Reportagem

Lixões temporários em Porto Alegre não têm previsão de fechar

Change Size Text
Lixões temporários em Porto Alegre não têm previsão de fechar Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) mantém quatro lixões "Bota-Espera". Foto: Gregório Mascarenhas/Matinal

Depois do choque com as ruas inundadas, os porto-alegrenses agora convivem com grandes volumes de lixo empilhados pela cidade. Chamados de “bota-espera”, quatro lixões temporários acumulam entulhos da enchente em diferentes regiões de Porto Alegre. Dois deles estão no Centro Histórico: um na Av. Loureiro da Silva, próximo à sede da Superintendência Regional da Receita Federal, e outro em um terreno do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) na rótula da Av. João Goulart, ao lado da Praça Júlio Mesquita. 

A autarquia informa que o ponto instalado no Dmae já está “encerrando operação” – quando a reportagem da Matinal visitou o local na quinta-feira (6), ainda havia pilhas de entulho. Ali fica a Estação de Bombeamento de Esgoto Ponta da Cadeia, e o bota-espera fica a cerca de 75 metros da Escola Municipal de Ensino Fundamental Porto Alegre (EPA), instituição temporariamente fechada, que acolhe pessoas em situação de vulnerabilidade e foi gravemente afetada pela enchente. Há prédios residenciais a uma distância de 50 metros. 

No caso do lixão do terreno municipal próximo à Receita, o DMLU informa que a estrutura seguirá operando. O bota-espera está a 250 metros da Escola Técnica Estadual Parobé, que teve suas atividades suspensas por conta da enchente, e de prédios públicos como a sede local do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ao Serviço Federal de Processamento de Dados, e a edifícios do poder judiciário, na área ocupada até 2011 pela Vila Chocolatão. 

Há mais três lixões temporários em atividade: um na Av. da Serraria, na altura do bairro Espírito Santo, e outros dois na rua Voluntários da Pátria, um no Humaitá e outro no São Geraldo. 

Segundo o diretor-geral do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Carlos Alberto Hundertmarker, desde o dia 6 de junho – quando a operação dos “bota-espera” começou – já foram recolhidos 42 mil toneladas de resíduos, coletados por caminhões de menor porte que circulam pelas principais ruas da cidade e também dos bairros alagados. 

“Não tenho nenhuma previsão de encerramento da força-tarefa porque muitas áreas ainda estão alagadas, como a zona norte de Porto Alegre e a região das Ilhas, temos muita água ainda”, afirma Hundertmarker.

As estruturas são instaladas em áreas próximas às regiões inundadas. Depois de recolhidos, os resíduos serão direcionados para o aterro de inertes em Gravataí. Cerca de 800 garis atuam na limpeza, com 350 equipamentos entre caminhões e retroescavadeiras. Os serviços são coordenados pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Smsurb).

Questionado pela reportagem sobre eventuais riscos pelo acúmulo de lixo em ambientes próximos a residências e grandes circulação de pessoas, o diretor afirmou que os locais não representam perigo ambiental e que os resíduos envoltos em lodo e lama que estão nos “bota-espera” são os mesmos que estavam dentro das residências e logo depois foram para as calçadas. “Não existe nenhuma diferença do objeto contaminado que está saindo de dentro de casa, dos objetos que já estão na rua e o DMLU está recolhendo, dos resíduos de onde eles estão sendo armazenados de forma provisória”, afirmou.

MPF e MP-RS alertam para risco

A instalação de uma dessas estruturas no Complexo Cultural do Porto Seco gerou incômodo na comunidade. A região é aventada como possível “cidade provisória” para acolher famílias desabrigadas. Na quarta-feira, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) visitaram a área onde devem ser montadas as barracas para 10 mil desabrigados. 

De acordo com o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Enrico Rodrigues de Freitas, a situação é grave, pois pode colocar em risco a saúde das pessoas que sejam instaladas no local, entre outras questões. À Matinal, o DMLU informou que o “bota-espera” perto do sambódromo já está em fase de encerramento, com previsão de conclusão da limpeza da área até o dia 9 de junho. 

O mandato do vereador Jonas Reis (PT) fez uma representação ao Ministério Público (MP), solicitando uma autuação à prefeitura. “É inaceitável que, sem licenciamento sanitário, tenhamos lixões a céu aberto em zonas habitadas, zonas nas quais circulam muitas pessoas, trabalham muitas pessoas. Tornou o espaço público insalubre, sem nenhum tipo de manta de proteção no solo, misturando lixo orgânico que as pessoas dispensaram junto, com dejetos da enchente que também estão contaminados”, disse o legislador à Matinal.

“Nossa preocupação é enorme porque sabemos que as zonas adensadas da cidade possuem grande concentração de roedores, que são vetores de doenças, infelizmente, e também de insetos. Basta ir nesses lixões que caracterizo como clandestinos”, justificou.

À Matinal, o diretor do DMLU afirmou que os locais possuem autorização da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), sem necessidade de ter autorização da Vigilância Sanitária. 

“Não cometemos nenhum crime ambiental. Nossa preocupação é que esses resíduos sejam também recicláveis, para voltarem de uma forma segura para a vida”, explica Carlos Alberto. 

De acordo com o órgão municipal, o aterro São Judas Tadeu, de Gravataí, que vem recebendo os resíduos, faz a separação e reciclagem dos itens – as madeiras danificadas pela enchente podem ser utilizadas como biomassa para queima em caldeiras e fornos, por exemplo.

Gostou desta reportagem? Garanta que outros assuntos importantes para o interesse público da nossa cidade sejam abordados: apoie-nos financeiramente!

O que nos permite produzir reportagens investigativas e de denúncia, cumprindo nosso papel de fiscalizar o poder, é a nossa independência editorial.

Essa independência só existe porque somos financiados majoritariamente por leitoras e leitores que nos apoiam financeiramente.

Quem nos apoia também recebe todo o nosso conteúdo exclusivo: a versão completa da Matinal News, de segunda a sexta, e as newsletters do Juremir Machado, às terças, do Roger Lerina, às quintas, e da revista Parêntese, aos sábados.

Apoie-nos! O investimento equivale ao valor de dois cafés por mês.
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Se você já nos apoia, agradecemos por fazer parte da rede Matinal! e tenha acesso a todo o nosso conteúdo.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Gostou desta reportagem? Ela é possível graças a sua assinatura.

O dinheiro investido por nossos assinantes premium é o que garante que possamos fazer um jornalismo independente de qualidade e relevância para a sociedade e para a democracia. Você pode contribuir ainda mais com um apoio extra ou compartilhando este conteúdo nas suas redes sociais.
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email

Se você já é assinante, obrigada por estar conosco no Grupo Matinal Jornalismo! Faça login e tenha acesso a todos os nossos conteúdos.

Compartilhe esta reportagem em suas redes sociais!

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
RELACIONADAS
;

Esqueceu sua senha?

ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.
ASSINE E GANHE UMA EDIÇÃO HISTÓRICA DA REVISTA PARÊNTESE.