Cinema, Notas, Televisão

Festival de Berlim seleciona “Os Últimos Dias de Gilda”, série original do Canal Brasil

Change Size Text
Festival de Berlim seleciona “Os Últimos Dias de Gilda”, série original do Canal Brasil Foto: Palavra Assessoria em Comunicação/Divulgação

O Brasil será destaque na edição de 2021 da Berlinale, com uma novidade sem precedentes. Se o cinema brasileiro vem conquistando nos últimos anos cada vez maior reconhecimento em Cannes, Veneza, Berlim e Sundance, agora, pela primeira vez, uma série de ficção está entre as seis produções internacionais neste formato selecionadas para um dos maiores e mais importantes festivais de cinema do mundo.

A série original do Canal Brasil Os Últimos Dias de Gilda, criada e dirigida por Gustavo Pizzi (dos premiados longas Benzinho e Riscado) e protagonizada por Karine Teles e Julia Stockler, está na seleção oficial da mostra Berlinale Series, do Festival de Berlim.

— A seleção de Os Últimos Dias de Gilda para o festival de Berlim confirma que o Canal Brasil está no caminho certo, de apostar em séries originais, com uma assinatura de excelência. Com esse olhar diferenciado, estamos atingindo a qualidade das maiores séries do mundo — comemora André Saddy, diretor geral do Canal Brasil.

Em quatro episódios, Os Últimos Dias de Gilda – que estreou em novembro e, além de estar disponível nos serviços de streaming Canais Globo e Globoplay, ganhará uma maratona no Canal Brasil, na sexta (29/1), a partir das 23h15min – propõe uma reflexão sobre liberdade, o papel da mulher, aceitação do corpo e a onda de conservadorismo dos dias atuais, abordando temas como o avanço das igrejas neopentecostais e das milícias em comunidades e a perigosa aliança entre a religião e o poder público. A série é uma adaptação do monólogo teatral homônimo de Rodrigo de Roure.

Interpretada pela atriz Karine Teles, que também é corroteirista da série, Gilda é uma mulher livre, no mais amplo sentido da palavra, cujo comportamento incomoda muita gente ao seu redor. Com excelentes dotes culinários, cria porcos e galinhas no quintal de sua casa para o abate
e produz receitas capazes de encantar amigos e amantes. Sua independência incomoda a vizinhança, principalmente Cacilda (Julia Stockler), esposa de Ismael (Igor Campagnaro), que está se candidatando a um cargo público através de um partido ligado a um grupo religioso.

Gilda mantém-se de forma independente, recusa-se a aceitar a opressão e o machismo e escolheu se relacionar de forma livre com diversas pessoas, sem amarras ou rótulos. Já Cacilda representa valores mais conservadores, julgando o tempo todo o comportamento sexual da vizinha e classificando sua fé como bruxaria. Não bastasse a agressividade de todos ao seu redor, Gilda ainda precisa lidar com o aumento da violência urbana e a briga entre traficantes, policiais e milicianos em busca do controle da comunidade onde mora.

RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.