Artigos | Cinema

Paul Schrader cultiva a redenção em “Jardim dos Desejos”

Change Size Text
Paul Schrader cultiva a redenção em “Jardim dos Desejos” Pandora Filmes/Divulgação

Nome fundamental no movimento que ficou conhecido como Nova Hollywood por conta dos roteiros de filmes como Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980), clássicos dirigidos por Martin Scorsese, o roteirista Paul Schrader também construiu uma trajetória influente como realizador, sendo o responsável por títulos antológicos como Gigolô Americano (1980), A Marca da Pantera (1982) e Mishima: Uma Vida em Quatro Tempos (1985). Em fase revigorada em sua carreira, o diretor está de volta aos cinemas brasileiros com o drama de suspense Jardim dos Desejos (2022).

No filme, Narvel Roth (Joel Edgerton) é o meticuloso horticultor dos Jardins Gracewood. Ele é tão dedicado no cuidado dos terrenos da bela e histórica propriedade quanto em agradar sua empregadora, a rica viúva Norma Haverhill (Sigourney Weaver).

Publicidade

A rotina espartana de Narvel é abalada quando Norma exige que ele aceite sua problemática e conturbada sobrinha-neta Maya (Quintessa Swindell) como nova aprendiz. O encontro com a jovem vai despertar no ascético jardineiro tanto o desejo quanto os segredos sombrios de um passado violento que julgava ter enterrado definitivamente.

Pandora Filmes/Divulgação

Jardim dos Desejos teve a sua première mundial no 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza. Embora inicialmente não tenha pensado em conceber uma trilogia, Schrader fecha com esse título um ciclo iniciado em 2017 com Fé Corrompida – indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Original e vencedor do Independent Spirit Award de Melhor Ator para Ethan Hawke – e continuado com O Contador de Cartas, de 2021. Assim como os protagonistas dessas obras anteriores, Jardim dos Desejos é centrado de novo em um “homem em um quarto”, acompanhando uma figura solitária que luta com o passado e se esconde atrás do trabalho diário, esperando vagamente por alguma forma de redenção.

Se Fé Corrompida abordou o catolicismo e as crises ambientais e O Contador de Cartas exibiu os truques por trás daqueles que vivem de apostas, Jardim dos Desejos se embrenha pelo mundo da jardinagem com o propósito de estabelecer metáforas sobre os Estados Unidos de hoje.

“A jardinagem é uma metáfora particularmente rica, tanto positiva quanto negativamente. Comecei a perguntar a razão desse jardineiro ser tão recluso. A partir daí, pensei no Programa de Proteção a Testemunhas, e novamente você se pergunta: ‘Por que ele está no programa?’. Isso evoluiu para a ideia de que ele era um matador de aluguel”, explica Schrader sobre a construção criativa da trama.

O filme marca a primeira colaboração do cineasta com o ator australiano Joel Edgerton. Schrader disse que “queria alguém que tivesse um pouco do Robert Mitchum nele, alguém com quem você não gostaria de brigar em um bar. Eu queria aquela aparência física americana dos anos 1950, e Joel já fez isso antes em Guerreiro, de 2011″.

A passagem de Jardim dos Desejos pelo Festival de Veneza em 2022 também marcou a entrega para Paul Schrader de um Leão de Ouro especial por sua carreira – que completou 50 anos em 2024.

Pandora Filmes/Divulgação

Jardim dos Desejos: * * *

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de Jardim dos Desejos:

PUBLICIDADE

Esqueceu sua senha?