Artigos, Cinema

Um jogo de futebol antes do fim do mundo

Change Size Text
Um jogo de futebol antes do fim do mundo Foto: Pandora Filmes/Divulgação

O filme O Último Jogo (2021), do diretor brasileiro Roberto Studart, estreia nos cinemas de São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Salvador nesta quinta-feira (20/5). Baseado em romance do chileno Hernán Rivera Letelier, o longa marca a estreia do realizador dos documentários Pra Lá do Mundo (2012) e Mad Dogs (2016) na direção de ficção.

Em O Último Jogo, o velho embate entre brasileiros e argentinos no futebol é transportado para uma pequena cidade chamada Belezura, na fronteira entre os dois países. Para seus habitantes, perder a partida para os jogadores do vilarejo vizinho argentino, Guapa, não é uma opção.

O roteiro, escrito por Studart e Ecila Pedroso, parte do romance El Fantasista, do escritor chileno Hernán Rivera Letelier – mas o diretor conta que não se imaginou logo de cara adaptando a obra: “Achei o livro incrível, mas com uma quantidade enorme de personagens, que geralmente não apareciam em mais que duas ou três páginas. Era uma narrativa brilhante, mas não para o cinema. Quase três anos depois, acordei um dia com um pensamento: ‘E se eu transportasse o livro de Hernán para um universo fantasioso de rivalidade entre Brasil e Argentina, fazendo uma adaptação mais livre?’. Então compramos os direitos cinematográficos do livro e, aos poucos, fomos desenvolvendo a história. Eliminamos muitos personagens, fundimos outros vários e fomos para o sul do país inventar uma fronteira fictícia”.

Foto: Pandora Filmes/Divulgação

No filme, a cidade de Belezura vive da indústria moveleira, mas sua única fábrica está prestes a fechar e todos perderão o emprego. Boa parte do time de futebol trabalha lá. A partida contra os arquirrivais argentinos seria a única chance dos moradores terem uma grande alegria, mas a equipe não vai nada bem – e, se nos próximos dias não aparecer um craque, estará perdida.

A chegada de um forasteiro, conhecido como “O Fantasista” (Bruno Belarmino), muda tudo. O visitante é um craque com a bola no pé, mas ele e sua companheira (Betty Barco) precisam ser convencidos a ficarem até o dia do jogo. Para isso, os moradores inventam uma série de mentiras.

O cineasta conta que para seleção do elenco – que inclui ainda Pedro Lamin e Juliana Schalch – era preciso encontrar atores que soubessem jogar futebol. “Existe um surrealismo no humor desse filme e buscávamos algumas características muito específicas no elenco. Não foi fácil. Alguns personagens precisavam jogar bola, caso contrário, as filmagens seriam um inferno, pelo pouco tempo que tínhamos. É claro que no Brasil isso não é exatamente um problema”, conta Studart.

Foto: Pandora Filmes/Divulgação

Em O Último Jogo, as duas partidas mostradas têm um papel fundamental. “Decidi que iríamos filmar os jogos com uma intensidade parecida com a do futebol americano, algumas marras do basquete. Era uma maneira de trazermos algo diferente. Os moradores das cidadezinhas onde filmamos eram fanáticos por futebol, jogavam torneios de várzea, então os colocamos no filme. Foi realmente incrível, eles não tinham ideia de como se fazia um filme. Se doaram inteiramente. Ao mesmo tempo, tínhamos muitos minutos de jogo no roteiro. Rodar essas cenas sempre exige um número maior de ângulos, diversas repetições e muito mais tempo de preparação. Para completar, ainda aconteciam vários conflitos entre as torcidas”, relembra o diretor.

A obra traz também alguns elementos de realismo fantástico tipicamente latino-americano, fazendo parecer que os personagens vivem em um universo paralelo – ou até que Fantasista, por exemplo, tenha vindo de outro mundo com uma espécie de superpoderes para dominar a bola. Segundo Studart, sua experiência como documentarista também contribuiu na construção da narrativa: “A maior arma que o documentário me deu foi a habilidade de improvisar. E nós improvisamos o tempo inteiro em O Último Jogo. Tínhamos uma verba muito pequena e pouquíssimo tempo, e o filme não era sobre o drama de um casal em um apartamento. Eram 35 locações, duas partidas de futebol e um elenco enorme. Eu não dormia muito, não comia muito, mas o processo foi maravilhoso”.

Um dos destaques dessa comédia leve e despretensiosa é a direção de arte retrô, em que os figurinos, os cenários, carros e objetos de cena e até mesmo a paleta de cores em tons pastéis da fotografia remetem ao visual e à estética dos anos 1970 – o que imprime um interessante sabor nostálgico à narrativa. Entre o numeroso e variado elenco de apoio do filme, merecem destaque as atuações dos gaúchos Adriano Basegio e Fernanda Carvalho Leite, que interpretam um casal proprietário de um restaurante local, do ator Lúcio Tranchesi encarnando um hiperbólico locutor esportivo que narra as partidas usando metáforas médicas e, em especial, do argentino Norberto Presto como o entusiasmado e dedicado técnico do time brasileiro de Belezura.

Foto: Pandora Filmes/Divulgação

O Último Jogo: * * * 

COTAÇÕES

* * * * * ótimo     * * * * muito bom     * * * bom     * * regular     * ruim

Assista ao trailer de O Último Jogo:

RELACIONADAS

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito