Música | Notas

Arthur Nogueira e Josyara lançam versões de “Má lida” e “Aceito Tudo”

Change Size Text
Arthur Nogueira e Josyara lançam versões de “Má lida” e “Aceito Tudo” Josy. Capa. Foto: Perfexx/Divulgação

Um dos grandes ícones da black music nacional, Di Melo será homenageado em um EP batizado de Podível e Impodível que será lançando em março de 2021.

O projeto traz oito faixas, sete delas cantada por um expoente da nova cena musical contemporânea e uma faixa cantada pelo próprio homenageado e produzida por Diogo Strausz e do Tó Brandileone. E hoje, dia 26 de fevereiro, é a vez da baiana Josyara dar voz a faixa Má lida e do paraense Arthur Nogueira lançar uma nova roupagem à música Aceito tudo.

— Meu caminho na música é cada vez mais autoral, de compor e cantar minhas próprias canções. Por isso, recebo sempre como um presente o convite para revisitar a obra dos artistas que admiro — conta Arthur Nogueira acrescentando que o chamado para gravar Aceito tudo chegou no momento em que ele estava compondo para o seu próximo álbum.

A mixagem ficou a cargo do STRR, que foi parceiro de Arthur e do Leo, na produção musical do álbum , da Adriana Calcanhotto, composto e gravado no período do isolamento social, em 2020.

Já Josyara diz que o lançamento do álbum marcou muito a chegada dela em São Paulo e, por isso, quando foi convidada pelo produtor musical e também baiano Ubunto, ficou muito animada.

— A música Má-lida é densa e forte, o arranjo e a base produzida por Ubunto acentua isso. Além disso, também foi um tanto desafiador a experiência de me gravar, em home studio, já que eu e ele trabalhamos de forma remota — conta a cantora.

Cantor, compositor, pintor, escultor, ator, escritor, poeta e uma lenda viva da música brasileira, o recifense “imorrível” Di Melo se diferenciou de seus demais contemporâneos pela variedade de gêneros musicais de sua obra, incluindo a mistura de elementos da soul music com a psicodelia.

Conhecido por seus grooves irresistíveis e por suas letras questionadoras, Di Melo lançou seu primeiro trabalho em 1975 e pouco depois alcançou o sucesso. Com o passar dos anos, sua obra foi sendo esquecida a ponto dele ser dado como morto. Mas seu trabalho foi resgatado e hoje ele é admirado no mundo inteiro por músicos, DJs e pesquisadores da música brasileira.

O EP Podível e Impodível é um projeto da Xirê Eventos em parceria com o FARO.

Capa. Foto: Divulgação

Escute Má lida e Aceito tudo.

RELACIONADAS
PUBLICIDADE