Música | Notas

Indie rock e pós-punk oitentista regem questões existenciais em álbum de estreia de Stall The Örange

Change Size Text
Indie rock e pós-punk oitentista regem questões existenciais em álbum de estreia de Stall The Örange Luiz Libardo. Foto: Victor Michelato.

Stall The Örange, projeto liderado por Luiz Libardo, lança nesta sexta (26/11), em todas as plataformas musicais, o disco de estreia, Colours Are Distorted. Natural de Brusque (SC), o artista assina a composição, execução e produção de todas as faixas do disco, lançado de forma independente. 

O EP de estreia divulgado há um ano, intitulado It’s a Chromatic Circle, But, deu as boas-vindas ao grupo no cenário underground catarinense. E o batismo do novo trabalho foi pensado justamente para se conectar com o EP: It´s a Chromatic Circle, But Colours Are Distorted, iniciando assim uma narrativa singular. 

Dualidade de mundos, reflexões existencialistas, impermanência e relações humanas, são temas discorridos ao longo das dez faixas gravadas entre 2018 e 2020, no Pistache Estúdio em Brusque (SC), e produzido por Luiz junto a Davi Carturani. A atmosfera do álbum resgata aquele indie rock que dominou o mundo em meados de 2006, aglomerando as casas de rock da Rua Augusta em São Paulo, trazendo também elementos do pós-punk  dos anos 80, new wave, dream pop e rock alternativo, temperado pela sonoridade neo psicodélica presente em algumas faixas.

Escute o álbum Colours Are Distorted aqui.

RELACIONADAS
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito