Cinema, Notas

“Antes do Azul” participa do Festival MixBrasil de Cultura da Diversidade

Change Size Text
“Antes do Azul” participa do Festival MixBrasil de Cultura da Diversidade "Antes do Azul". Foto: Assessoria de Flor em Flor/Divulgação

Imaginar o futuro para refletir sobre o presente é o mote do projeto O Fim do Fim: Novos futuros, dos artistas Romy Pocztaruk e Caio Amon, que convidaram uma série de criadores para imaginar novas formas de futuro. O projeto é um laboratório de novas linguagens construídas através de narrativas híbridas, processos colaborativos e intensa intersecção entre música e imagem.

Antes do Azul, um dos curtas-metragens que integram o projeto, foi selecionado no programa de curtas-metragens Corpos Cênicos do 28º Festival MixBrasil de Cultura da Diversidade, que ocorre de 11 a 22 de novembro, com programação gratuita online.

Depois de passar pelo OUTFEST Los Angeles, maior festival de cinema LGBTQ e cultura queer dos Estados Unidos, pelo FUSO FESTIVAL, principal festival aberto de videoarte de Lisboa, Portugal e pelos festivais Seattle Queer Film Festival, Los Angeles Brazilian Film Festival, Fringe Film Festival (Londres), Loop Barcelona 2020 e Indianapolis LGBT Film Festival, Antes do Azul teve exibições no MIRA, programa de videoarte com curadoria de Victor Gorgulho, da ArtRio2020.

O programa Corpos Cênicos apresenta “a potência do corpo queer, amplificada pela ousadia e pelo desejo de implodir uma sociedade encaretada”, trazendo sete curtas-metragens. A edição 2020 do Mix Brasil, evento referência política e cultural nacionalmente e internacionalmente de questões relacionadas à cultura LGBTQ+ e de minorias é o maior evento cultural dirigido ao público LGBTQ+ da América Latina, ficando entre um dos maiores do mundo no segmento. Dentro da programação do evento, 102 filmes de 24 países.

Antes do Azul conta com a performance da cantora Valéria, textos do escritor Daniel Galera e fotografia de Lívia Pasqual.

— O clima distópico do curta, alcançado, em parte, por cenas como da atriz em movimento, vivenciando situações coletivas, e ela só, diante de lugares e objetos obsoletos, por vezes rastros de um futuro utópico não concretizado, parece informado pela urgência do nosso próprio tempo. É como se a personagem vivida por Valéria encarnasse o único ser da espécie humana que viu, vivenciou e, sobretudo, sobreviveu à própria humanidade e à cólera da sua extinção — analisa a crítica de arte Gabriela Motta.

O filme estará disponível gratuitamente até 22 de novembro através do link https://bit.ly/antesdoazulmix

Cartaz. Foto: Divulgação
RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito