Música | Reportagens

O direito ao delírio de Pablo Lanzoni e Thiago Colombo

Change Size Text
O direito ao delírio de Pablo Lanzoni e Thiago Colombo Foto: Bruno dos Anjos

Em meio às incertezas das primeiras semanas de pandemia, em março de 2020, o cantor Pablo Lanzoni convidou o amigo e violonista Thiago Colombo para dar início a uma parceria voz e violão. Passados dois anos de composições e trocas, na maior parte do tempo, à distância, o álbum Delírio Geral chega às plataformas digitais reunindo participações que vão do pianista Celso Loureiro Chaves ao trio de instrumentistas do Bloco da Laje formado por Carólis, Débora Spader e Letícia Rodrigues.

O amplo espectro de convidados orquestrado por Lanzoni inclui ainda Bebê Kramer, Bianca Gismonti, Dany López, Guto Wirtti, Leandro Maia, Leo Bracht, Paola Kirst, Váleria Barcellos e Vitor Ramil. Nas letras do álbum, Lanzoni divide os créditos de duas faixas com Leandro Maia e em outras duas com Richard Serraria.

“Em algumas canções, eu queria reforço na voz, sobretudo para dar mais visibilidade ao texto, como em Deus na Laje e Remanso”, explica Lanzoni. A letra de Deus na Laje, de Leandro Maia, rememora a saída do Bloco da Laje de 2020. A canção tem o violão de Colombo aproximando-se do jongo e do funk e traz Valéria Barcellos cantando os versos: “Quando Deus dançou/ Tinha muitas caras/ A ponte tremeu/ Deus tem tantas caras”. Em Remanso, Vitor Ramil divide os vocais com Lanzoni, colocando em evidência as referências sulistas e platinas da dupla que assina o álbum – entre essas inspirações, o próprio Ramil.

Foto da Capa: Leo Lage

Colombo descreve a construção das participações de Delírio Geral como “a trama de uma série muito boa, com roteiro polifônico”. O enredo múltiplo do trabalho teve a contribuição fundamental do produtor Leo Bracht, que na primeira escuta de gravações caseiras que originariam o álbum sugeriu a Lanzoni acrescentar mais camadas sonoras. “Já tinha falado com o Thiago sobre ter alguns convidados, mas o projeto tomou uma proporção maior”, conta Lanzoni, apontando que sete das oito faixas têm os arranjos de Colombo como matriz geradora – a exceção é Cordel, arranjada por Bianca Gismonti.

Pablo Lanzoni. Foto: Vitória Proença

Lanzoni e Colombo destacam a dedicação dos artistas convidados para o projeto – do mergulho de Bianca Gismonti e Vitor Ramil recriando ideias, passando por Celso Loureiro Chaves transformando sua participação numa elaborada partitura, chegando à entrega das vozes de Valéria Barcellos, Paola Kirst e Leandro Maia. As gravações foram feitas no estúdio Transcendental Audio, em Porto Alegre, por Leo Bracht, com tomadas adicionais nas casas de alguns dos músicos e em estúdios das cidades onde eles residem.

Desde as primeiras conversas entre os artistas, o projeto foi marcado pelas dinâmicas impostas pela pandemia. “Esse impedimento também gerou outra escuta. Se tivéssemos feito esse mesmo disco, com as mesmas canções e a normalidade que tínhamos até então, o resultado seria outro, porque a troca presencial ainda é distinta. Não sei se faríamos um disco melhor ou pior, faríamos outro. Estou muito feliz com o resultado que alcançamos”, reflete Lanzoni, músico e professor do Instituto Federal do RS – Campus Porto Alegre, ressaltando o respeito aos tempos de cada um como elemento central do processo em torno de Delírio Geral

Thiago Colombo. Foto: Maciel Goelzer

Colombo conta que o álbum, tão repleto de camadas e participações, é o trabalho em que mais abriu mão de qualquer vaidade. “Foi uma oportunidade gigantesca criar sem ter a necessidade do protagonismo como músico e do violão como instrumento protagonista”, afirma o instrumentista, professor da Universidade Federal de Pelotas. 

A atmosfera intimista do álbum começa soturna, com a faixa-título descrevendo o sentimento de impotência e o pessimismo provocados pela crise político-sanitária brasileira em 2020 e 2021: “Não vai dar pé, não/ São pandemônios no ar/ Jogo da conspiração/ É delírio geral”. Conforme o álbum avança, entretanto, o delírio caótico e desesperado ganha contornos mais suaves e contemplativos – como no questionamento de Eduardo Galeano em O Direito ao Delírio, texto em que o escritor uruguaio pergunta: ¿qué tal si deliramos por un ratito?

Em Sossego, embalado pelo acordeon de Bebê Kramer, Lanzoni celebra a acolhida da intimidade e o desejo de tempos menos apressados. Em Cordel, o álbum levanta voo e alcança o pó da galáxia. Milongrafia traz o céu azul de uma paisagem dos pampas que pulsa no imaginário urbano. Odoyá evoca Iemanjá e a imensidão do mar nos improvisos do violão de Colombo e da voz de Paola Kirst. A nostálgica Interior rememora imagens afastadas dos grandes centros urbanos e celebra a introspecção. “Quero voltar-me pro meu interior”, canta Lanzoni no último verso de Delírio Geral.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;
PUBLICIDADE