Ensaio

O socorro da língua

Change Size Text
O socorro da língua

Estaciono o carro medianamente burguês no posto de gasolina deste bairro meio nobre da cidade, rodeado por um comércio ainda pujante e que já transcende a conveniência, apesar da pandemia e sua recessão vigente. Estou em trânsito. Ficarei o tempo suficiente para abastecer. Abro a janela e ele me pergunta, em português ininteligível, mas o qual, com a ajuda de seu olhar triste e de seus gestos soltos, consigo entender, como uma mãe – ou um pai – de boa vontade com a mímica de uma criança. Então, respondo em francês qual e quanto de gasolina eu quero, ou seja, que complete com aditivada. 

Publicidade Publicidade

Superrrr, ele diz, carregando o sotaque no erre. Então, sinto que as minhas e as nossas palavras o socorrem como uma mão estendida, um bálsamo, um anestésico ou um curativo, nessa espécie de salvamento linguístico improvisado. E olha que, diante de um haitiano quase recém-chegado, nem chegamos a adentrar a sua língua crioula materna. Mas, pelo sorriso que permanece, mesmo depois de passar uma água ensaboada ao longo de todo o vidro, uma língua-madrasta parece ali bastar.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

Estaciono o carro medianamente burguês no posto de gasolina deste bairro meio nobre da cidade, rodeado por um comércio ainda pujante e que já transcende a conveniência, apesar da pandemia e sua recessão vigente. Estou em trânsito. Ficarei o tempo suficiente para abastecer. Abro a janela e ele me pergunta, em português ininteligível, mas o qual, com a ajuda de seu olhar triste e de seus gestos soltos, consigo entender, como uma mãe – ou um pai – de boa vontade com a mímica de uma criança. Então, respondo em francês qual e quanto de gasolina eu quero, ou seja, que complete com aditivada. 

Publicidade Publicidade

Superrrr, ele diz, carregando o sotaque no erre. Então, sinto que as minhas e as nossas palavras o socorrem como uma mão estendida, um bálsamo, um anestésico ou um curativo, nessa espécie de salvamento linguístico improvisado. E olha que, diante de um haitiano quase recém-chegado, nem chegamos a adentrar a sua língua crioula materna. Mas, pelo sorriso que permanece, mesmo depois de passar uma água ensaboada ao longo de todo o vidro, uma língua-madrasta parece ali bastar.

[Continua...]

O acesso a esse conteúdo é exclusivo aos assinantes premium do Matinal. É nossa retribuição aos que nos ajudam a colocar em prática nossa missão: fazer jornalismo e contar as histórias de Porto Alegre e do RS.

 

 
 
 

 

 

 

 
 
 

 

 
conteúdo exclusivo
Revista
Parêntese


A revista digital Parêntese, produzida pela equipe do Matinal e por colaboradores, traz jornalismo e boas histórias em formato de fotos, ensaios, crônicas, entrevistas.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo?

Assine o Premium

Você também pode experimentar nossas newsletters por 15 dias!

Experimente grátis as newsletters do Grupo Matinal!

RELACIONADAS
marca-parentese

Abra um parêntese no seu fim de semana com jornalismo e boas histórias. Deixe seu email e receba toda semana as newsletters da revista Parêntese.

Escolhe um dos combos

Pagamento exclusivo via cartão de crédito