Artigos | Cinema

Os amores se encontram em “Paris, 13º Distrito”

Change Size Text
Os amores se encontram em “Paris, 13º Distrito” California Filmes/Divulgação

Sucesso no Festival Varilux de Cinema Francês de 2021 e ganhador do prêmio de melhor trilha sonora no Festival de Cannes, o filme Paris, 13º Distrito (2021) estreia no Brasil nesta quinta-feira (26/5). A comédia romântica gira em torno dos afetos de um grupo de jovens adultos que se apaixonam tendo como pano de fundo os cenários da capital francesa.

“No começo, havia a coletânea de três HQs de Adrian Tomine [cartunista americano] e também Minha Noite com Ela [filme de 1969 do cineasta francês Éric Rohmer], e, sem que eu soubesse, eu tinha o desejo de fazer um filme sobre o amor ou, mais precisamente, quando e como se falar sobre o amor nos dias de hoje”, comenta o diretor e roteirista Jacques Audiard, realizador de ótimos títulos como O Profeta (2009), Ferrugem e Osso (2012) e Dheepan: O Refúgio (2015), a respeito da gênese de Paris, 13º Distrito.

California Filmes/Divulgação

Na trama, Émilie (Lucie Zhang) conhece Camille (Makita Samba), que está atraída por Nora (Noémie Merlant), cujo caminho se cruza com o de Amber (Jehnny Beth). Três garotas e um rapaz. Eles são amigos – às vezes amantes, às vezes as duas coisas. No prêmio César, o longa concorreu em cinco categorias: roteiro adaptado, trilha sonora – também premiada em Cannes –, fotografia, atriz promissora (Lucie Zhang) e ator promissor (Makita Samba).

O diretor explica que o bairro de Paris que dá título ao filme é bastante exótico, original e efervescente, com uma mistura de diversas culturas. Lá é onde vivem os personagens cujos caminhos se cruzam.

California Filmes/Divulgação

“As experiências pelas quais passam abrem os seus olhos e mostram quem realmente são, o que realmente querem e quem são de verdade.”, explica Audiard. Rodado em preto e branco, com fotografia assinada por Paul Guilhaume, o filme inclui um momento chave em cores. “Já filmei muitas vezes em Paris e acho que não é uma cidade fácil de ser filmada, não há muitas perspectivas, muitas linhas… Aqui, o preto e branco oferece algo que é mais gráfico, que transforma as expectativas a respeito de Paris. Mostramos uma cidade europeia como se fosse uma metrópole asiática”, compara o diretor.

Noémie Merlant, de Retrato de uma Jovem em Chamas (2019), interpreta uma jovem do interior que se muda para Paris para estudar, destaca a atemporalidade de Paris, 13º Distrito: “É atual e moderno, na maneira como conta sua história sobre o desejo, o sexo e como as coisas se dão hoje em dia, primeiro passa a noite juntos para depois se conhecer melhor, mas também há algo de atemporal na solidão, que é poderosa e profunda”.

California Filmes/Divulgação

Paris, 13º Distrito: * * * * 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Paris, 13º Distrito:

PUBLICIDADE