Reportagem

Após demora na autorização, mostra sobre a ditadura militar abre hoje na Câmara de Vereadores

Change Size Text
Após demora na autorização, mostra sobre a ditadura militar abre hoje na Câmara de Vereadores Giovani Culau | Foto: Elson Sempé Pedroso / CMPA

 Começa hoje, na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, a mostra “Memória, Verdade e Justiça”, que exibe uma série de fotos de locais onde a ditadura militar torturou cidadãos na capital. Protocolado pelo vereador Giovani Culau (PCdoB) no dia 8 de março, o pedido demorou para ser autorizado – só obteve os votos necessários dos integrantes da Mesa Diretora na noite de quinta-feira, conforme apurou a Matinal.

Antes disso, no dia 25, a Mesa Diretora cobrou de Culau os conteúdos que seriam exibidos na exposição. Depois de enviados os materiais, em uma nova comunicação, no dia 28, quinta-feira, o vereador foi convidado a comparecer à reunião da Mesa no dia 3 de abril para “apresentar o conteúdo”. A decisão, naquele momento, inviabilizaria o início da mostra no dia 1º de abril, data simbólica por marcar os 60 anos do golpe. 

Publicidade

Na noite de quinta-feira, o diretor-geral da Mesa José Alfredo Santos Amarante assinou o despacho que permitiu a abertura da mostra na segunda, “haja vista a data de início da exposição, de modo a não atrasar o evento, e em respeito ao trabalho do parlamentar”, comunicou o documento.

Antes da decisão à favor da mostra, Culau afirmou à Matinal que temia por censura. “A decisão da Mesa foi não autorizar a exposição. Eles não falam isso explicitamente na redação. Dizem que querem conversar comigo para saber o conteúdo, mas este já estava anexado no processo”, destacou, explicando que procurou cada um dos sete integrantes da Mesa Diretora em busca de um retorno sobre a exposição nesta semana e apresentando o conteúdo. “Eu tenho certeza que este não é o procedimento para qualquer exposição. Tenho certeza que é uma decisão política”, avaliou. 

Conforme a Matinal apurou, a autorização para exposições na Câmara costuma ser um processo protocolar e são raras as vezes em que o conteúdo é analisado. Geralmente são rápidas. Neste caso, porém, foram 20 dias entre o pedido e a autorização. 

De acordo com a resolução que estabelece as regras para a autorização da Câmara para mostras expositivas, aprovada em 29 de fevereiro deste ano, as exposições devem ter classificação indicativa livre para todos os públicos, com exceção do T Cultural Teresa Franco, que pode receber mostras com classificação indicativa diversas. 

Exposição é parceria com estudantes da UFRGS

A exposição “Memória, Verdade e Justiça” foi planejada em parceria com estudantes de História da UFRGS responsáveis pelo projeto “Trajetos de Memória – Caminhos da Ditadura em Porto Alegre”. Intitulada “Memória, Verdade e Justiça”, a mostra consiste em uma série de fotos de locais como o Dopinho, a Esquina Democrática e a Praça Argentina, acompanhado de textos que abordam os eventos e violações dos direitos humanos durante a ditadura em locais específicos da cidade, assim como os locais de resistência. A mostra segue em cartaz até 10 de abril.

Criado em 2016, o projeto Caminhos da Ditadura mapeia os lugares ligados ao período da ditadura militar em Porto Alegre. O mapa digital surgiu ainda na graduação da então estudante de História (UFRGS) Anita Natividade Carneiro, que se aprimorou nas referências de locais e de debates teóricos, refletindo sobre a importância dos mapas digitais no ensino de história. 

Nos anos seguintes, o projeto expandiu-se para uma proposta de trajeto de memória da cidade, colocando no mapa mais de 200 espaços de violações dos direitos humanos, torturas e resistência. A iniciativa conta com saídas mediadas uma vez por mês – mais informações são divulgadas nas nas redes sociais do projeto.

Veto à exposição levou caso à Justiça em 2019

Em 2019, a então presidente da Casa, Mônica Leal (PP) encerrou a exposição “Independência em Risco” ao considerar algumas das charges desrespeitosas com o presidente da época, Jair Bolsonaro. Na semana seguinte, a exposição foi retomada por meio de uma decisão judicial


E-mail: [email protected]

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.