Ensaio

Em torno do funeral de Vladmir Komarov (mais de 50 anos depois)

Change Size Text
Em torno do funeral de Vladmir Komarov (mais de 50 anos depois)

1. Em 1967, o cosmonauta soviético Vladimir Mikailovich Komarov protagonizou o primeiro acidente que matou uma pessoa em decorrência de um voo espacial. A imagem que encontrei neste banco de imagens ilustra o momento fúnebre em que os restos mortais de Komarov estão sendo apresentados às autoridades soviéticas como prova de que seria inadequado fazer um funeral com o caixão aberto. Fazia parte da missão da Soyuz-1 o encontro de duas naves em órbita para realizarem uma troca de tripulação, via caminhada espacial, e retornarem juntos à Terra. Tão logo o cosmonauta entrou em órbita, inúmeros problemas técnicos começaram a se apresentar e decidiu-se por suspender a missão. Após a reentrada bem-sucedida, uma falha em um sensor de pressão impediu o acionamento do paraquedas e a nave se espatifou no solo a 144 km/h, matando o cosmonauta na explosão do impacto, perto da cidade de Orenburg, na URSS. O corpo de Komarov foi consumido pela explosão da queda, e de dentro dos destroços fumegantes foi recuperado um amontoado reduzido de forma irregular que se imaginou ser parte de seu corpo, descrito por Nikolai Kamanin, tenente-general da Força Aérea, que o encontrou, como “um caroço preto disforme”. O acidente que matou Komarov aconteceu efetivamente devido a um problema menor dos inúmeros superados em órbita, o que não diminuiu a dimensão da catástrofe. O acidente responde à tecnologia empregada e não à simplicidade ou complexidade da falha. “Cada tecnologia produz, provoca, programa um acidente específico”, lembraria o filósofo Paul Virilio. “A invenção do barco foi a invenção dos naufrágios.” 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

1. Em 1967, o cosmonauta soviético Vladimir Mikailovich Komarov protagonizou o primeiro acidente que matou uma pessoa em decorrência de um voo espacial. A imagem que encontrei neste banco de imagens ilustra o momento fúnebre em que os restos mortais de Komarov estão sendo apresentados às autoridades soviéticas como prova de que seria inadequado fazer um funeral com o caixão aberto. Fazia parte da missão da Soyuz-1 o encontro de duas naves em órbita para realizarem uma troca de tripulação, via caminhada espacial, e retornarem juntos à Terra. Tão logo o cosmonauta entrou em órbita, inúmeros problemas técnicos começaram a se apresentar e decidiu-se por suspender a missão. Após a reentrada bem-sucedida, uma falha em um sensor de pressão impediu o acionamento do paraquedas e a nave se espatifou no solo a 144 km/h, matando o cosmonauta na explosão do impacto, perto da cidade de Orenburg, na URSS. O corpo de Komarov foi consumido pela explosão da queda, e de dentro dos destroços fumegantes foi recuperado um amontoado reduzido de forma irregular que se imaginou ser parte de seu corpo, descrito por Nikolai Kamanin, tenente-general da Força Aérea, que o encontrou, como “um caroço preto disforme”. O acidente que matou Komarov aconteceu efetivamente devido a um problema menor dos inúmeros superados em órbita, o que não diminuiu a dimensão da catástrofe. O acidente responde à tecnologia empregada e não à simplicidade ou complexidade da falha. “Cada tecnologia produz, provoca, programa um acidente específico”, lembraria o filósofo Paul Virilio. “A invenção do barco foi a invenção dos naufrágios.” 

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso a conteúdo exclusivo?


Assine o Premium
ou faça login

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Publicidade
Publicidade

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Receba de segunda a sexta a Matinal News, a newsletter que traz as principais notícias e eventos de Porto Alegre e do RS.