Artigos | Cinema

Panahi reflete sobre vida, amor e cinema em “Sem Ursos”

Change Size Text
Panahi reflete sobre vida, amor e cinema em “Sem Ursos” Imovision/Divulgação

Mais importante cineasta iraniano da atualidade, Jafar Panahi está proibido desde 2010 pelo governo de filmar e de deixar o país depois que afrontou os líderes políticos e religiosos. Prêmio Especial do Júri no Festival de Veneza de 2022, Sem Ursos (2022) é mais um longa em que o diretor e roteirista rodou na clandestinidade.

Interpretando a si mesmo, Panahi aparece isolado em um vilarejo do interior do Irã e, mesmo com uma internet precária, dirige a história de um casal que tenta imigrar ilegalmente para a Europa. Ao mesmo tempo, ele se vê em meio a uma discussão da comunidade sobre um casamento arranjado entre dois jovens.

Publicidade

Imovision/Divulgação

As duas histórias de amor distintas de Sem Ursos são contadas paralelamente. Em ambas as tramas, acompanha-se a frustração dos parceiros, causada por diversos obstáculos ocultos e, por vezes, até mesmo inevitáveis. A narrativa ainda apresenta a força das crenças supersticiosas e as mecânicas de poder em um relacionamento

Sem Ursos foi exibido também no Festival de Toronto. Como seu mestre Abbas Kiarostami (1940 – 2016) fez em muitos de seus filmes antológicos, Panahi lança mão da metalinguagem e confronta as percepções de mundo e temporalidades distintas das culturas urbana e camponesa do Irã para fazer um retrato social do país e discutir sua própria situação enquanto artista e cidadão dissidente.

Imovision/Divulgação

Sem Ursos: * * * *

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Sem Ursos:

PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?