Política Pública, Reportagens

Economia criativa teve perda de 691,9 mil empregos no primeiro semestre de 2020

Change Size Text
Economia criativa teve perda de 691,9 mil empregos no primeiro semestre de 2020 Artesanato é um dos setores mais impactados pela crise sanitária. Foto: Allan Patrick/Wikimedia Commons

O Painel de Dados do Observatório Itaú Cultural apresentou recentemente o cenário do mercado de trabalho da indústria criativa brasileira no primeiro semestre de 2020. Segundo o estudo, que utiliza dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), 691,9 mil postos de trabalho formais e informais foram perdidos em comparação com o mesmo período do ano anterior. Em junho de 2019, havia 6.958.484 indivíduos atuando no setor. Em junho de 2020, com retração de 9,94%, o número ficou em 6.266.560 trabalhadores.

Reprodução: Itaú Cultural

Na comparação de junho deste ano com dezembro de 2019, a diminuição é ainda mais expressiva: 871,3 mil empregos formais e informais a menos no mercado, o que representa uma retração de 12,2%. “Sabemos que o primeiro semestre é menos aquecido que o segundo, e é preciso certa cautela para se comparar o saldo de postos de junho deste ano com dezembro do ano passado. Mas o fato é que, em seis meses, 871,3 mil postos de trabalho deixaram de existir para trabalhadores da economia criativa, em decorrência da pandemia”, aponta Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural.

Reprodução: Itaú Cultural

Entre os trabalhadores mais diretamente vinculados às atividades culturais, a queda se revela ainda mais expressiva, alcançando 49% (de 659,9 mil para 333,7 mil empregos), no comparativo entre os meses de junho de 2019 e 2020. O estudo aponta que, nesse segmento, o setor “Editorial” foi proporcionalmente o mais impactado, encolhendo 76,85% (-7.994 postos).

Logo a seguir, com perdas maiores em números absolutos, encontram-se as categorias “Atividades Artesanais” – retração de 49,66% (-132,8 mil empregos) – e “Artes Cênicas e Artes Visuais” – queda de 43% (-97.823 postos). A categoria “Cinema, Música, Fotografia, Rádio e TV” encolheu 38,71% (-43.845 empregos).

A pesquisa mostra ainda que a os trabalhadores informais (sem carteira assinada nem cadastro formal de CNPJ) sofreram mais no período: redução de 21,3% dos empregos no comparativo entre junho de 2019 e 2020 – de 2.797.104 para 2.235.114 postos de trabalho, totalizando uma perda de 561.990 empregos.

Entre os formais, a retração foi menor, ao que tudo indica, por conta de medidas como redução de carga horária e suspensão temporária de contratos: queda de 6,24%, indo de 4.161.380 para 4.031.446 empregos.

O estudo analisou ainda os números de trabalhadores criativos que atuam em outros setores. A redução de empregos ficou em 15,34%, na comparação entre junho de 2019 e 2020. Entre os profissionais de apoio à indústria criativa (contadores que atuam em empresas do setor, por exemplo), a redução foi de 9,78%.

Reinvenção e cooperação

“Enormes transformações nos modos de produção, circulação e consumo de produtos e serviços culturais estão em andamento, exigindo adaptações e talvez a reinvenção de políticas públicas e modelos de negócios”, aponta Luciana Modé, coordenadora do Observatório e do Painel de Dados Itaú Cultural.

Entre as possíveis medidas para mitigar os efeitos da crise sanitária no setor, Modé destaca a necessidade de práticas colaborativas entre diferentes agentes e segmentos, de modo que “setores mais robustos e resilientes à crise cooperem e estimulem os que têm tido mais dificuldade”.

“O setor cultural brasileiro, com sua força e diversidade, tem enorme potencial para contribuir, de forma singular, para a concepção e a implementação de estratégias de recuperação socioeconômica no contexto pós-pandêmico, para além do seu próprio campo, podendo atuar conjuntamente com outros setores fundamentais como saúde e educação, trazendo soluções inovadoras e deixando de representar um problema para passar a ser parte fundamental no processo de recuperação”, observa Modé.

Ainda que restrita a uma parcela do setor, a possibilidade de agentes culturais brasileiros explorarem o mercado internacional é uma alternativa apontada pela coordenadora do Painel de Dados do Itaú Cultural: “As exportações dos setores criativos brasileiros têm crescido nos últimos anos, mas ainda estão muito longe de fazer jus à riqueza e à diversidade da produção cultural brasileira e seu enorme potencial para ocupar um protagonismo no mercado de produtos e serviços culturais e criativos em escala global”. 

A pesquisa sobre os postos de trabalho no primeiro semestre de 2020 integra a publicação Dez Anos de Economia da Cultura no Brasil e os Impactos da Covid-19 – Um Relatório a Partir do Painel de Dados do Observatório Itaú Cultural, disponível para download. O estudo de 175 páginas aborda três eixos: financiamento público, trabalhadores e empresas criativas e comércio internacional de produtos e serviços criativos.

Relevância das bibliotecas é um dos destaques de pesquisa sobre hábitos culturais

Pesquisa revela hábitos culturais online adquiridos na pandemia

Pandemia expõe abismo entre trabalhadores da cultura e incentivos públicos

RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.