Fotografia | Reportagens

O amplo olhar de Sioma Breitman no Farol Santander

Change Size Text
O amplo olhar de Sioma Breitman no Farol Santander Foto: Luciano Spinelli

O primeiro andar do Farol Santander apresenta uma retrospectiva de um dos mais importantes fotógrafos do estado no século 20. Com curadoria de Andrea Pires e Fernando Bueno, a mostra Sioma Breitman, o Retratista de Porto Alegre, produzida pela Prana Filmes, exibe cerca de 200 imagens do fotógrafo ucraniano Sioma Breitman (1903-1980), que fez carreira na capital gaúcha a partir de 1924.

Antecipando as comemorações dos 250 anos de Porto Alegre, um dos destaques da exposição são as 14 ampliações de fotografias, de até 5 x 3 metros, que ocupam a área central do Grande Hall do Farol Santander. As imagens mostram cenas da cidade captadas por Breitman entre as décadas de 1920 e 1970, incluindo fotografias da enchente de 1941.

Foto: Sioma Breitman

“Sioma foi grande, um dos maiores, senão o maior fotógrafo que já viveu no Rio Grande do Sul, estado que ele adotou como seu. Percorreu a terra gaúcha em lombo de burro, de trem, de carro. Abriu estúdios no interior e na capital, sempre à procura da melhor luz para suas fotos”, descreve Bueno em um dos textos curatoriais da mostra.

Bueno conta que ouviu falar de Breitman pela primeira vez ainda na infância, em conversas com o amigo Pedro Flores Filho – um dos filhos do fotógrafo Pedro Flores, que fora sócio de Breitman. Nos anos 1970, já trabalhando como fotógrafo, Bueno teve a oportunidade de conversar com Breitman em duas ocasiões: em um encontro da Associação dos Repórter Fotográficos e em uma exposição no MARGS.

Foto: Sioma Breitman

O curador guarda a lembrança de Breitman como uma pessoa generosa e afeita a compartilhar seus conhecimentos fotográficos. Outros aspectos da atuação de Breitman se revelariam a Bueno durante a imersão nas coleções que compõem a mostra. “Eu conhecia mais os retratos, as imagens de Porto Alegre e as fotos de casamentos. Fiquei espantadíssimo com os registros de família e viagens feitas pelo Sioma. Ele exercitava a fotografia diariamente, mesmo de férias, fotografando seus familiares e os lugares por onde passava”, afirma Bueno.

Foto: Sioma Breitman

A versatilidade do olhar de Breitman é apresentada no Farol Santander em segmentos que vão de experimentações com o meio fotográfico a retratos de personalidades como Erico Verissimo, Jorge Amado, Getúlio Vargas e Luís Carlos Prestes.

Retrado de Erico Verissimo. Foto: Sioma Breitman

Retrado de Jorge Amado. Foto: Sioma Breitman

Além das fotos familiares, de viagens e de casamentos mencionadas por Bueno, a exposição reúne fotografias de atores e atrizes que se apresentavam no Theatro São Pedro, de pessoas caminhando pela Rua da Praia e das celebrações do centenário da Revolução Farroupilha, entre outros registros – em grande parte, exibidos ao público pela primeira vez.

Foto: Sioma Breitman

Uma linha do tempo apresentada no começo da exposição conta que Sioma Breitman nasceu em Olgopol, na Ucrânia, em 1903, filho de Ida Breitman e do fotógrafo Nissin Breitman. Com a agitação política posterior à Revolução Russa (1917), a família deixa a terra natal em 1920. Em 1922, aos 19 anos, Sioma Breitman vai de trem para Hamburgo, na Alemanha, e de lá parte de navio, sozinho, para Buenos Aires, onde é recebido por um parente e começa a trabalhar em um estúdio fotográfico.

Depois de Nissin ter o visto para a Argentina negado, a família de Sioma acaba desembarcando no Rio de Janeiro, em 1923. No mesmo ano, viajam rumo ao sul e, em meio a dificuldades financeiras, fixam residência em Porto Alegre, onde reencontram Sioma.

Em 1924, Nissin e Sioma abrem o estúdio Photo Aurora. Em 1926, Sioma casa-se com Rosa Soltz, com quem tem dois filhos ainda na década de 1920: Samuel e Irineu. A partir de 1929, Sioma abre ateliês de fotografia em Cachoeira do Sul e Santa Maria, mas acaba retornando a Porto Alegre para inaugurar o estúdio Foto Sioma, na Rua da Praia, onde atuaria até 1960.

Ainda no final dos anos 1920, Breitman ganhou prestígio ao retratar Getúlio Vargas, então presidente do estado do Rio Grande do Sul. Em meio à atuação em estúdios e nas ruas, fundou em 1946, ao lado de Olavo Dutra, a Associação dos Fotógrafos Profissionais do Rio Grande do Sul. Em 1957, recebeu diploma da Federation Internationale de L’Art Photographique, com sede em Berna, na Suíça, e a partir de então, realizou exposições na Europa e em Israel.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.
 
Foto: Guilherme Lund
 
Foto: Cau Guebo
 
Foto: Pedro Mendes
 
Foto: Nilton Santolin
 
Foto: Guilherme Lund
 
Foto: Joel Vargas
 
Foto: Cau Guebo

 

Foto: Nilton Santolin
conteúdo exclusivo
Roger
Lerina.com
Quer saber como faz para curtir esse e outros eventos culturais? Então seja assinante do Matinal Jornalismo. Por menos de um ingressinho de cinema por mês, você tem acesso à agenda cultural mais completa de Porto Alegre e região aqui no site ou direto no seu email todos os dias. Além disso, assinantes do Matinal Jornalismo têm acesso a conteúdos exclusivos do site do Roger Lerina, da revista Parêntese, nossas newsletters diárias, descontos em cursos e livros e ainda muito mais. Assine e contribua para que o jornalismo feito pelo site do Roger Lerina viva e sobreviva! Viva a culutra!

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo ?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

PUBLICIDADE