Música | Reportagens

Pâmela Amaro: “Estava cansada de ouvir canções sobre ‘negas’ que não têm nome”

Change Size Text
Pâmela Amaro: “Estava cansada de ouvir canções sobre ‘negas’ que não têm nome” Foto: Luis Ferreirah/Divulgação

A cantora porto-alegrense Pâmela Amaro lançou seu álbum de estreia, Samba às Avessas (Mundaréu/YB), na última quarta-feira (13/4). As 12 faixas – entre elas, nove composições da artista – apresentam reflexões sobre ancestralidade e os espaços ocupados pelas mulheres.

“Estava cansada de ouvir canções sobre ‘negas’ que não têm nome, tratadas como objeto e sem história. Se na realidade somos mães, avós, filhas, esposas, trabalhadoras, empresárias, deputadas, por que o cancioneiro insistiu por tanto tempo – e ainda insiste – em nos manter em uma narrativa comum de servilidade, vazia e totalmente estereotipada? A história já mudou”, observa a compositora, comentando a faixa Deixa que Eu Vou Te Contar, com participações da cantora carioca Maíra Freitasrelembre a entrevista – e da rapper paulista Yzalú:

Tu pode ser rainha, ser porta-bandeira
Tu pode ser passista na estação primeira
Sendo doutora, sendo engenheira, empresária 
Deputada, arquiteta, enfermeira
Tu pode ser a dona de qualquer parada
porque já nasceu ousada e passada 
Se a tua bisa já foi lavadeira, nega,
Tu merece massagem dentro da banheira

“Precisamos rever a forma como educamos a sociedade no tratamento para com as mulheres negras. Quando pego a caneta e me afirmo compositora, posso mudar as narrativas em cada canção, pois sou sujeito do texto. Se o samba tem origem africana e, historicamente, foi preservado por mulheres pretas, matriarcas como Tia Ciata, entre tantas, como desprezá-las?”, reflete Pâmela.

Enquanto o álbum era gestado, as trocas com outras artistas ganharam formato de uma série de lives mensais, realizadas entre outubro de 2021 e janeiro deste ano, intituladas No Avesso do Samba. “Busquei saber mais de produção musical, jongo, composição, samba, a história do povo negro no RS… Sabia que esses temas fariam parte do disco e aprofundei esses conhecimentos.”

As gravações de Samba às Avessas reuniram mais de 30 artistas – aproximadamente a metade composta por mulheres. “Tinha que ter mulher por tudo, porque o avesso é ver também pelo lado feminino e por sua complexidade”, comenta a cantora, que contou com a consultoria da sambista carioca Nilze Carvalho durante a elaboração do álbum.

Com patrocínio da Natura Musical por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do RS (Pró-Cultura) – e direção artística de Tiago Souza, o álbum reúne composições recentes e antigas de Pâmela, vinculadas a diferentes momentos da vida da compositora nos últimos oito anos: “namorando, rompendo, morando com a mãe, passando pela pandemia e pelos lutos da passagem do meu pai (2019) e do meu avô (2020) em sequência”.

Vitimado pela covid-19 aos 97 anos, o avô paterno de Pâmela, Tupan Quintal da Fontoura, é homenageado em Saudação a Tupan. “Não pude me despedir dele e fiquei apenas com a lembrança da última vez que estivemos juntos. Um amigo meu, Jorge Onifade, sabendo da minha tristeza, me mandou Saudação a Tupan num áudio cantado pela esposa, pois ele mesmo, de tão emocionado, não podia cantar. O áudio original da Carmem aparece no início da canção.”

A faixa tem a participação do Coral Tekoa Ywy Poty. “Fomos à aldeia Tekoa Ywy Poty [na Barra do Ribeiro (RS)] para que o meu avô recebesse um canto sagrado guarani. Dessa forma, pudemos também honrar a ancestralidade indígena das terras do sul”, conta a artista. A celebração de ancestralidades também ganha espaço em Oferenda / Canoa de Preto Velho / Bença – a primeira parte da canção, um poema de Oliveira Silveira, – e Vadeia / O sol chorou, com influências de sonoridades de origem africana.

