Artes Visuais, Política Pública, Reportagens

Os três museus mais populares do Rio Grande do Sul planejam reabertura

Change Size Text
Os três museus mais populares do Rio Grande do Sul planejam reabertura Museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS. Foto: MCT/Divulgação

Museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS, MARGS e Museu Militar são as únicas instituições gaúchas listadas no top 100 de visitações no Brasil em 2019, dado mais recente do Ibram. Todos devem voltar a atender público até maio.

A boa notícia é que os três museus mais populares do Rio Grande do Sul devem reabrir as portas em breve. O Museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS, o Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS) e o Museu Militar planejam voltar a receber público nos próximos meses: o da PUC e o MARGS em março; o Militar em maio.

Estas são as três instituições que lideram o ranking local de visitação elaborado todos os anos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), por meio do  Formulário de Visitação Anual (FVA). A lista mais atualizada é de 2019, quando a pandemia ainda não tinha obrigado todos a encerrarem as atividades presenciais e apostarem no ambiente online para manter o vínculo com o público. A coleta de dados referente a 2020 já começou, mas o resultado só será conhecido no segundo semestre.

A má notícia é que apenas esses três aparecem entre os cem museus mais visitados do Brasil – o que quer dizer que não estamos em pé de igualdade com nossos vizinhos mais próximos. Santa Catarina colocou oito instituições no top 100 brasileiro, e o Paraná, sete – embora o Rio Grande do Sul tenha mais candidatos, já que é o estado da região com maior número de instituições.

É verdade que por aqui apenas 90 dos 461 estabelecimentos cadastrados responderam ao questionário – menos de 20%. A Fundação Iberê, por exemplo, contabilizou 61.907 visitantes em 2019, mas não consta no levantamento do Ibram – o instituto garante que mandou o formulário, mas a Fundação diz que não o recebeu. O número torna este o terceiro museu mais visitado do Estado, atrás do Museu da PUCRS e do MARGS – e à frente do Museu Militar.

Publicidade
Publicidade

De qualquer forma, as 90 instituições gaúchas que preencheram a ficha somaram  público de 963.765 pessoas em 2019. O Paraná, com uma população praticamente igual à do Rio Grande do Sul, teve presença 60% maior, de 1,6 milhão de visitantes.

“Tem pessoas que nasceram e cresceram em Porto Alegre e não sabem da existência do Museu da Comunicação Hipólito José da Costa, por exemplo. Tem uma questão cultural de as pessoas não olharem com atenção para a sua história”, lamenta Eduardo Hahn, assessor especial de Memória e Patrimônio da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac).

Financiamento é desafio para campeões de público

Segundo os dados do Ibram, o Museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS abocanhou quase um quarto de todas as visitações do Estado em 2019. A estrutura, que conta com três andares mais um mezanino, está localizada ao lado do campus da universidade, em Porto Alegre, e abriga mais de 700 experimentos. Para Simone Flores Monteiro, museóloga da instituição, o sucesso se deve à capacidade do museu de dialogar com a vida real. “As pessoas compreendem a Ciência através das nossas exposições e conseguem transpor isso para o seu dia-a dia, para as suas relações. Acho que o público cada vez mais busca isso, e o museu acaba sendo um mediador nesta compreensão”.

Museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS. Foto: MCT/Divulgação

Manter esta estrutura funcionando não é moleza. O museu da PUCRS é financiado  pela universidade e cobra ingressos que variam de R$ 10 a R$ 40. Mesmo assim, está sempre atrás de outras fontes de renda. “Nenhum museu do mundo se mantém só com ingresso, nem o Louvre, de Paris, que é o mais visitado do mundo. A gente tem uma associação de amigos, participa de editais, busca patrocínios”, explica Monteiro.

No setor público, onde as verbas para a cultura são cada vez mais escassas, o malabarismo financeiro também faz parte do dia-a-dia dos gestores. Foi graças a R$ 4,7 milhões do Fundo de Direitos Difusos do Ministério da Justiça, por exemplo, que o segundo museu mais visitado do Estado pôde dar início a uma obra de restauração. O MARGS, que recebeu 105.830 visitantes em 2019, está passando por uma obra que inclui a substituição do sistema de climatização e a restauração do terraço, da claraboia e dos quatro torreões (as torres que ficam nas pontas do prédio), além da adequação ao Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio (PPCI).

“Com as ações de requalificação da estrutura física, a gente espera que os museus se tornem mais atrativos. Ninguém gosta de entrar em um lugar com problemas de infiltração, sem pintura”, diz Hahn, que garante que a Sedac tem feito o possível para recuperar os nove museus sob sua administração –  cinco em Porto Alegre e quatro no interior do Estado. 

Atendendo por agendamento, Iberê recebe capacidade máxima

Alguns espaços culturais têm tido resultados promissores na retomada das atividades. É o caso da Fundação Iberê, que voltou a funcionar em setembro com visitas agendadas, de sexta a domingo. “No início foi difícil. Tinha dez pessoas por dia, e olha lá. Mas hoje tem dias totalmente lotados”, comemora o superintendente Emilio Kalil.

