparação bem livre entre os jogos olímpicos e o cinema: “Tanto na competição quanto no cinema, o momento mágico é aquele do presente, quando um filme está sendo rodado, ou um atleta está desempenhando seu esporte. Existe um momento grande de preparação, mas aquele tempo em que as coisas acontecem é o que aproxima o atleta do cineasta”.

Situado em Porto Alegre, o filme apresenta duas personagens centrais: as adolescentes Amanda e Priscila, interpretadas pelas estreantes Brídia Moni e Kethelen Guadagnini, selecionadas em um casting que incluiu mais de cem jovens atletas. “Sabia, desde o início do projeto, que queria trabalhar com nadadores de verdade. Seria muito difícil transformar uma atriz-mirim em uma nadadora com toda a performance física que a natação competitiva exige, pois não é uma questão de atuação, mas de comportamento e fisicalidade que é quase impossível emular”, explica o realizador. 

Foto: Tuane Eggers, Ausgang/Divulgação

Na história, Amanda é uma jovem ingênua e tímida, que vive com os pais (Fernanda Chicolet e Rafael Sieg), ambos médicos, e é cheia de inseguranças e dúvidas. É na piscina que ela encontra um ambiente onde pode ser mais livre.

Já Priscila é uma colega da equipe de natação, muito mais madura, de quem Amanda acaba se aproximando. O longa ainda inclui no elenco José Henrique Ligabue como o treinador da equipe de natação. 

Antes de atuar, as duas jovens atrizes faziam parte da mesma equipe de nado e já eram amigas – por isso, explica Cunha, foi necessário desenvolver um aparente antagonismo entre elas. “Eu bato na tecla do ‘aparente antagonismo’, pois creio que a relação entre as personagens, no filme, ultrapassa essa dialética. E, a princípio, estava disposto a trabalhar mais com situações e provocar improvisações. Mas realmente elas se mostraram aptas a encarar o mundo da atuação, e conseguimos unir as duas coisas.”

Foto: Tuane Eggers, Ausgang/Divulgação

O filme já foi exibido nos festivais do Panamá, Cartagena das Índias (Colômbia), Uruguai e na mostra competitiva do 22º Festival de Shanghai, além de participar da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e do Festival do Rio.

Formado em cinema e mestre em comunicação, Emiliano Cunha é professor de audiovisual, produtor, roteirista, diretor e sócio na produtora Ausgang. Dirigiu os premiados curtas O Cão (2011), Lobos (2012), Tomou Café e Esperou (2013), Sob Águas Claras e Inocentes (2016) e Endotermia (2018), além das séries Horizonte B (2015) e A Bênção (2020). Raia 4 é seu primeiro longa-metragem. 

Foto: Tuane Eggers, Ausgang/Divulgação

Raia 4: * * * 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Raia 4:

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!