“Estou experimentando traços de diversas referências culturais negras e desejei mostrar elementos da cultura negra gaúcha. Não poderia deixar de fora o maçambique, o sopapo e o batuque. Já o jongo, é uma paixão que tenho. Apesar de oriundo do sudeste do Brasil, dado o contexto de apagamento das nossas culturas africanas, me senti convocada a somar na difusão das origens do samba”, explica a cantora, que divide os arranjos de seu álbum de estreia com Max Garcia e Tuti Rodrigues.

Do quintal da Tia Joia aos palcos

Foto: Luis Ferreirah/Divulgação

As festas familiares no quintal da Tia Joia, em Viamão – homenageadas na faixa Antes de Nós – foram o berço musical de Pâmela. “Praticamente todo fim de semana tinha um batizado, um aniversário de 15 anos ou uma festa só pra juntar a ‘banda’ formada pelo meu pai e pelos meus tios”, recorda a artista.

“Meus tios me iniciaram no samba, me davam o microfone pra cantar e tocavam pra eu me apresentar com eles. Muitos já partiram, e senti que não podia deixar essa herança tão bonita morrer. Também percebi que era um jeito de me conectar com eles”, completa.

Além da música, o teatro faz parte da vida de Pâmela desde a infância. Aos 12 anos, cursou a primeira oficina cênica, buscando superar a timidez. “Eu fazia as pessoas rirem. Achei isso tão poderoso, que pensei: quero isso pra vida!” Mais tarde, participou de diversos espetáculos, graduou-se em Teatro e fez mestrado em Educação – ambos os cursos pela UFRGS – com a dissertação SARAR-SOPAPAR-AQUILOMBAR: O sarau como experiência educativa da comunidade negra em Porto Alegre.

Ao longo de seu percurso no teatro, percebeu que a música era o fio condutor do envolvimento em musicais, operetas e recitais. “A composição já acontecia desde a escola. Em trabalhos de criação, eu fazia paródias e peças, já criando as músicas. Mais tarde, andando com atores, músicos e compositores, também tocando em bares e rodas, mostrando minhas músicas, vi que a coisa estava ficando mais séria, pois me incentivavam a gravar.”

A trajetória artística de Pâmela também passa pelo Carnaval, inspirada no pai, Ximba Fontoura, que integrou a tribo carnavalesca Os Comanches. A cantora participou da batucada Turucutá experiência celebrada nos versos do samba A Caixa e o Tamborim, gravada no EP Veneno do Café – e, mais tarde, compôs a marchinha Lá Vem Gente, que passou a fazer parte do repertório do Bloco da Laje.

Integrante das Três Marias, Pâmela conta que a participação dela no grupo teve início nas oficinas de percussão para mulheres conduzidas pelo músico Paulo Romeu no Afrosul Odomodê. “Ali começou a história de tocar e cantar entre mulheres. Aprendi um pouco de conga, outros tambores, xequeré, pandeiros e tomei gosto pela percussão. Mais tarde, encontrei mais mulheres que tocavam, como a Gutcha Ramil. Ficamos amigas e passamos a tocar juntas em grupos femininos como o Tamanco no Samba.” Com Gutcha e Dessa Ferreira, formaram-se as Três Marias – que hoje reúne também Tamiris Duarte e Thayan Martins.

Na etapa que se inicia com Samba às Avessas, Pâmela acredita que conseguiu “trazer as africanidades sul-rio-grandenses para este trabalho” e espera que “o Brasil veja esse Rio Grande do Sul mais plural”. As primeiras apresentações do álbum estão previstas para o final de maio, em uma roda de samba para a comunidade do bairro Santa Cecília, em Viamão, e o dia 5 de junho, lançamento oficial, na quadra da Banda da Saldanha.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para a sociedade gaúcha sejam abordados: seja nosso assinante.

Reportagens investigativas e de grande importância para a democracia como esta só são possíveis graças ao investimento dos nossos assinantes premium. Além disso, os nossos assinantes premium têm acesso a todo o conteúdo do Roger Lerina, à revista Parêntese, à versão completa da NewsMatinal, a descontos nos nossos cursos e a muito mais. Com o preço de dois cafezinhos por dia você tem mais informação, cultura e ainda ajuda o jornalismo local independente. Assine!
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
PUBLICIDADE