Kalil assumiu o posto em maio de 2018, com a missão de tirar a entidade de uma crise financeira que fez com que o museu abrisse somente aos finais de semana. A maré começou a virar no final daquele ano, com um leilão que angariou cerca de R$ 2,5 milhões. “A Fundação saiu da iminência de uma crise financeira graças ao envolvimento da comunidade e do empresariado gaúchos”, diz Kalil, que explica que a Fundação Iberê é uma entidade privada mantida por um grupo de empresários gaúchos.

Para aumentar ainda mais a visitação, a Fundação vem apostando na diversificação das exposições. No momento, a principal atração é a mostra do pintor carioca Maxwell Alexandre, um jovem de 30 anos que retrata em seus quadros a sua vida na Rocinha. Em parceria com a Sedac, foram feitos convites a lideranças comunitárias para que visitassem a mostra, o que ampliou o alcance das obras expostas – e o perfil de visitantes do museu, incrustrado às margens do Guaíba. “Hoje temos um novo público, que às vezes atravessa a capital de ônibus para vir até o Iberê ver a obra do Maxwell”, orgulha-se Kalil. 

O artista Maxwell Alexandre na Fundação Iberê. Foto: Vitória Proença

O sucesso foi tanto que a exposição foi prorrogada até 14 de fevereiro – e as próximas mostras apostam mais uma vez na intersecção de públicos e temáticas. Em março, o espaço vai receber a primeira exposição de moda da sua história. Em maio, o artista gaúcho Eduardo Haesbaert apresentará seus trabalhos, e em agosto será a vez do grafiteiro Daniel Melim. “Vamos diversificar para trazer para cá a maior quantidade de público possível, sempre mantendo a qualidade e a excelência”, assegura o superintendente.

Por causa das regras de distanciamento, o Iberê só está recebendo visitas agendadas, de sexta a domingo. O ingresso custa R$ 20 para uma visita mediada individual e R$ 30 em dupla. A cobrança começou como uma forma de compensar o aumento de gastos gerado pelas normas sanitárias, mas deve se manter mesmo depois da pandemia. “O ingresso é uma vontade antiga nossa. Eu tenho uma desconfiança muito grande das coisas que são dadas com muita facilmente, de presente”, diz Kalil.

Em breve, portas abertas para a ciência e a arte

MARGS, na Praça da Alfândega. Foto: Divulgação MARGS

No MARGS, as atividades presenciais devem retornar de forma gradual a partir de março, quando as reformas estiverem concluídas. No horizonte, estão três grandes projetos: uma mostra individual da gaúcha Lia Menna Barreto, uma remontagem da primeira exposição do MARGS, de 1955, com o melhor  da arte moderna brasileira, e uma coletiva com obras da coleção particular do gaúcho Paulo Sartori. Ao mesmo tempo, o museu seguirá o contato com o público pelas redes sociais. “A verdade é que ninguém estava preparado para o que tem ocorrido desde 2020. Também não estamos totalmente preparados para lidar com o prolongamento disso tudo. Certamente nos exigirá flexibilidade, mudanças e reflexão permanentes sobre como contornar desafios e dificuldades”, reconhece Francisco Dalcol, diretor-curador do MARGS.

Outros museus, como o da PUCRS, sequer reabriram ainda. “Como o nosso museu é totalmente interativo, precisamos fazer algumas adaptações para que não haja risco. Estamos seguindo as orientações da universidade e esperamos em breve poder reabrir”, explica Monteiro. A reabertura está prevista para março, com um circuito especial cheio de novidades. No segundo semestre, haverá o lançamento de  uma exposição sobre sequestro  de carbono, o principal gás causador do efeito estufa.

Museu Militar terá espaço kids

Museu Militar, na avenida dos Andradas. Foto: Comunicação Comando Militar Sul

“Quem não gosta de tirar uma foto com um blindado?”, pergunta o coronel Ílio Araujo de Oliveira Junior, referindo-se à principal atração do Museu Militar do Comando Militar do Sul, na Rua dos Andradas, no Centro Histórico de Porto Alegre. Uma localização privilegiada, que segundo o diretor do espaço ajuda a tornar este o terceiro museu mais visitado do Estado segundo o ranking do Ibram – e o quarto, se considerarmos o número de visitantes do Iberê.

No ano passado, enquanto a maioria dos espaços culturais sofria com a pandemia, o Comando Militar do Sul dava início a uma obra de revitalização que incluiu a pintura interna e externa, a troca do telhado e a compra de novos equipamentos. As portas  devem reabrir em maio, com novas atrações, que incluem uma exposição de armamentos e até uma área infantil. “O espaço kids vai ter miniaturas de blindados e de peças históricas do acervo, além de vídeos institucionais e Recrutinhas”, conta o coronel, referindo-se à revistinha em quadrinhos do Exército Brasileiro.

RELACIONADAS

Quer saber tudo sobre cultura e eventos em Porto Alegre e no RS? Então assine a newsletter do Roger Lerina e receba as dicas no seu e-mail!

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.